quarta-feira, junho 17, 2015

UM PRÉDIO CENTENÁRIO – (II)

Quando da publicação do poste sobre o prédio que se pode ver nas imagens aqui postadas, congeminei eu, que os albicastrenses que visitam este blogue, iriam dizer da sua justiça em relação ao referido tema.
Engano meu, pois tirando os comentários de Cristina e José Augusto, nenhuma outra alma se interessou pelo assunto. Todavia nem tudo foi negativo, pois os dois comentários deixados na caixa embora sendo muito pessoais, laçaram novos dados sobre o "Ferrinho de Engomar", informação que nos dá conta que Eurico de Sales Viana viveu no primeiro andar do prédio, durante quase meio século.
Se na altura defendia a compra do edifício pela autarquia albicastrense derivado à sua singularidade quase única na terra albicastrense, à sua centenária existência e beleza, não posso agora deixar de mencionar o facto de ali vivido uma das personagens mais marcante da terra albicastrense desse tempo. 
Como não sou de deixar tombar aquilo em que acredito, os apaixonantes comentários de Cristina e José Augusto, saíram da caixa de comentários e passaram a poste na esperança de que desta vez, os albicastrenses possam interessar-se pelo futuro do velhinho "Ferrinho de Engomar". O passado, presente e futuro da terra albicastrense é património de todos nós, considerar que nada disto é da nossa responsabilidade é deixar que os outros façam na nossa terra e dos nossos antepassados, aquilo que eles entendam a não aquilo que gostaríamos que fosse feito.

Cristina disse…
O meu Avô Eurico de Sales Viana viveu no 1º andar desta casa durante 40 ou 50 anos. Eu própria tenho muito boas recordações dela. É um prédio muito bonito e é de facto uma pena. Tentei falar para a Prisma mas sem sucesso. Não quero deixar de lhe dar os meus parabéns pelo seu blog. É com imensa alegria que o visito com frequência pois não vou à terra albicastrense há 13 anos por razões pessoais. Por favor continue o bom trabalho. Acho que somos da mesma idade e portanto se calhar até nos conhecemos. Um grande abraço e até sempre.
Cristina de Sales Viana Serôdio Sernadas
José Augusto disse...
Também concordo totalmente consigo e com a minha prima Maria Cristina. O prédio é muito bonito, completamente diferente do habitual e faz parte do enquadramento daquela zona da cidade.
Pertence a todos os albicastrenses! Embora sempre tenha residido em Lisboa, também tenho muitas recordações da casa do meu Avô materno. Lembro-me perfeitamente da sua divisória interior - muito original, das escadas de acesso, de quase tudo!
Seria uma pena o seu desaparecimento de Castelo Branco. Julgo ser do maior importância alertar o Exmo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco, com a finalidade de se encontrar uma solução que agrade a todos os albicastrenses (petição?) preservando este edifício, à semelhança do ocorrido com outros (interesse para a Cidade) recordando a obra e a figura do meu Avô em prol desta Cidade.
 O Albicastrense

2 comentários:

  1. Rui Veras10:01

    A requalificação deste edificio deveria ser uma prioridade na agenda municipal. O edifício tem uma arquitectura única que muito engrandece a cidade de Castelo Branco. A sua localização seria perfeita para dar corpo a uma das grandes tradições da região: o queijo. Criar a casa do queijo no centro da cidade seria uma mais valia para todos e daria a conhecer de forma digna uma arte e industria tao peculiar. Tendo em conta o evento que ocorreu este fim de semana em Castelo Branco, parece-me que existem fundos para a renovação do edifício. Seria inovador criar uma mostra e venda permanente dos produtos mais nobres do distrito, como os nosso bordados para alem do queijo. Aglomerar estes produtos singulares num so espaço seria uma boa aposta na promoção e criação de riqueza na nossa região.

    ResponderEliminar
  2. Amigo Rui Veras.
    O meu bem-haja pelo seu comentário.
    Gostei da sua ideia, vamos aguardar para ver se mais alguns albicastrenses colocam aqui as suas sugestões.
    Abraço

    ResponderEliminar

A RUA DA MINHA ESCOLA – (IX)

(ESCOLA DO BONFIM)                               O que sabemos nós da rua da nossa escola primária?    (Rua do Bonfim)         ...