quinta-feira, maio 25, 2017

MUSEU FRANCISCO TAVARES PROENÇA JÚNIOR

CICLO DO LINHO
DO
MUSEU FRANCISCO TAVARES PROENÇA JÚNIOR

A exposição permanente do ciclo sobre o linho que estava instalada no museu Francisco Tavares Proença, debandou para o Centro de Interpretação do Bordado de Castelo Branco.
Centro que vai a abrir muito brevemente ao publico, na Praça Camões, (antiga biblioteca).
Esta exposição foi montada na primeira década do século XX e teve como mentora, a Dr. Ana Margarida (na altura diretora do museu), e contou com a colaboração dos trabalhadores do museu.
Confesso que esta mudança me deixa dividido. Foi criado na terra albicastrense um Centro de Interpretação do Bordado de Castelo Branco, por isso, “talvez” se justifique que esta exposição viaje para o referido centro.
Por outro lado, não posso deixar de matutar que o nosso museu perde (em meu entender), uma das melhores coisas que desenvolveu nos últimos trinta anos, juntamente como a reativação da Sociedade dos Amigos do Museu. 
Outras apostas estão a se feitas em beneficio do nosso museu segundo me foi dito, todavia, este albicastrense e antigo trabalhador do museu que já assistiu a tanta maldade propagandeada como melhorias, não pode deixar de se sentir inquietado com mais esta perda do nosso museu.
Como não sou pessimista e quero acreditar que novos tempos se aproximam para o nosso museu, vou pois crer, que as obras agora iniciadas no museu, (obras que envolvem a recuperação e benfeitorias no edifício, e também recuperação museológica), possam dar vida nova a uma instituição que em tempos não muito longínquos, foi a maior pérola cultural da terra albicastrense.
                                        O Albicastrense 

1 comentário:

  1. Maria Manuela Rodrigues
    De fato é uma pena, também me custa ver o espólio ir embora, tanta polémica que gerou no passado recente, e agora que pensava que voltava tudo o que era do museu afinal olhem só o que está a acontecer.

    ResponderEliminar

UM HOSTEL NA NOSSA ZONA HISTÓRICA

 (A CASA DA D. OLÍVIA)  Muitas foram já as vezes que aqui depositei tristezas sobre a nossa zona histórica, e muitas mais irão suced...