sábado, março 15, 2014

ANTIGAS CAPELAS DA TERRA ALBICASTRENSE - VI

"CAPELA DE SÃO BRÁS"
Estava situada nas proximidades do castelo. Tinha um portal no estilo do Renascimento, em arco de volta plena sobre pilastras com capitéis muito singelos. A par destas pilastras havia outras que terminavam superiormente numa cimalheta recta cuja faixa passava tangencialmente ao fecho do arco.
Sobre este fecho, a faixa tinha gravada a data de 1701 pouco perceptível, facto que induziu em erro António Roxo que supondo que aquela data ara a de 1101 da era de César ou 1063 da Crista atribuiu, na sua Monografia a erecção da capela aos fundadores de Castelo Branco. A data de 1701 era a de reconstrução da fachada principal e da ampliação da capela absidal.
As guarnições das portas laterais e da porta de comunicação da capela-mor com a sacristia e ainda as pilastras de apoio do arco que separava a nave da capela-mor apresentavam as arestas chanfradas. No pavimento havia uma lápide que foi aproveitada para o lajedo depois de ter servido para outro fim. Nesta pedra, que havia sido picada, ainda se notava a esfera armilar e a cruz de Cristo, emblemas do reinado de D. Manuel I.
A julgar por estes elementos e pelo púlpito, no mesmo estilo do inicio do Renascimento, a primitiva construção da capela devia datar do principio do século XVI. No paramento interior da parede lateral do lado da Epistola, entre o arco da capela absidal e a porta lateral da ermida, esteve incrustada uma lápide de granito moldurada, com 1,090 X O,365.
Nesta lápide, que se encontra actualmente no Museu Regional de Francisco Tavares Proença Júnior, (1) figuram em relevo duas crianças desprovidas de membros inferiores e uma inscrição em latim cuja tradução livre é a seguinte: “Abdon e Senne (?), que nasceram ligadas, têm um só baixo-ventre, sexo e fígado; têm vidas distintas e distintas também todas as demais coisas; deram a Deus a vida; mas morrendo um, o outro morreu também, desfalecendo pouco a pouco durante sete hora, juntos foram gerados, juntos viveram e juntos morreram, 1716”.
Num auto datado de 13 de Outubro de 1753, que consta do Tombo da Comenda da Ordem de Cristo, fez-se a seguinte referencia a esta lápide comemorativa de um nascimento teratológico gemelar: “a parte de cima da porta travessa virada ao Poente está uma pedra metida na parede, na qual existe retratada em relevo um prodigioso parto que houve nesta vila em o ano de 1716, pois dele nasceram duas crianças unidas no corpo mas cada com sua cabeça e braços, e mandou gravar o retrato delas na sobredita pedra, para eternizar sua memória, o Ilustríssimo D. João de Mendonça, Bispo da Guarda”.
A capela de S. Brás foi demolida em 1940 quando dela só restavam algumas das suas paredes-mestras.

(1)–Esta lápide esteve exposta no rés-do-chão do museu até 1994. No ano seguinte, foi retirada do solo onde estava visível e colocada na reserva do museu em virtude das obras ali realizadas.
VINTE ANOS depois!!! Esta bela lápide, continua longe dos olhos dos albicastrenses.
Quando poderão os albicastrenses, ver novamente esta lápide exposta no seu museu?

PS. Recolha de dados: “Castelo Branco Na História e na Arte da autoria de Manuel Tavares Dos Santos. edição de autor de 1958.
O Albicastrense

Sem comentários:

Enviar um comentário

A RUA DA MINHA ESCOLA – (IX)

(ESCOLA DO BONFIM)                               O que sabemos nós da rua da nossa escola primária?    (Rua do Bonfim)         ...