quarta-feira, maio 23, 2007

TASCAS DA MINHA CIDADE

A Tasca do Carvoeiro

A tasca do Carvoeiro hoje conhecida pelo “Restaurante Medieval” e sem qualquer dúvida um dos estabelecimentos do género mais antigos da nossa cidade.
Não sabendo bem o ano da sua abertura, não estarei porém muito longe da verdade se dizer que poderá ter acontecido por volta dos anos 20 ou 30.
A referida Tasca teve a sua primeira residência no começo da rua dos Ferreiros, para quem vem do largo de S. João, mais precisamente no prédio que fica de frente ao actual restaurante que ali podemos ver “O Ferreiro”.
O seu proprietário e fundador, era um sujeito chamado Crespo, e por esse motivo a tasca ostentava o seu nome, “ A Tasca do Crespo”.
Na década de 40, Zé Carmona compra a tasca ao Crespo, e na porta do lado instala uma carvoaria é caso para dizer: que de uma cajadada, mata dois coelhos, ou seja junta no mesmo estabelecimento vinho e carvão o que era normal nessa altura.
A mudança do n
ome da tasca estava em curso, sem que Zé Carmona se apercebesse de tal, a partir desse momento a taberna ficava a ser conhecida pela tasca do Carvoeiro, contra a sua vontade, pois sempre que alguém prenunciava o nome, lá vinha o “Ralhete Carvoeiro? Não… Zé Carmona!”.
Na década de 60 a nossa tasca muda-se para a rua do Oleiros, e perde uma das suas especialidades: o carvão, voltando-se unicamente para o negócio do vinho, o nome, mantêm-se independentemente do Tio Zé Carmona continuar a não ser grande fã dele.
É nesta altura que é criado na tasca um dos grupos de apostadores,
mais conhecidos ao longo da sua existência, “Os Prognósticos” que era na maioria constituído por trabalhadores da antiga Auto-Mecânica. Por volta de 90, Zé Carmona reforma-se e retira-se do negócio trespassando a tasca.
Novo dono, representa novas ideias, varias mudanças, e a metamorfose acontece… nem o velho nome escapou a esta razia… e eis que surge “O Medieval” que já terá tido melhores dias…
Da velha tasca nada resta além das lembranças espalhadas, pelas memórias de alguns albicastrenses, que se iram apagando com a passagem do tempo.

O Albicastrense

5 comentários:

  1. Bastante cervejola aí bebi. Bons tempos que já não voltam

    ResponderEliminar
  2. Anónimo23:02

    ja não estavas bem
    nas tascas corria tintol foi tanto que agora dizes cerveja

    ResponderEliminar
  3. Anónimo12:11

    Esta 'tasca' é agora um restaurante de culto da juventude Albicastrense.

    O Grande Medieval é um local de onde ninguém deve sair sóbrio. Nunca!

    E viva a Dona Cidália!!!!


    MEDIEVAL! MEDIEVAL! MEDIEVAL!

    ResponderEliminar
  4. O CARVOEIRO
    Autor:Carlos Fragata


    Recordo um carvoeiro de Lisboa,
    Dos que tinham a tasca mesmo ao lado
    E onde se servia pinga boa,
    P'las mãos do taberneiro mascarrado;

    Com presunto cortado ali à mão,
    Uns jaquinzinhos fritos, com três dias,
    Um "três do lote" e um naco de pão,
    Pataniscas, chouriço e carnes frias...

    Jogava-se à moeda e à bisca
    No pátio da taberna, nas traseiras;
    Acabado o chouriço e a patanisca,
    Iam todos curar as bebedeiras

    Mal a noite chegava, havia farra,
    Afinavam-se as cordas e as gargantas,
    Tocava-se a viola e a guitarra
    E cantava-se Fado até às tantas!

    ResponderEliminar
  5. Muito Bem-haja por este bonito poema.
    Também nesta velha tasca, o carvoeiro e taberneiro eram uma só pessoa.
    Nos anos sessenta (era eu criança), assisti muitas vezes à correria o velho carvoeiro/taberneiro de um lado para o outro do estabelecimento, para servir os clientes.
    Muitas vezes (tal como você diz) o velhote servia o “trótil “ com as mãos cheias de pó do carvão.
    Um abraço

    ResponderEliminar

DESCOBRINDO CASTELO BRANCO ANTIGO – (VI)

  Esta é uma imagem que irá deixar muita gente a coçar a cabeça e a interrogar-se, sobre o local onde este edifício tinha poiso na terra...