quinta-feira, março 15, 2012

COLCHAS DE CASTELO BRANCO


SIMBOLOGIA - II

São conhecidos e corretamente empregados os símbolos, que aparecem nas colchas de Castelo Branco.

OS CRAVOS
O cravo é a flor rica da planta vivaz, ramosa, resistente, fecunda, de florescência frequente, colorida, erecta; tem por isso na simbologia popular emblema de virilidade. A rosa é feminina, o cravo é masculino.
O cravo mais ou menos estilizado, em vasos e albarradas de fantasias e de estilo dominante na arte corrente, ou hasteado e esparso, ou entrelaçado, disposto em faixas emoldurantes, tem sempre consigo a intenção simbólica do amor viril. 
As colchas de Castelo Branco contêm decoração integralmente simbólica: cravos, romãs, alcachofras, “enleios” ou “abraços”, galos, etc. 
De todos estes símbolos, o mais figurado em toda a extensão da peça, comemorativa e representativa, é o cravo, a forma de pétalas alongadas, de unha comprida, bordo denteado profundamente, espalmado e divergentes, ficou tradicional na feitura popular.
O cravo assinala por excelência o sentimento do amor do homem, preiteado nas artes femininas.
Na simbologia popular a cor do cravo não é indiferente. O cravo das colchas aparece predominantemente vermelho; significa provocação, violência, casamento, flor ensanguentada. O branco trás heráldica de pureza, inocência, idealidade.
(Luís Chaves)
O Albicastrense

4 comentários:

  1. Anónimo19:19

    tens a cara do che Guevara António Veríssimo não vales nada e pára de criticar a obra do mourão comunista da merda sei que não vais publicar este comentário mas é só para saberes o que penso de ti e do teu blogue.

    ResponderEliminar
  2. Caro anónimo.
    Quanto aos elogios que me faz, só posso agradecer-lhe, infelizmente eles são exagerados e despropositados.
    Che Guevara era muito mais bem parecido do que eu. Quanto a ser comunista, deixe que lhe diga o seguinte: o respeito que tenho por muitos dos comunistas que conheci e conheço, impede-me de me considerar como tal, sou apenas o que sou. Terminava dizendo-lhe que o presidente da autarquia da minha terra se chama: Morão e não mourão.
    Continue a visitar-me independentemente de não gostar do blog nem de mim, pois este é um blogue sem amarras a quem quer que seja.
    O albicastrense

    ResponderEliminar
  3. Anónimo11:20

    Tem razão é Morão. Eu vejo o seu blogue diariamente o que me chateia mais é as vezes criticarem obras que são bem feitas e tb há a aquelas que tem razão do que diz mas não critique tanto a obra do nosso presidente pk ele fez bastante pela a nossa cidade você tb sabe que é verdade, e já agora peço desculpa pelo primeiro comentário.

    O ANÓNIMO ALBICASTRENSE.

    ResponderEliminar
  4. Caro anónimo albicastrense.

    Diz que visita este blog diariamente! Não parece... pois eu já aqui elogiei muitas vezes, obras feitas pelo presidente da nossa autarquia.
    Quer exemplos! A nova biblioteca, o edifício dos correios, o edifício do Conservatório, a recuperação das muitas ruas da cidade, o largo da devesa, a recuperação de velhas casas na zona histórica, a recuperação da velha muralha da cidade e ainda muitas outras obras.
    Como vê não é verdade quando diz que eu só sei criticar, contudo, não posso ficar calado surdo e mudo, quando vejo o Chafariz da Graça na desgraça em que se encontra, não posso ficar calado surdo e mudo, quando vejo o velho Chafariz de S. João no pobre estado em que se encontra, assim como não fiquei calado com a destruição do velho Parque da Cidade e com a construção dos vários “bunkers subterrâneos”, com que o nosso presidente brindou a nossa cidade.
    Ser cidadão não é bater palminhas a quem está no poder (embora o possamos fazer), ser cidadão é ter opinião sobre o que se passa na nossa terra, independentemente de quem está no mando gostar ou não gostar.
    O albicastrense

    ResponderEliminar

A RUA DA MINHA ESCOLA – (VII)

        (ESCOLA DA SENHORA DA PIEDADE)                          O que sabemos nós da rua da nossa escola primária? João Evangelista...