terça-feira, janeiro 17, 2017

UM DOCUMENTO HISTÓRICO

DA
 TERRA ALBICASTRENSE

Da estadia do Marques de Saldanha em Castelo Branco em 1837 vem este documento curioso. 
É o recibo passado por Saldanha de 3.487$40, dinheiro que ele levou da cidade, e donde consta o nome dos que entregaram a massa.
À cabeça do rol figura Joaquim José Nunes Fevereiro, o maior proprietário da cidade e avô de Francisco Tavares de Almeida Proença.
A revolta dos marchais não vingou, e por isso o governo não pagou, e o marquês de Saldanha esqueceu-se de embolsar à custa dos seus bens próprios o dinheiro recebido. 
Relação das pessoas que nesta cidade foram coletadas na quantia de quatro contos de réis, metal exigido pelo Marques de Saldanha para pagamento da tropa do seu comando, em ofício de 1 de Agosto de 1837 

Joaquim José Nunes Fevereiro                                                      600$000
Francisco António Peres Loureiro                                                  400$000
José Henriques Fróis                                                                      400$000
Barão de Castelo Novo                                                                   250$000
Daniel José Morão                                                                          210$000
D. Rita Maria dos Reis                                                                    150$000
Luís António H. D’Almeida                                                                60$000
Alexandre António Pedroso                                                            210$000
Joaquim José Machado                                                                     50$000
Luís de Pina Carvalho Freire Falcão                                               250$000
António Henriques D’ Almeida                                                         30$000
Padre José D’ Azevedo                                                                   100$000
José Nunes Fevereiro                                                                     100$000
Padre José Rodrigues da Fonseca                                                   60$000
José Christóvão dos Santos                                                             20$000
Joaquim Domingos Guedes                                                              20$000
A Viúva de Manuel Joaquim Caio                                                     30$000
Carlos José Fevereiro                                                                         5$000
José Inácio Robalo                                                                             5$000
Fernando José de Carvalho                                                              10$000
Francisco José Serrasqueiro                                                              5$000
Padre José Paulo Magro                                                                   30$000
Manuel Henriques Casado                                                                20$000
Dr. Francisco José Aparício Beja                                                      40$000
Dr. António Vaz da Silva                                                                   20$000
Padre Carlos José Machado                                                              10$000
António José Rodrigues                                                                    10$000
Padre João Nunes Geraldes                                                              25$000
Martinho da Silva Ribeiro                                                                 30$000
Francisco Gomes Aires                                                                     10$000
Manuel da Silva Ribeiro                                                                    10$000
João Marques Leite                                                                           10$000
João Fonseca Coutinho                                                                   100$000
José Fernandes Ripado                                                                     10$000
António Henriques D’Almeida Júnior                                               24$000
Joaquim Marques Leite                                                                     10$000
José Silvestre Penteado                                                                   20$000
M. da Conceição,(Viúva D’António da Silva)                                    38$000
João Henriques D’Almeida                                                             100$000

Recebi das pessoas constantes desta relação a quantia de três contos quatro centos oitenta e sete mil e quatro centos réis, metal, cuja será abonada e paga pelo governo de Sua majestade, ou pela minha fortuna particular, no caso imprevisto de falência da parte do governo.
Quartel em Castelo Branco, 5 de Agosto de 1837
                                                                             Marquês de Saldanha
Recolha de dados: "Estudantes da Universidade de Coimbra Naturais de Castelo Branco" da autoria de Francisco Morais e José Lopes Dias.         
                                              O Albicastrense

sexta-feira, janeiro 13, 2017

UMA PÉROLA INSULTADA - III

O ANTES E O DEPOIS!
Estou a postar as imagens do antes e do depois desta nossa linda janela, na esperança de que daqui a três meses, (foi o tempo que se passou desde que aqui mencionei este assunto pela primeira vez),  tudo não esteja na mesma. 
Não mandar limpar esta nossa pérola, ou olhar para o lado como se nada houvesse a dizer sobre a malvadez cometida, torna-nos cúmplices daqueles que a maltrataram, por isso, este albicastrense reivindica a quem pode e manda, que se tomem medidas para limpar as respetivas porcarias.
O Albicastrense

terça-feira, janeiro 10, 2017

UMA PÉROLA INSULTADA - II


No dia 21 de Setembro de 2016, publiquei o poste que vai ler a seguir.

TRISTEZAS NA TERRA ALBICASTRENSE
Um anormal resolveu borrar uma das pérolas mais bonitas da terra albicastrense.
Confesso que o meu velho coração quase parou quando vi tal estupidez, burrice própria de pessoa ou pessoas que deveriam trajar a pele do animal que tem o nome, animal que é muito mais inteligente que quem cometeu a referida imbecilidade. 
Palavra que não consigo compreender, que alguém por simples brincadeira, possa “divertir-se” a arruinar aquilo que é de todos nós

Que Deus lhe perdoe, porque eu não sou capaz!
                --------------------------------------
Voltei hoje ao local (10-1-17) e constatei que além dos responsáveis da autarquia albicastrense nada terem feito para limpar as porcarias, outros idiotas, (ou talvez os mesmos), voltaram ao local do crime e borraram ainda mais a nossa torre do castelo, (como se pode ver nas imagens aqui postadas).
Será que quem faz este tipo de barbaridades, gostaria de acordar de manhã e ver a fachada da casa onde mora, com as referidas ardinarices?

