quinta-feira, abril 24, 2014

25 DE ABRIL SEMPRE!...


No dia de hoje apenas aqui poderia postar o que se segue:

VENHAM MAIS CINCO 

Zeca Afonso

Venham mais cinco, duma assentada que eu pago já
Do branco ou tinto, se o velho estica eu fico por cá
Se tem má pinta, dá-lhe um apito e põe-no a andar
De espada à cinta, já crê que é rei d’aquém e além-mar

Não me obriguem a vir para a rua
Gritar
Que é já tempo d' embalar a trouxa
E zarpar

Tiriririri buririririri, Tiriririri paraburibaie,
Tiiiiiiiiiiiiii paraburibaie ...
Tiriririri buririririri, Tiriririri paraburibaie,

A gente ajuda, havemos de ser mais
Eu bem sei
Mas há quem queira, deitar abaixo
O que eu levantei

A bucha é dura, mais dura é a razão
Que a sustem só nesta rusga
Não há lugar prós filhos da mãe

Não me obriguem a vir para a rua
Gritar
Que é já tempo d' embalar a trouxa
E zarpar

Bem me diziam, bem me avisavam
Como era a lei
Na minha terra, quem trepa
No coqueiro é o rei

A bucha é dura, mais dura é a razão
Que a sustem só nesta rusga
Não há lugar prós filhos da mãe

Não me obriguem a vir para a rua
Gritar
Que é já tempo d' embalar a trouxa
E zarpar.

              

Venham mais cinco - Zeca Afonso - YouTube

                                       
Venham mais Cinco é um álbum de canções originais de José Afonso. Foi editado no Natal de 1973. Na época em que este álbum foi concebido, José Afonso estava a cantar um pouco por todo o lado como símbolo antifascista de oposição ao Estado Novo Português.
Muitas sessões foram proibidas pela PIDE/DGS e, em Abril de 1973 ele foi detido no Forte-prisão de Caxias onde esteve até finais de maio. À semelhança dos seus discos anteriores, este contou também com a colaboração de José Mário Branco.
O Albicastrense

Sem comentários:

Enviar um comentário

EFEMÉRIDES MUNICIPAIS – CXIX

A rubrica Efemérides Municipais foi publicada entre Janeiro de 1936 e Março de 1937, no jornal “ A Era Nova ”.  Transitou para o Jorna...