quinta-feira, junho 01, 2006

Avenida Nun´ Álvares

AVENIDA DE NUN’ ÁLVARES

Li esta semana no jornal “A Reconquista” uma carta dirigida ao seu director com o Titulo “Reflexões e notas históricas contra a demolição de um conjunto urbano” da autoria de Leonel Azevedo.
A carta em causa aborda a destruição de um quarteirão urbano da Avenida de Nun´ Álvares em Castelo Branco, e quer desde já convidar todos os albicastrenses a fazerem uma leitura atenta do referido documento.
Que dizer em favor de tal documento? Apenas me acorre dizer Bem-Haja a Leonel Azevedo pela coragem demonstrada na publicação de tal trabalho, e dizer-lhe desde já que poderá contar com todo o apoio deste albicastrense.
Para terminar gostaria de perguntar a todos aqueles que possam ler esta página, onde estão os filhos desta terra? Pois mais uma vez foi necessário que a defesa da nossa cidade fosse feita por alguém, que aqui não nasceu, mas é já albicastrense de coração.
É caso para dizer, triste sina a nossa que nem para nos defender-mos de “certa gente” tenha-mos engenho e arte.
Para despertar a curiosidade a todos aqueles que ainda não leram o documento aqui vão dois extractos da mesma, com a devida vénia ao Jornal Reconquista e do seu autor.

---------------------------------------------------------------------------

a solução adiantada é inaceitável, irresponsável e peca em toda a linha por falta de reflexão e amadurecimento dos dados da questão e seus efeitos futuros, acrescendo a isso um desconhecimento que raia o perverso relativamente ao que foi e, parcialmente, ainda é aquela Avenida. Urge dar a conhecer (a quem assim decide, de ânimo leve, mutilar um dos conjuntos arquitectónicos mais nobres da cidade, ainda que possa fazer-se à luz do plano de pormenor para o local) um resumo da história que ali levantou a mais bela e bem

A cidade parece padecer de doença singular: cada década tem de ter a sua demoliçãozinha (ou permite erguer o seu mastodonte) - a da década de 60, lembram-se, foi o palácio Fevereiro (e nem o edifício do arq.º Carlos Ramos faz esquecer o edifício que lá esteve); a da década de 70 foi o Hotel de Turismo, a partir da de 80 elas têm aumentado à razão de duas ou três por ano e já lhes perdi o conto.

O Albicastrense

2 comentários:

  1. Concordo plenamente. Vai desaparecer o quarteirão mais bonito desta Avenida? Quando há 8 anos vim viver para esta cidade esta Avenida e este recanto sempre me pareceram muito pitorescos. Vamos agora perder isto? Sr. Presidente da Câmara, por que não fazer um esforço para preservar tudo isto? Deve ser mais barato do que fazer mais um túnel ou mais umas "docas"...

    ResponderEliminar
  2. smaill22:15

    snif,snif,snif

    ResponderEliminar

A RUA DA MINHA ESCOLA – (VII)

        (ESCOLA DA SENHORA DA PIEDADE)                          O que sabemos nós da rua da nossa escola primária? João Evangelista...