quinta-feira, janeiro 30, 2020

TRISTEZAS DA TERRA ALBICASTRENSE

ANTIGA ESQUADRA  DA 
POLICIA DE CASTELO BRANCO
😜 😞 😠 😢 😣

Ao passar hoje frente à antiga esquadra da PSP de Castelo Branco, não pude deixar de espreitar para o antigo pátio da mesma. Confesso que fiquei pior que estragado por ver um espaço de excelência completamente ao abandono.

A minha pergunta sobre a tristeza que por ali mora, só pode ser mesmo a seguinte: Será que este espaço bem no coração da terra albicastrense, não pode ser aproveitado em benefício da nossa cidade?
Responda quem quiser e souber, pois os meus velhos neurónios recusam-se a compreender situações como esta.
O ALBICASTRENSE

terça-feira, janeiro 28, 2020

REGISTOS PAROQUIAIS QUINHENTISTAS DE CASTELO BRANCO - (VI)

UM FANTÁSTICO TRABALHO 
DE
MANUEL DA SILVA CASTELO BRANCO
(Antigo Presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco)

Na celebração do 50º aniversário 
da publicação deste belo trabalho 
de investigação  (1969/2019), 
lançava um apelo à nossa 
autarquia, para que pensasse na possibilidade de 
 publicar este  fantástico  trabalho de Manuel da Silva castelo Branco.
. 
 
O ALBICASTRENSE

domingo, janeiro 26, 2020

ZONA HISTÓRICA.

 UM MURO HISTÓRICO,
OU UM  MAMARRACHO A CAIR AOS BOCADOS?

Este muro com residência na Rua do Arressario (Zona Histórica),  está como as imagens mostram  à muitos e muitos anos. Não sei a quem pertence o terreno que o muro "ampara”, terreno que tem paredes meias com o museu Cargaleiro. Todavia, seja ele de quem for, o mínimo que posso afirmar é que se trata de uma autentica vergonha para a nossa Zona Histórica.

Curiosamente, nem o facto de este terreno estar encostado ao museu Cargaleiro, serviu até aos dias de hoje, para resolver esta miséria.

Uma pergunta:
Será que na nossa autarquia, não
existe gente que por ali tenha passado e não se tenha indignado, por ver a triste miséria ali instalada?

Responda quem quiser e souber, pois eu confesso, que os velhos meus neurónios se recusam a compreender situações como esta.
ALBICASTRENSE

quinta-feira, janeiro 23, 2020

CHAFARIZ DE SÃO MARCOS - (4)

DESCORTINEM AS DIFERENÇAS 


Primeira imagem mostra o tanque antes das escavações, a segunda e terceira, mostram parte do tanque agora visível. 
😊   😋   😌   😍
O estudo arqueológico sobre o nosso velhinho chafariz continua, estudo que põe a descoberto as estupidezes cometidas durante o século passado.
As imagens aqui publicadas não mentem, ao olhar-mos para estas imagens recolhidas ontem no local, não podemos deixar de nos interrogar sobre as maldades cometidas contra o velho chafariz e perguntar: 
como foi possível terem feito o que fizeram ao velho chafariz?” 
Eu sei que os tempos eram outros, todavia, confesso que não consigo entender ou compreender tal estupidez.O passado é isso mesmo, passado! Agora vamos esperar que os especialistas corrigem as crueldades cometidas, e que os albicastrenses voltem a ter orgulho no seu velhinho chafariz. 
Uma palavra para os responsáveis pelo trabalho arqueológico que está a ser feito, trabalho feito aos olhos de quem passa e não às escondidas como foi feito no passado.
PS. Irei continuar a informar do andamento dos trabalhos.
O ALBICASTRENSE

quarta-feira, janeiro 22, 2020

CAIXAS QUE ENVERGONHAM A NOSSA ZONA HISTÓRICA

 CAIXAS  QUE TORNAM AINDA MAIS TRISTES AS RUAS 
DA NOSSA ZONA HISTÓRICA
Um dos meus passatempos favoritos é deambular pelas ruas da nossa zona históricaDurante essas caminhadas, muitas são as vezes que dou comigo a pensar: “como foi possível deixarem fazer esta porcaria? Ou ainda, será que quem mandava nessa altura estava a dormir?

Um dos casos que muito me indigna e entristece, é a sementeira das medonhas caixas metálicas nas ruas da nossa zona histórica. Caixas da rede elétrica e de fornecedores de televisão, caixas que tornaram ainda mais tristes e amarguradas as ruas da nossa zona histórica.
Eu sei que as caixas são necessárias, contudo, tendo em conta que se trata de uma zona histórica, não teria sido possível esconde-las, ou então, fazer caixas que se enquadrassem melhor numa zona que todos nós deve-mos proteger? Na minha última caminhada pela nossa zona histórica, fui surpreendido
pela originalidade de um morador, pessoa que resolveu transformar a caixa que por desgraça lhe caiu à porta, numa coisa menos medonha e mais florida. A imagem aqui publicada mostra a respetiva caixa, caixa que pode ser vista na rua do Arressário.
 CONCURSO DE IDEIAS PARA AS MALFADADAS CAIXAS
Pegando na ideia do morador, resolvi lançar aqui um concurso de ideias para embelezar  as malfadadas caixas. Como não sou pessoa de ficar á espera do dia de S. Nunca à tarde, avanço desde já com a minha proposta, dando três exemplos. Agora resta-me aguardar pelos comentários e pelas ideias de quem me visita.

