domingo, dezembro 11, 2016

CASA DA MEMÓRIA JUDAICA DE CASTELO BRANCO


A Casa da Memória Judaica em Castelo Branco, situada na rua das Olarias, está finalmente aberta ao público conforme foi noticiado nos jornais da terra albicastrense.
Visitei o local e confesso que gostei imenso do que vi. Todavia, convém deste logo afirmar que os crimes cometidos pelos nossos antepassados em nome da fé, não ficam perdoados com a abertura deste espaço, eles foram horrendos de mais para se passar uma borracha sobre tais monstruosidades.
O fanatismo religioso dessa época era tanto, que nem uma albicastrense de 115 e uma criança com 15 anos, escaparam á morte por tortura.
Cerca de 300 anos depois, a terra albicastrense pede desculpa das crueldades cometidas no passado, lembrando os nomes daqueles que não renegaram as suas crenças religiosas, na Casa da Memória Judaica de Castelo Branco.   

O meu bem-haja aos responsáveis da nossa autarquia, pela abertura da casa da Memória Judaica da terra albicastrense.
O Albicastrense

3 comentários:

  1. Muito bom aspecto. Mais um sítio a visitar em Castelo Branco!

    ResponderEliminar
  2. Anónimo19:58

    Os judeus mereciam melhor. Gostava de saber porque é que um museu dedicado aos judeus está cheio de símbolos cristãos. E já agora porque é que se chama à rua Ega uma segunda judiaria...

    ResponderEliminar
  3. Caro anónimo.
    Penso que este foi um passo importante por parte da nossa autarquia em relação às injustiças cometidas para com os Judeus albicastrenses do passado.
    Quanto à sua pergunta sobre a rua Ega.
    Como sabe ainda recentemente esta era a rua onde estaria a antiga judiaria da terra albicastrense.
    Recentemente investigações feitas, indicam que ela esteve instalada na rua Nova (como seria natural). Se ouve ou não uma segunda na rua Ega, não lhe sei responder.
    Abraço

    ResponderEliminar

AO PRESIDENTE DA AUTARQUIA ALBICASTRENSE - (II)

Hoje ao passear pela rua Mousinho Magro, dei comigo a olhar para os dois portados que se podem ver na imagem aqui postada e a perguntar ...