segunda-feira, maio 28, 2012

COLCHAS DE CASTELO BRANCO



SIMBOLOGIA - V

São conhecidos e corretamente empregados os símbolos, que aparecem nas colchas de Castelo Branco.

A ROMÃ

A romã simboliza prosperidade, abundância, liberalidade, a par do trigo e da uva.
Pela sua origem mística e pelas antigas associações sagradas, a romã foi muito reverenciada pelos Persas e pelos Judeus.
A velha tradição identificava o fruto com o da árvore do pecado original, dado por Eva a Adão. Passou à tradição ocidental como símbolo e augúrio de amor.
Símbolo de prosperidade, abundância, liberalidade, na graça espiritual, a romã desfeita em bagos, isto é, dispersa em exercício de promessas, aparece nos quadros da Morte da Virgem (exemplo: o políptico da primitiva capela-mor da Sé Catedral de Évora, representado no Museu da Cidade); igual símbolo na ordem política, imperial, figurou-a Durer no retrato do Imperador Maximiliano, do Museu das Belas Artes de Viena, com a romão aberta, a mostrar os grãos segura na mão esquerda.
Nas “colchas de noivado” ou “colchas de Castelo Branco”, tão notáveis pelo intenso simbolismo de que se revestiram, a romã reúne os caracteres simbólicos mencionados, mas, principalmente, o de significado amorosa na promessa de vida abundante.
São conhecidos e continuados em toda a parte os usos propiciatórios da romã, no dia de Reis; o mais complete é o assinalado na Madeira: deitam-se três bagos de romã no lume, para que se não apague pelo ano adiante; outros três vão para a caixa ou arca do pão, para ela se não esvazie; ainda, mais três na bolsa do dinheiro, e ele não acabará.

(Luís Chaves)
O Albicastrense

1 comentário:

  1. E ainda por cima, faz bem à diarreia. História verdadeira!

    ResponderEliminar

DESCOBRINDO CASTELO BRANCO ANTIGO – (VI)

  Esta é uma imagem que irá deixar muita gente a coçar a cabeça e a interrogar-se, sobre o local onde este edifício tinha poiso na terra...