quinta-feira, julho 09, 2020

ENTREVISTAS


O TANQUE QUE JÁ FOI
ENTERRADO DUAS VEZES.

Com as obras a terminarem no chafariz de São Marcos, resolveu o albicastrense passar por lá para entrevistar quem por ali andasse na passeada a mirar as obras.
A primeira pessoa que me apareceu pela frente foi o “Ti Queixinhas”, albicastrense que passa a vida a queixar-se de tudo e de nada. Ao ver-me, aproximou-se sorrateiramente e disparou:
- O gajos só podem estar  insensatos  da cachola, então desenterram o tanque e depois voltaram a enterra-lo? Será que eles endoidaram e ainda não deram por isso!?
Por detrás de mim alguém gritava: "rua com eles, rua com eles, rua com eles!" Voltei-me e dei de caras com o “Ti Manel Cangalheiro”, figura importante no largo e proprietário da Agência Funerária; "Uma Porta Aberta para o Céu".
- Vossemecê já viu bem o que eles fizeram? - Então não é que desenterraram o cadavérico tanque e não me contrataram para lhe fazer novo enterro! – Esta malta é toda interesseira, só dão trabalho aos da cor deles.
Ainda o “Ti Manel Cangalheiro” não se tinha calado, já a “Rosa Viçosa”, florista com loja aberta no largo e muito "bem-amada" entre os seus moradores (eu que o diga), gritava para quem a quisesse ouvir.
- Os malandros desenterraram e voltaram a enterrar o pobre desgraçado, sem me dizerem nada! O pobrezinho não teve direito a uma palma, coroa ou um simples raminho de flores, nunca vi enterramento mais desconsolado.
Perante toda esta caldeirada de insatisfação, confesso que já não sabia para onde me virar e o que dizer, quando de repente o “Ti Queixinhas” aparece a baralhar ainda mais a contenda.
- Esta malta não vale nada! Eles que se cuidem, que na próxima vou votar na oposição.
Para baralhar ainda mais, eis que aparece o “Ti Alfredo”, pessoa com café aberto no largo, de imediato estabeleceu ordem no areal da discussão.  
- Chega, Chega, Chega! – Os malandros não quiseram saber de nós, mas a partir de agora, nós também não queremos saber deles.
Zé Castanha, mecânico com oficina no largo, entra na discussão e estrebucha raios e coriscos contra quem decidiu o que decidiu, propondo a criação de uma comissão parlamentar (perdão! Do largo…), para inquirir o enterro do tanque.
Quando tudo parecia estar em vias de acalmia perante a proposta do “Zé Castanha”, eis que emerge de novo o “Ti Alfredo” gritar.
- Chega, Chega, Chega… isto só lá vai com o manda abaixo dos malandros que enterraram o nosso tanque.
Rosa Viçosa, mulher que sempre pensou pela sua cabeça e não pela dos outros, levantou a voz e exclamou bem alto:

- Chega uma PORRA! Aqui não chega nada e quando chega, é o que eles querem e não o que nós desejamos.
O “Ti Manel Cangalheiro” farto de tanta prosa e nenhum defunto, propôs de imediato que fossem ao café do Alfredo matar a sede, pois assim sempre podia alguém esticar as botas de tanto embeber briol e ele ganhar algum.
O ALBICASTRENSE

8 comentários:

  1. Álvaro Barreiros
    Vou lá mostrar o meu desagrado todos os dias e as meninas já nem me podem ver...
    (Comentário feito no facebook)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que pena haver tão pouca gente a fazê-lo.
      Abraço

      Eliminar
  2. Júlia Bispo
    Nesta cidade fazem o que querem e lhes apetece, infelizmente a gente de mente iluminada não percebem nada, só betão.
    (Comentário feito no facebook)

    ResponderEliminar
  3. Carlos Boavida
    Seria para rir se não fosse trágico. Não o reenterrar do tanque, mas os comentários à obra por quem ali mora, que só reclama dos lugares de estacionamento perdidos.
    Na verdade a situação para maioria daquela gente resume-se a isso.
    (Comentário feito no facebook)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que é trágico, amigo Carlos Boavida!
      Mas muito mais trágico seria, se passássemos ao lado de toda esta tristeza sem gozarmos com a nossa letargia para combater este tipo de desgraças.
      Um triste realidade a que nós albicastrenses infelizmente não somos capazes de fazer frente.
      Abraço

      Eliminar
    2. Carlos Boavida
      Nisso concordo plenamente.
      É necessário efectivamente chamar a atenção para este tipo de situações. Por meritório que seja a intervenção, foi muito aquém do que seria expectável, pelo menos do ponto de vista da leitura da estrutura do tanque.
      Esperemos que daqui a uns anos não esteja novamente ao abandono, como até há pouco tempo, com carros estacionados quase dentro do tanque. Esperemos também que ninguém caia no seu interior.
      (Comentário feito no facebook)

      Eliminar

  4. Júlio Vaz de Carvalho
    Oh! Amigo Veríssimo, o texto do Blog está de gritos. Retirou a carga de revolta perante mais esta "obra", que eu definiria, de cosmética-para-encher-pneus, ehehehe.
    (Comentário feito no facebook)

    ResponderEliminar
  5. Eheheh. Rio não da forma como estão a efetuar as obras do Chafariz mas pelas palavras dos moradores da zona... parecem fazer parte dum enredo de algum livro já lido... bem português. Caro Verissimo, as obras irão terminar de acordo com o plano estabelecido, disso não tenho já dúvidas, porque se as entidades responsáveis tivessem outro querer já tinham alterado o projeto. Lamento imenso que a vontade dos que têm memória do que foi o Chafariz não seja tida em conta. Um abraço e adorei ler este seu artigo, como sempre.

    ResponderEliminar

MEMÓRIAS DA TERRA ALBICASTRENSE

Recuperar e pintar antigas imagens da terra albicastrense, dá-me uma enorme satisfação.  Quando “apanho” uma antiga imagem da terra albicast...