A MINHA PROPOSTA 
  😉   😊   😋   😌   😍  
PS. Amigos visitantes, não deixem de entrar nesta minha
peripécia imaginativa, o morador da rua
 do Arressario bem o merece pela sua criatividade. 
O ALBICASTRENSE

segunda-feira, janeiro 20, 2020

O BURRINHO DA QUINTA DA MAGRE

O BURRINHO QUE SUBIA A AVENIDA MARECHAL CARMONA,
EM DIREÇÃO AO CHAFARIZ DE SÃO MARCOS.

Os postes sobre o velhinho chafariz de S. Marcos, são por vezes motivo de agradáveis recordações para quem os lê.
Hoje ao fazer compras num hipermercado da terra albicastrense, fui confrontado por um velho amigo sobre uma história relacionada com o velho chafariz, dizendo-me ele, se não me recordava do burro dos dois irmãos da quinta da Magre.
Perante o meu entorpecimento da história do burro, ele recordou-ma: a quinta da Magre ficava ao lado da quinta da Messe, pelo meio delas passava a antiga estrada que começava no final da avenida que hoje chamamos de Humberto Delgado, em direção aos Escalos.
Disse-me o meu amigo, que a quinta da Magre era de dois irmãos carroceiros (o que faz fretes com carroça). Acontece que na quinta da Magre os burros tinham o respetivo palheiro, local onde estavam quando os donos não tinham trabalho para eles.
Segundo o meu amigo, um dos burros era motivo de admiração na terra albicastrense, pois todos os dias um dos burros fazia um interessante e agradável passeio. Saía da quinta de manhãzinha, subia a Avenida que na altura se chamava de Marechal Carmona (hoje Humberto Delgado), entrava na rua Francisco Tavares Proença Júnior, e virava à direita prá rua de S. Marcos em direção ao chafariz de S. Marcos. 
Chegando lá, engolia água do tanque até se fartar, descansava e depois fazia o caminho de regresso até a quinta da Magre, tudo isto, perante a admiração das pessoas que contemplavam este esperto burro. Tal como disse anteriormente, não tenho memórias desta curiosa história, todavia, lembro-me muito bem das quintas. Na quinta da Messe comi muitos e bons figos, pois eles estavam mesmo a mão de semear para quem passava rente ao muro da quinta.
PS Se alguém tiver conhecimento desta ou de outras histórias
ligadas ao nosso chafariz, pode coloca-las aqui.
O ALBICASTRENSE

domingo, janeiro 19, 2020

AVENIDA HUMBERTO DELGADO

ÁGUIAS DA ANTIGA COMPANHIA DE SEGUROS MUNDIAL

Não sei se terei razão, mas estou convicto que muitos albicastrenses ainda não olharam muito bem, para as duas águias que estão colocadas num edifício da Avenida Humberto Delgado. 
Estas águias são o símbolo da  companhia de seguros Mundial. Foram ali colocadas se não estou em erro, na década de 50/60 do passado século, quando da abertura da delegação em Castelo Branco. Curiosamente, estas duas águias têm uma historia, historia, que me foi contado por Francisco Reis Barroso, proprietário da Electro Avenida, estabelecimento situado bem perto da antiga loja da companhia de seguros Mundial.

Disse-me o senhor Barroso, que as águias foram feitas nos Escalos, local onde nessa altura existiam alguns bons canteiros. Dois irmãos que nessa altura desempenhavam essa profissão nos Escalos, foram desafiados a fazer cada um deles uma águia para ser colocada no cimo dum edifício situado na Avenida na altura designada por Marechal Carmona, hoje Humberto Delgado. Não sei se o desafio teve vencedor, contudo, as águias ainda hoje estão no cimo do edifício, independentemente da companhia ter fechado a sua delegação no referido edifício 
                  O ALBICASTRENSE

sexta-feira, janeiro 17, 2020

CHAFARIZ DE S. MARCOS - (3)

UM DEPOIS COMEÇARAM FINALMENTE AS OBRAS
 DE RECUPERAÇÃO DO NOSSO VELHINHO CHAFARIZ DE S. MARCOS

Como se pode ver nas imagens ontem recolhidas por mim no Largo de S. Marcos, os arqueólogos  responsáveis pelo trabalho de investigação no chafariz, continuam a fazer o seu trabalho. Nas imagens aqui postadas, pode ver-se  que parte  do tanque foi subterrada por duas vezes durante o século XX

Mais que saber como foi possível tal maldade, interessa agora, que o velho tanque não seja sepultado pela terceira vez, por isso, desloquei-me hoje á sessão pública da nossa autarquia onde me manifestei contra essa possibilidade. 

O meu apelo aos responsáveis da autarquia albicastrense, foi no sentido de não deixarem que as maldades cometidas no passado século contra o nosso chafariz, possam vir de novo a acontecer.

