domingo, outubro 11, 2020

UM ESPÍRITO NA RUA DOS FERREIROS

UM ESPÍRITO DO PASSADO 
DEAMBULANDO PELA NOSSA ZONA HISTÓRICA

Percorri ontem as ruas de S. Maria e Ferreiros para recordar tempos em que por ali podíamos contemplar vida. Tempos em que nestas ruas não habitava um deserto de vida, mas antes, um oceano de existência e de sorrisos de crianças.
Após ter percorrido as ruas, sentei-me no escalão de uma casa da rua dos Ferreiros, quando inesperadamente ouço uma voz.
- Os malandros estão-se borrifando, para isto tudo.
Percebi rapidamente que alguém estava muitíssimo zangado com a situação da nossa zona histórica. Olhei, e vi um velhote com cara de poucos amigos ao qual perguntei.
- Quem é que se está borrifando para isto tudo?
- Vossemecê sabe muito bem quem eles são?
Perante esta resposta embaraçosa, resolvi fazer-me de pateta e perguntar.
- Está a falar do Presidente?
- Do Presidente e dos outros.
 A conversa parecia agora prometedora, por isso, deitei lenha prá fogueira na tentativa de saber quem eram os outros.
- Por que razão, se está borrifando o Marcelo para isto tudo, e quem são os outros todos?
- Vossemecê está a gozar comigo?
- Deus me livre de estar a gozar consigo, pois tenho muito respeito pelos mais velhos.
A conversa prometia, pois eu ao fazer-me de parvo para lhe sacar os nomes dos malandros que se estavam “borrifando para isto tudo”, estava a irrita-lo.
- O meu amigo disse que era o presidente e os outros todos.
- Pois disse, mas não disse que era o Marcelo.
Perante esta conversação que parecia não levar a lado nenhum, resolvi perguntando-lhe os nomes que eu queria que ele dissesse, mas que ele não queria dizer.
- Se não é o Marcelo, então é o presidente da nossa autarquia, e os outros, são a restante vereação.
- Olha! Afinal vossemecê sabe quem eles são.
A situação estava bem difícil, pois tinha sido apanhado na minha própria ratoeira, por isso, resolvi ser mais perspicaz.
- Você parece ter cagaço, em dar nome aos malandros de que fala.
- Eu sou uma alma tranquila e de boa paz, por isso, prefiro que o meu amigo os diga.
O velhote começava a ficar demasiado calmo par o meu gosto, por isso, resolvi atiça-lo um pouco.
- O meu amigo fala e volta a falar, mas diz praticamente nada.
- Agora está a chamar-me empata qualquer coisa?
A coisa não andava nem desandava, por isso, resolvi continuar a dar-lhe música para ver se homem se descosia.
- O meu amigo desculpe, mas eu nunca tive intenção de lhe chamar o que quer que fosse, mas você chispa-se aos nomes.
- Está enganado! Eu chispe-me é a atrevidos que sabendo que eu sei que eles sabem, fingem não saber de nada.
Como ele não dizia os nomes e como eu não consegui que ele os dissesse, resolvi acabar com esta conversa desconsolada e arrematar a questão final:
- Eu tenho estado a magicar para comigo próprio que o conheço de algum lado, contudo, não consigo recordar-me quem vossemecê é.
- Sou alguém que aqui nasceu, que aqui viveu, que aqui casou, que aqui viu os filhos nascer e crescer, que viu os casar e ter filhos e que aqui morreu.
- Morreu!
- Sim, sou um albicastrense do passado, albicastrense cujo o espírito regressa a um sítio onde foi feliz, a um local despedaçado pelos albicastrenses do presente, a um lugar onde os albicastrenses do futuro não irão encontrar memórias do passado.
Perante a minha estupefação, segui o seu caminho sem olhar uma única vez para trás. Quem demónio seria o homem? Uma alma retornada do passado com saudades do local onde foi feliz, ou eu fechei os olhos, dormitei e tudo isto foi um sonho?
(Crónicas da nossa Zona Histórica).
O ALBICASTRENSE

7 comentários:

  1. Joaquim Lalanda Roseiro Boavida
    Penso que foi uma oportunidade perdida. Por se tratar de uma voz do além, mais importante que saber quem se está a marimbar, era importante saber o que feito de mal ou não foi e devia ter sido feito.
    Se alguma coisa está mal no espaço público, a culpa é de todos nós.
    (Comentário feito no facebook).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que concordo consigo amigo Joaquim.
      Os Albicastrense são os principais culpados pela miserável situação em que se encontra a nossa zona histórica.
      Abraço

      Eliminar
    2. Álvaro Barreiros
      António Veríssimo Bispo somos culpados porque deixamos na nossa terra entrar nas listas tipos que não são de CB.
      (Comentário feito no facebook).

      Eliminar
    3. Joaquim Baptista
      Álvaro Barreiros Essa é grande verdade e continua na mesma.
      (Comentário feito no facebook).

      Eliminar
  2. Adilia Antunes
    Tanta mão de obra que ali havia. Como me lembro das marteladas ,o som lindo que faziam adorava velos ,todos sentados para a rua ,e faziam aqueles cobres martelados que bom.
    (Comentário feito no facebook).

    ResponderEliminar
  3. Joaquim Baptista
    ícone do distintivo
    Que belo texto com verdade nua e crua.
    (Comentário feito no facebook).

    ResponderEliminar

MEMÓRIAS DA TERRA ALBICASTRENSE - JORNAL; "A BEIRA BAIXA"

PRIMEIRA EDIÇÃO DO ANTIGO JORNAL, " A BEIRA BAIXA ". EDIÇÃO DE 12 DE ABRIL DE 1937. Jornal do qual foi leitor durante muitos e m...