terça-feira, março 13, 2012

VELHAS IMAGENS DA MINHA CIDADE – XXIII


O passatempo “Velhas imagens da minha terra”, tem para identificar desta vez, uma imagem captada na década de 30 do passado século.
Esta imagem, mostra-nos a recuperação da uma velha rua de Castelo Branco, rua que nesse tempo tinha por nome: Rua da Pequeixada.
Resta acrescentar, que esta zona foi em tempos chamada de “Chiadinho” albicastrense, derivado ao muito comércio que por ali existia.
Infelizmente, esta pobre zona está nos dias de hoje praticamente às moscas.
Esta é com certeza uma das imagens mais fáceis de identificar, pois na placa toponímica onde está afixado o atual nome, tem por baixo o nome da velha rua albicastrense .
A pergunta como sempre é a seguinte: Como se chama atualmente esta rua?

PS. Tal como das outras vezes, as respostas certas só serão publicadas dois ou três dias depois, para que todos possam responder.

O Albicastrense

13 comentários:

  1. Rua D. Dinis, agora pedestre.

    A minha avó contava-me que essa rua antes estava fechada e, de uma forma bastante críptica, dizia que eram umas casas de banho.

    Nunca percebi se estava a usar uma metáfora ou não.

    Cumprimentos!

    ResponderEliminar
  2. Sei bem qual é a rua ,mas não me lembro do nome ...De qualquer modo é sempre bom recordar.
    Ab.
    Quina

    ResponderEliminar
  3. Anónimo20:24

    fácil! a rua acima das docas que não tem transito não me recordo do nome.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo22:10

    De facto não dá luta, trata-se da Rua D. Dinis, contudo chamo a atenção para o antigo nome da mesma, que não seria pequeixada, mas sim pá queixada ou paqueixada.
    Dado que tens mostrado apetência pelos arquivos municipais, podes esclarecer.
    Abraço do Zé Henriques

    ResponderEliminar
  5. Anónimo23:15

    Actualmente está muito diferente e chama-se D. Dinis. Nesta altura ainda deveria ser a da Pá-Queixada.

    Carlos Boavida

    ResponderEliminar
  6. Luís Dias01:02

    É a atual rua de D. Dinis.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo08:18

    Rua Rei D. Dinis

    ResponderEliminar
  8. Rua D. Dinis! Vou querer uma PS3 e um galão, se faz favor!

    :)

    Abraço!

    ResponderEliminar
  9. Anónimo17:15

    ò anónimo das 20:24 anda a DOCAR ou está DOCADO? Docas o que são?

    ResponderEliminar
  10. Anónimo20:34

    Sou jovem tenho habito de chamar docas ao centro cívico, ou antigo passeio verde.

    ResponderEliminar
  11. José Henrique.
    Em resposta ao teu desafio aqui fica o que descobri sobre o nome de Páqueixada.
    Manuel da Silva Castelo Branco, diz no seu livro; “Subsídios para o estudo da toponímia albicastrense” o seguinte sobre este nome:

    PÁQUEIXADA - (FONTE DA PÁQUEIXADA)

    Situava-se na confluência da Devesa com os currais, localizando-se a fonte ao fundo da actual rua de D. Dinis. Segundo Manuel Tavares dos Santos:
    ”Era um poço com grande abundância de água salobra que, segundo o tradição, possuía as virtudes de curar a inflamação dos olhos e de fazer despregar as sanguessugas da boca dos animais”.
    Não tenho dúvidas de que este topónimo é bastante antigo mas, documentalmente, só o vejo mencionado pela 1ª vez no livro de Posturas do conselho (LP) em 1620.
    Até agora, nunca vi qualquer alusão à sua origem e a que vou apresentar é meramente conjectural, baseando-se num documento do século XIII: a 1ª carta de doação da Lardosa à Ordem do Templo, feita a 7.3.1256, pois nela aparece, entre outras testemunhas, um Pelágio (Paio) Queixada.
    Deixo à imaginação do leitor a forma como desta personagem poderia derivar o antropónimo...
    Um braço para todos aqueles que participaram neste passatempo.

    ResponderEliminar
  12. José da Cruz Boavida12:41

    Esta rua não tinha saída, lá em cima era uma pedreira, onde estáva situada a loja comercial com o nome de "Minha Loja" de Miguel José de Barros, do mesmo lado direito foi erguida a Papelaria Semedo,que hoje deve ser dirigida pelo filho do então dono, que se chama Nuno Semedo.
    A Rua passou-se a chamar Rua de D. Diniz, mas o seu nome inicial era Rua da Pá cachada, onde se queimava o mato e a pá para o apanhar em lume para as braseiras no inverno

    ResponderEliminar
  13. Amigo Boavida.
    A Papelaria Semedo fechou à cerca de cinco ou seis anos.
    Quanto ao resto está certíssimo.
    Abraço

    ResponderEliminar

DESCOBRINDO CASTELO BRANCO ANTIGO – (VI)

  Esta é uma imagem que irá deixar muita gente a coçar a cabeça e a interrogar-se, sobre o local onde este edifício tinha poiso na terra...