quarta-feira, julho 15, 2015

EFEMÉRIDES MUNICIPAIS – C


A rubrica Efemérides Municipais foi publicada entre Janeiro de 1936 e Março de 1937, no jornal “A Era Nova”. Transitou para o Jornal “A Beira Baixa” em Abril de 1937, e ali foi publicada até Dezembro de 1940.
A mudança de um para outro jornal deu-se derivada à extinção do primeiro. António Rodrigues Cardoso, “ARC” foi o autor desde belíssimo trabalho de investigação, (Trabalho que lhe deve ter tirado o sono, muitas e muitas vezes). 
O texto está escrito, tal como foi publicado.
Os comentários do autor estão aqui na sua totalidade. 
(Continuação)
A nova vereação tornou a reunir-se em sessão no dia 20 de Junho e a respetiva ata diz o seguinte:

Nesta sendo apresentado huma ordem do Excelentíssimo Marques Mordomo-mor de vinte e outo de Março do presente ano Registado no Livro do Registo a folha 328 para efeito de se proceder ao arbitramento do Aumento da Siza dos privilegiados pelo que pertence a Siza dos correntes, tanto do cabeção desta cidade como dos mais Lugares do Termo se louvarão pello que pertence ao cabeção desta cidade, montes anexos e Lugar de Malpica por parte do concelho em Manuel Nunes Morcela desta dita cidade e elle Doutor Juiz de Fora por parte da Real Fazenda em o Doutor José Esteves Povoa”.

Segue-se a relação dos árbitros escolhidos para os Escalos de Cima, Lousa, Escalos de Baixo, Mata, Cafede, Salgueiro (junto com Palvarinho e Juncal), Alcains e Monforte, sendo digno de nota que para cada uma dessas povoações foi escolhido seu árbitro por parte do concelho e do povo, mas para todas, por parte da Fazenda Real, é escolhido o mesmo, o Dr. José Esteves Povoa.
Era preciso dinheiro; não o havia, aumentava-se a sisa dos privilegiados. Onde todos pagam.
No dia 13 de Julho, com a presença do “Juiz pella ordenaçam Francisco de Fonseca Coutinho e os vereadores e Procurador do concelho actuais”, tomou posse do cargo de corregedor da Comarca o Doutor Domingos Nunes de Oliveira. Foi uma posse que não deixou nada a desejar, porque o respectivo termo é assinado por toda a gente grada de terra, incluindo o clero.
Desempenhou cargo por três anos e picos, pois à margem do auto lê-se esta nota; - “Foi suspenso aos 5 dias do mez de Agosto de 1803.
A sessão seguinte realizou-se no dia 16 de Julho. Procedeu-se á nomeação dos avaliadores das “Ervagens do Concelho e Povo”, e os avaliadores, que eram, “homeins peritos e de boa a san consciência”, avaliaram logo ali tudo em 1.307.000 réis.

PS. Aos leitores dos postes “Efemérides Municipais”: o que acabaram de ler, é uma transcrição fiel do que foi publicado na época. 
O Albicastrense

Sem comentários:

Enviar um comentário

A RUA DA MINHA ESCOLA – (IX)

(ESCOLA DO BONFIM)                               O que sabemos nós da rua da nossa escola primária?    (Rua do Bonfim)         ...