sábado, dezembro 12, 2020

OBRAS NA NOSSA ZONA HISTÓRICA

UMA VELHA CASA NA RUA MOUZINHO MAGRO

A casa que pode ser vista nesta publicação tem residência na rua Mouzinho Magro (zona histórica), a mesma começou a ser recuperada pela nossa autarquia no início de 2020, de um momento para o outro, as obras pararam e tudo ficou parado paradinho por ali. 
Disse-me alguém que por ali estava quando captei esta imagens, que teriam aparecido vestígios  arqueológicos no local. O aparecimento de vestígios arqueológicos na nossa zona histórica não tem de extraordinário, pois, trata-se de uma zona com mais de 800 anos. O que vem a seguir, é que me deixa com os poucos cabelos que ainda tenho em haste.
 
Ou seja, aparecem vestígios arqueológicos, param-se as obras e nada é dito sobre o porquê da paragem das obras!
 
Até parece que estamos perante a descoberta de um terrível crime, acontecimento que é necessário encobrir não vão alguns infames invadir o local e destruir as provas.
Palavra que não entendo este tipo de comportamento, pois, a ser verdade que ali foram descobertos vestígios arqueológicos, o primeiro passo (em meu entender), seria chamar a comunicação social e anunciar o achado e de seguida, explicar os passos seguintes a tomar em defesa da descoberta.
Manter tudo isto em sigilo, é criar o clima de que ali se encontrou algo que não pode ser divulgado e que é segredo de estado.
Senhores autarcas da minha terra, vamos lá esclarecer a razão da paragem das obras desta velha casa, quem paga tudo isto somos nós, por isso, temos o direito de ser informados.

           O ALBICASTRENSE

13 comentários:


  1. Pedro Miguel Salvado
    Se essa informação for verdadeira é mais um crime de lesa património mais um a que a triste zona histórica albicastrense tem estado sujeita.
    Aguardemos.
    (Comentarista feito no facebook).

    ResponderEliminar
  2. Luis Vicente Barroso
    Silêncio comprometedor....
    (Comentário feito no facebook).

    ResponderEliminar

  3. João Miguel Oliveira
    Era capaz de ser melhor, primeiro, confirmar informações... não ir por rumores ou diz que disse...
    (Comentário feito no facebook).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confirmar como se ninguém diz nada sobre a paragem das obras!
      Aliás, posso dizer-lhe que no local não se fala de outra coisa.
      Claro que é muito mais fácil ficar de bico calado e não dizer nada, mas cada um é como é.
      Abraço

      Eliminar
  4. Ana Gamas
    As obras a que se referem são da casa que faz esquina com a rua Mouzinho Magro e a Travessa da Ferradura ou a que tem frente na Travessa da Ferradura números 5,7,9 e 11, com as traseiras (quintal) para a rua Tenente Valadim? É que são casas diferentes. Esta última era a casa dos meus avós que nós herdeiros vendemos a um particular e não à câmara... Na publicação não se percebe muito bem uma vez que falam de uma casa da rua mouzinho magro mas depois mostram as fotos do interior e quintal da casa da Travessa da Ferradura e rua Tenente Valadim.! De qualquer forma também tenho curiosidade para saber o que irão fazer no caso dos rumores serem verdadeiros.
    (Comentário feito no facebook).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Ana.
      Em primeiro lugar, muito bem-haja pelo seu esclarecimento.
      Quando por ali passei, foi-me dito que as obras da casa que tem traseira para a Tenente Valadim (da responsabilidade da nossa autarquia), estavam paradas por causa do tal achado de que falei. Infelizmente a imagem da casa aqui publicada está incompleta, pois ela devia mostrar melhor a casa em questão.
      Amiga Ana, permita-me uma pergunta pois fiquei com algumas dúvidas.
      A casa dos seu avós é que dá para a Travessa da Ferradura e também para a Mouzinho Magro? Se assim for, talvez possa esclarecer-me. Consta que quem a comprou teria um projeto de recuperação que foi chumbado pela nossa autarquia. Sabe algo sobre este assunto.
      Mais uma vez o meu bem-haja pelo seu esclarecimento.
      Abraço

      Eliminar
    2. João Miguel Oliveira
      Ana Gamas , a um particular! Até aqui a única correcta informação.
      (Comentário feito no facebook).

      Eliminar
    3. Errado meu amigo, pois não estamos a falar da mesma casa.

      Eliminar
    4. João Miguel Oliveira
      António Veríssimo Bispo , mas as fotos que colocou da vista da T.Valadim. São de uma habitação de um particular.
      (Comentário feito no facebook).

      Eliminar
  5. Francisco Jorge de Pinho
    Pelas fotos e salvo erro parece ser um troço da muralha.
    (Comentário feito no facebook).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jorge.
      Quando captei estas imagens, confesso que também eu fiquei com esses ideia. Mas, nada mais que isso.
      Abraço

      Eliminar
    2. Ana Gamas
      Caro amigo António Veríssimo Bispo percebeu mal o que eu escrevi. A casa dos meus avós não é a que faz esquina mas sim a que tem frente para a Travessa da Ferradura e traseira para a rua Tenente Valadim que se vê nas fotos. Esta casa era do meu avô (Capitão Rafael Gamas) e vendemos há 3 anos a um médico da nossa cidade que, segundo ouvi dizer na altura seria para os filhos abrirem um hostel (se venderam entretanto à autarquia desconheço). A casa tem mais de 300 anos pelo que uma das paredes do quintal poderá efetivamente pertencer à antiga Muralha ou até a pia do alambique toda em pedra...não sei sou leiga na matéria....Estou curiosíssima para saber o que se passou de facto para o embargo da obra! Quanto à casa que faz esquina com a rua Mouzinho Magro e a Travessa da Ferradura, é uma casa que não tem quintal, e era dos herdeiros do Sr. Pereira (sogro do dono da antiga loja "Leão das Loiças"). Desconheço a quem foi vendida... Lamento mas é tudo o que sei. Cumprimentos.
      (Comentário feito no facebook).

      Eliminar
    3. Amiga Ana.
      Eu quis ter a certeza de que estávamos a falar da mesma casa. Foi-me dito que é a nossa autarquia que está a recuperar a casa, todavia, neste momento isso é o menos importante, pois o que verdadeiramente interessa, é saber se as obras foram ou não embargas derivado ao apreciamento de vestígios arqueológicos ou restos de muralhas. As incertezas mantêm-se, independentemente dos autores da obra. Em meu entender (se for for verdadeiro o que dizem), os albicastrenses têm o direito de saber o que se passa neste assunto. Amiga Ana, mais uma vez o meu bem-haja pela sua disponibilidade em dar-me estas informações.
      Abraço

      Eliminar

MEMÓRIAS DA TERRA ALBICASTRENSE

Recuperar e pintar antigas imagens da terra albicastrense, dá-me uma enorme satisfação.  Quando “apanho” uma antiga imagem da terra albicast...