Terminava apelando ao presidente da autarquia da terra albicastrense, para mandar limpar as ordinarices e que junto da PSP, faça diligências para tentar apanhar esta gente, que de gente humana pouco têm.

O Albicastrense

domingo, janeiro 08, 2017

MORREU MÁRIO SOARES

MORREU UM GRANDE PORTUGUÊS
Este é um blogue onde praticamente só se fala da terra albicastrense, todavia, não posso ficar indiferente ao que se vai passando no meu país.
Com a morte de Mário Soares, irão surgir os respetivos elogios e como não podia deixar de ser, as críticas de alguns que nunca dele gostaram, mas a isso, chama-se democracia. Este albicastrense que durante os mais de 40 anos de democracia apenas uma vez nele votou, não pode deixar de afirmar que Portugal fica a partir de hoje muito mais pobre, pois ele pertencia a uma casta de homens que iluminarão a politica europeia dos últimos 50 anos do século XX.
Com a sua morte, perdemos todos e não só aqueles que com ele simpatizavam, quem pensar o contrário, terá seguramente os seus motivos, no entanto, este albicastrense que muitas vezes dele discordou e em muitas outras o criticou duramente, não pode deixar de aqui afirmar, que morreu um homem a quem o país e todos os portugueses muito ficam a dever.
Como não sou cego surdo ou mudo, como não vivo acorrentado a partidos políticos e tenho por regra que sou um passarinho livre, (ou será passarão?) apenas me resta expressar em memória deste grande homem:
Bem-haja, por tudo o que fez pelo nosso Portugal.
O Albicastrense

sábado, janeiro 07, 2017

VER PARA CRER

UMA CARRINHA  ABANDONADA
NUMA RUA DO BAIRRO DO VALONGO 
Quem não ouviu ainda falar da lentidão dos nossos tribunais?

O assunto conta-se em poucas palavras: A carrinha que ilustra este poste, está desde 2010 estacionada a cerca de dez metros da porta da minha casa!!!...
À cerca de dois anos ao passar na rua onde moro um carro da PSP, coloquei aos agentes a situação da carrinha, algum tempo depois, soube que a dita carrinha estava às ordens do tribunal. 
Dois anos depois, a magana da carrinha continua tranquilamente no mesmo sitio, como se a rua onde moro fosse um parque de recolha de carros abandonados ou apreendidos pelo tribunal. 
Como a denúncia deste tipo de casos por vezes desperta consciências, espero que alguém ligado ao tribunal da terra albicastrense ao ler ou ter conhecimento desta publicação, possa tomar medidas para resolver esta triste situação.
Ou será que a pobre desgraçada vai desfazer-se no local?
                                                    O Albicastrense

quarta-feira, janeiro 04, 2017

ALBICASTRENSES ILUSTRES XXXV



 PADRE MANUEL DIAS

Jesuíta, natural de Castelo Branco, “em 1610 iniciava na China o seu labor apostólico, e em 1659 terminava a sua carreira com fama de santidade.
Distingue-se pelos estudos matemáticos e publicou em língua Chinesa, além se outras obras, o “Tratado da Espera”, intitulado “Tien wen lio”.
Em 1760 foi editado, sob a direção do célebre matemático Yuen-Yuen, a “História das matemáticas”, em 46 fascículos, e nelas se enumera o Padre Manuel Dias entre os matemáticos jesuítas da China.  
É de raro merecimento a obra que Manuel Dias redigiu em 14 volumes, com a tradução doa Evangelhos dos domingos e festas do ano. Desta obra escreveu o missionário P. Foureau, no século XVIII: “sans contredit un des meilleurs (livres) qui aient été faits en Chine… Cette traduction du texte sacre… est regardée même par les lettrés, come um modele d’ éloquence…”Pertencia ao grupo de astrónomos portugueses que coadjuvaram o alemão, P. Shall, presidente ou diretor do Observatório ou Tribunal de Pequim, nomeado pelo imperador tártaro, Xun-Chi, os quais granjearam a maior celebridade científica no Celeste Império.
Esclarece Barbosa Machado que foi noviço em Coimbra, com dezoito anos de idade; em 1601 passou á Índia, e tomou o 4º voto em Macau, em 1616. Nesta longínqua colónia portuguesa, ditou Teologia durante seis anos; foi visitador na China e duas vezes provincial.
 Além do já mencionado “Tratado de Esfera” publicou em língua Chinesa as seguintes obras; “Sobre os Evangelhos”, em 12 tomos, “Ladainha dos Santos, Anjos para uso dos Cristãose “ Modo de catequisar os gentios”.
Faleceu em 4-3-1659, na China, com 85 anos de idade e 59 de jesuíta. Pelo seu alto relevo cientifico, bem merece o P. Manuel Dias que se lhe esquadrinhe a biografia, se torne conhecida, na  sua pátria e na terra natal.
Dados recolhidos no livro; “Estudantes da Universidade de Coimbra naturais de Castelo Branco” da autoria de, Francisco Morais e José Lopes Dias.
O Albicastrense

segunda-feira, janeiro 02, 2017

ALGUNS MOTIVOS DO BORDADO DE CASTELO BRANCO

O NOSSO BORDADO

Na primeira publicação de 2017, 
só podia mesmo publicar neste  blogue,
 imagens do tesouro mais precioso da terra albicastrense . 

 O Albicastrense