terça-feira, agosto 08, 2006

EUGÉNIA LIMA

UMA MULHER DA BEIRA
Dando continuidade ao prometido, vou hoje apresentar outro grande albicastrense, neste caso, uma albicastrense. 
Não fiz até à presente data, qualquer comentário sobre as personalidades aqui apresentadas, hoje, gostaria de desejar a esta grande mulher, muitos e muitos anos de vida. 
Aos quatro anos, o pai deu-lhe um pequeno acordeão,
diz Eugénia Lima: “Comecei a tocar com quatro anos. O meu pai era afinador de acordeões, e como tinha muitos instrumentos desses lá em casa comecei a brincar com eles, e mais tarde a tocar, foi amor à primeira vista”.
Hoje, a acordeonista é uma das melhores intérpretes mundiais. Nasceu em Castelo Branco, em Abril de 1926. Diplomada com o Curso Superior de Acordeão na categoria de Professora pelo Conservatório de Acordeão de Paris. Iniciou-se no Teatro Vaz Preto, em Castelo Branco, aos quatro anos de idade. O ciclo de actuações por toda a Beira Baixa valeu-lhe o epíteto de "Miúda de Castelo Branco" Estreou-se no Teatro Variedades na revista "Peixe Espada". Actuou em diversas casas de espectáculo em Portugal e no estrangeiro.
Fez digressões pela Europa e África, actuou na Televisão portuguesa e em diversas televisões estrangeiras. Escreve melodias para vários artistas consagrados. Tem numerosos discos gravados. Foi fundadora da "Orquestra Típica Albicastrense".
O seu nome figura no Dicionário Mundial de Mulheres Notáveis de Américo Lopes de Oliveira e Mário Gonçalves Viana. É Cooperadora da SPA desde Maio de 1977.

Algumas distinções e prémios atribuídos a Eugénia Lima, até 1995

1947 - 1º Lugar no Concurso de Acordeonistas, Emissora Nacional.
1962 - "Óscar da Imprensa" para a melhor solista de música ligeira. 
1980 - Grau de "Dama da Ordem Militar de Santiago da Espada".
1984 - Diploma Honorífico atribuído pela União Nacional dos Acordeonistas de França.
1984 - Condecorada com a Medalha de Mérito Cultural.
1995 - Grau de "Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique".
Inúmeras medalhas, placas e diplomas atribuídas por entidades portuguesas e estrangeiras.
O Albicastrense

1 comentário:

  1. Ricardo Guerreiro05:43

    Eugénia Lima conseguiu algo muito dificil de alcançar, e isso foi uma das razões do seu sucesso, que foi criar um estilo muito próprio a tocar. Ninguém toca como a Eugénia Lima!

    ResponderEliminar

DESCOBRINDO CASTELO BRANCO ANTIGO – (VI)

  Esta é uma imagem que irá deixar muita gente a coçar a cabeça e a interrogar-se, sobre o local onde este edifício tinha poiso na terra...