Consentir ou permitir que o velho tanque volte a ser subterrado, é atestar a total falta de afetividade  para com o chafariz, para com a terra albicastrense e para com todos os albicastrensesComo acredito na atual vereação da terra albicastrense e no seu presidente, desloquei hoje (como disse anteriormente), á sessão pública da nossa autarquia onde afirmei isso mesmo 
Aos albicastrenses renovo o apelo para que acompanhem a recuperação desta nossa pérola, pois,  não podemos demitir-nos  da obrigação e do dever de o proteger.
                       O ALBICASTRENSE

segunda-feira, janeiro 13, 2020

CHAFARIZ DE S. MARCOS - (2)

Um ano depois, 
começaram finalmente as obras
 de recuperação do nosso velhinho
 Chafariz de S. Marcos  

Tal como disse no poste anterior, começaram as obras de recuperação do nosso velhinho chafariz de S. Marcos. Neste momento está a realizar-se um estudo arqueológico no local para se estudar  (muito bem), a realidade existente. Como se pode ver nas imagens captadas por mim no local, encontrou-se a cerca de 20/25 centímetros do atual  piso,  o piso anterior, assim como na parte detrás do chafariz, foi encontrado parte da anterior conduta por onde  passava  a agua que vinha duma nascente existente na zona do castelo. 
Segundo a minha modesta opinião, parece que a coisa está a decorrer como manda o bom senso, ou seja, primeiro estuda-se a situação, depois os  especialistas dirão o que deve ser feito. 
Como agredido nos arqueólogos  que fazem este trabalho, vou aguardar pelo relatório final para depois saber das conclusões finais, contudo, não posso deixar de dizer desde já, que gostava de ver o velho piso (pelo menos frente ao chafariz), recuperado, pois isso iria colocar a velho tanque totalmente a descoberto.

Aos albicastrenses não posso deixar de pedir, para passarem pelo local, desta forma, estaremos a dizer aos responsáveis pela nossa autarquia que esta nossa pérola tem que ser recuperada como deve ser.
O ALBICASTRENSE

quarta-feira, janeiro 08, 2020

CHAFARIZ DE S. MARCOS - (1)

Um ano depois, 
começaram finalmente as obras
 de recuperação do nosso velhinho
 Chafariz de S. Marcos  


Como se pode ver nas imagens captados por mim ontem no largo de S. Marcos, as obras referentes à recuperação do velhinho Chafariz, começaram finalmente.




Em Janeiro de 2019 lancei aqui uma série de postes, sobre a miserável situação em que ele se encontra. 
Desloquei-me inclusive por várias vezes, às sessões publicas da nossa autarquia, para me manifestar contra essa miserável situação.


Um ano depois, a recuperação do Chafariz de São Marcos está  finalmente a acontecer, agora, vamos aguardar para ver como tudo vai decorrer, pois, o Chafariz é merecedor de todo o nosso apoio.
O Albicastrense

terça-feira, janeiro 07, 2020

LARGO DE SÃO MARCOS

A CORES
 E A PRETO E BRANCO
MEMÓRIAS DE OUTRO TEMPO

A HISTÓRIA DE UMA IMAGEM

As imagens aqui postadas    foram captadas depois do Tornado que arrasou Castelo Branco em 6 de Novembro de 1954.
Nasci bem perto do Largo de S. Marcos e ali vivi até aos quatro anos. Tenho portante, muito carinho por este local, sitio, onde mora o velho Chafariz de S. Marcos, monumento tão mal tratado pelos albicastrenses ao longo dos tempos. 
Ao ver estas imagens no site dos monumentos nacionais a alguns anos, não pude deixar de pensar para comigo mesmo, que seria interessante agarrar nas duas imagens e torna-la uma só. O motivo para o largo ter sido captado em duas imagens, (imagino eu!), pode dever-se ao facto do fotógrafo não ter na altura objetiva para captar o largo de uma só vez. Para corrigir essa contrariedade resolvi colar as duas imagens e dar-lhe cor.

UM DESABAFO QUE PODE E DEVE SER COMENTADO

Ao olhar para esta imagem e olhando para o largo como hoje o conhecemos, não posso deixar de me interrogar e perguntar a mim próprio: "estará hoje este velhinho largo melhor que no passado?"
Responda quem quiser e souber, pois eu confesso não ter resposta
              O Albicastrense

domingo, janeiro 05, 2020

REGISTOS PAROQUIAIS QUINHENTISTAS DE CASTELO BRANCO - (V)

UM FANTÁSTICO TRABALHO 
DE
MANUEL DA SILVA CASTELO BRANCO
(Antigo Presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco)

Na celebração do 50º aniversário da publicação deste belo trabalho de investigação  (1969/2019), lançava um apelo à nossa autarquia, para que pensasse na possibilidade de  publicar este  fantástico  trabalho.

     
  
                                         O ALBICASTRENSE 

O PASSADO E O PRESENTE - (III)

CASTELO BRANCO  ATRAVÉS DOS TEMPOS  Terceira publicação da rubrica: “ I magens do passado e do presente da terra albicastrense ” .  A imagem...