sexta-feira, abril 20, 2007

LÁPIDE FUNERÁRIA DE UM SOLDADO BRITÂNICO

Ao visitar este fim-de-semana a feira de coleccionismo que se realiza no parque da praça municipal de Castelo Branco, encontrei numa das bancas este pequeno livro publicado pelo Museu Francisco Tavares Proença Júnior nos anos 80, da autoria de Luís Pinto Garcia. Este reencontro com o meu passado recente, fez-me procurar entre os meus livros em casa a existência deste pequeno exemplar, para poder colocar aqui a história que se segue. O livro tem como título em parte “Uma lápide funerária de um soldado britânico” e conta-nos a história do aparecimento de uma lápide funerária, assim como a tradução do Inglês para o Português do que nela está gravado.

EPITÀFIO

Tomás Stewart, militar do Regimento 31 do Exército Inglês que morreu próximo de Castelo Branco no dia 19 de Agosto de 1810, com a idade de 20 anos.

A originalidade desta lápide é o facto de ela ser de xisto e não de granito como todas as outras, com a espessura de 5 centímetros e um comprimento e largura, de 2,6 metros por 1 metro.
A lápide esteve exposta no r/c no Museu de Castelo Branco entre 1974 e 96, altura em que foi retirada do local onde estava visível e colocada encostada a um contentor no exterior do museu em
virtude das obras feitas no edifico.
Os acident
es sucedem um dia aconteceu… um dos carros da obra dá-lhe um toque e partiu-a! Porém não é sobre este acidente que aqui quero falar, o que agora gostaria de perguntar aos responsáveis pelo seu restauro, (IPM e Conimbriga) é o seguinte:
Dez anos após este lamentável acidente, a lápide continua fora da instituição a que pertence o Museu Francisco Tavares Proença Júnior, será assim tão difícil o seu restauro!? Ou será que ganhou raízes noutro local qualquer? Para quando o seu regresso ao museu? Meus senhores, gostaria de lembrar nesta altura o refrão de uma velha canção: “10 anos é muito tempo”.
Aos responsáveis do IPM, Museu e Conimbriga lanço aqui um apelo, meus senhores, como é costume dizer–se, esta é uma triste história, mas por vezes também as tristes historias podem ter finais felizes. O regresso da lápide devidamente restaurada ao seu local de origem será o f
inal feliz, deste triste episódio.

O Albicastrense

Ps. No blog, “Por terras do rei Wamba” do nosso amigo Joaquim Batista pode ler mais informações sobre esta lápide.

1 comentário:

  1. Salvo melhor opinião eu leria assim a descrição:

    Aqui jaz
    Tomas Stewart. soldado (e não do bravo, já que ARMIGIERI significa SOLDADO)
    Regimento 31 do Exército Inglês
    Morreu próximo de Castelo Branco
    no dia 19 de Agosto
    de 1810
    com a idade de 20 anos.
    Repouse em paz.

    ResponderEliminar

AO PRESIDENTE DA AUTARQUIA ALBICASTRENSE - (II)

Hoje ao passear pela rua Mousinho Magro, dei comigo a olhar para os dois portados que se podem ver na imagem aqui postada e a perguntar ...