sábado, dezembro 14, 2013

VELHOS JORNAIS DA MINHA TERRA- VIII

 
JORNAL,  "A UNIÃO”

Iniciou a sua publicação,    no dia 15 de janeiro de 1912. O semanário “A União” tinha como seu primeiro director, José Barros Nobre.
Tinha como editor e administrador, Joaquim Lúcio Pelejão. Era composto e impresso na tipografia de Joaquim Lúcio Pelejão.
Dizia-se um semanário político e, queria fazer a propaganda da agremiação partidária a que pertencia, (qual?) discutir os actos públicos das pessoas educadas e elogiar os actos de utilidade para o pais e para a região.Terminou em 26 de Março de 1914, com a publicação do nº 65. 

Vinte e seis meses, durante o qual se publicaram 65 edições.

É caso para dizer que; “discutir os actos públicos das pessoas  educadas e elogiar os actos de utilidade para o pais e para a região”, parece não ter dado resultado desejado.                     
                                       O Albicastrense                                     

8 comentários:

  1. Anónimo15:13

    Novos tempos. Velhas posturas.
    Visitei a Feira.
    Fiquei surpreendida é só este fim de semana. Na Covilhã até Janeiro.
    Montaram a tenda, custa dinheiro nosso. E porque não serem os tendeiros renovados e permitir que outra corte se mostre até para lá do Natal.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Amiga anónima.
    Beijinhos para si também.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo20:51

    Me esquecia fui ao Museu Gargaleiro e fiquei aborrecida ao ver a rua onde morei nos tempos de estudante com tanta caixa metálica parecem da EDP. É um horror tanta caixa por metro linear, nada dignifica uma rua no centro histórico.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. AMIGA ANÓNIMA.
    Concordo inteiramente consigo, além de serem muitas, são bastante feias.
    Curiosamente, nessa rua moraram em tempos passados, familiares meus.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Anónimo20:14

    Em relação aos jornais, resiste o Reconquista. Só é pena é "aparecerem" sempre os mesmos no jornal; Luis Correia, Mourão, Luis correia, Mourão, Maia, Mourão, Luis Correia, Maia, Mourão. E é assim. Devia haver por aqui um jornal como o Jornal do Fundão. Pelos vistos aqui só se vedem pasquins.

    ResponderEliminar
  6. Caro anónimo.
    Em primeiro lugar quer dizer-lhe que adjectivar o jornal reconquista de “Pasqui”, é no mínimo de muito mão gosto.
    Podemos até dizer que ele vive encostado ao poder, e afirmar que raramente tem opinião sobre os problemas da terra albicastrense (e por aí adiante), contudo, não nos podemos esquecer do seu contributo ao longo dos sessenta anos da sua existência, da divulgação da nossa terra e do elo que tem com os albicastrense espalhados pelo mundo.
    Diz ainda que, “são sempre os mesmos”. Uma pergunta: quem são os outros e onde estão eles?
    Tirando algumas excepções, só posso dizer-lhe, que raramente dou por eles. Numa coisa estou contudo de acordo consigo, o jornal do Fundão é efectivamente um grande jornal.
    Abraço e um Boas Festas.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo19:37

    Que outros, se este jornal é a máquina de fazer votos para o correia e pró mourão. Que outros. Então porque não dão as mesma oportunidades aos do PSD, onde é que eles estão? que outros? Em certas alturas vinha o sr. morão em todas as paginas com uma caneta na mão a assinar qualquer coisa.

    enfim um pasquim autentico. "cão fez chi-chi na esquina da junta de freguesia" corre logo para lá um jornalista. Ou então enchem as páginas de fotografias de pessoal; nem que seja grandes melões, ou cenouras, ou uma couve de 3 metros. Gandas notícias.

    ResponderEliminar
  8. Caro Anónimo.
    Pode até ter razão em muito daquilo que diz, contudo deixe que lhe diga o seguinte:
    No tempo de Presidente Vila Franca, a situação era diferente? Eu responde: Não, não era! E digo-lhe mais... era precisamente igual.
    E sabe porquê? Porque a grande maioria dos jornais regionais sobrevivem encostados a quem dirige as respetivas autarquias, ontem o PSD, hoje o PS e amanhã logo se verá.
    Ou será que não tenho razão? Porém é necessário compreender, que independentemente desse encosto, muitos deles fazem um bom trabalho, todavia não podemos analisar esse trabalho sob o ponto de vista meramente partidário.
    Abraço

    ResponderEliminar

MEMÓRIAS DE OUTROS TEMPOS - " O JÚLIO RAMOS DO CAFÉ ARCÁDIA"

O jornal “ Beira Baixa ” publicou em 1944, a pérola que aqui estou a postar.                            Não há no Mundo maior palp...