terça-feira, abril 04, 2017

MEMÓRIAS DO BLOGUE - (III)

Em Abril de 2007 postei neste blogue o poste que a seguir pode ser lido.

A RESIDÊNCIA DE UMA “VELHA SENHORA"


Na Rua da Amoreirinha, também conhecida pelos albicastrenses mais velhos, como rua dos Latoeiros (em virtude de ali terem existido várias oficinas de Latoeiros), tem como sua mais velha residente, uma velha Amoreira.
O local onde esta velha “Senhora” tem raízes, bem podia ser um pequeno local de convívio e de encontro de bichos-da-seda, porém, o espaço assim como o estado da velha “Senhora” é de total abandono e desprezo por parte dos albicastrenses e da sua autarquia. 

Que o dono não queira saber do local, eu até posso compreender, agora que a nossa autarquia lave as mãos como Pilatos e consinta que aquele pequeno local, (que bem podia ser um pequeno espaço publico com um ou dois bancos para encontros de bichos-da-seda), e a velha Senhora estejam naquela situação é que não consigo entender.

Aqui fica mais um recado para o Presidente
da autarquia da terra albicastrense.

Senhor presidente o espaço é privado, mas a velha “Senhora” é património de todos nós, cabe-nos a nós albicastrenses e à nossa autarquia, protege-la da incúria e do desleixo de certo senhorio. Tendo eu conhecido os últimos moradores daquele espaço, o saudoso Pedras e sua esposa, (já falecidos), talvez possa afirmar, que se cá voltassem e vissem como o local está, morriam novamente de desgosto. 
PS. Nem só pelas grandes obras deve o nosso presidente aparecer nos telejornais do país, também estas pequenas acções são importantes para a nossa cidade e merecedoras da sua atenção.       
-----------------------------------------------------------------
Nota:
Dez anos depois (2007/2017), nada mudou no local, ou seja, se mudou, mudou ainda para bem pior!!!!  
Nas memórias do blogue não podia deixar de colocar novamente o referido poste e, perguntar ao actual presidente da autarquia albicastrense, o seguinte:
Será que este pequeno local e a sua Amoreirinha,
estão condenados ao abandono  perpétuo?
O Albicastrense

Sem comentários:

Enviar um comentário