terça-feira, dezembro 11, 2007

Castelo Branco na História X


(Continuação do número anterior)
Tendo sido a vila cercada no dia 22 de Maio de 1704, rendeu-se no dia seguinte e foi ocupada durante quarenta dias pelo exército invasor, que a saqueou, cometendo numerosas destruições.
A entrada do exército franco-espanhol em Castelo Branco, implantando a dor e a tristeza na sua população, efectuou-se no dia corpo de Deus, precisamente na data em que outrora ela se entregava a pitorescas e esfuziantes folias.
Para se avaliar da importância e brilho dessas festas, aqui se transcreve um curioso programa elaborado pela Câmara de Castelo Branco:

Rol dos juízes de ofício que hão-de dar danças e insígnias e tudo o mais necessário para a procissão do Corpo de Deus ano de 1680:
“Francisco Esteves, juiz dos pastores, dará uma dança de paus de seis homens que é a da Lousa. Os cabreiros darão outra dança”.
“Manuel Francisco, juiz dos hortelões, um carro armado de flores e frutas”.
“Simão Fernandes, juiz dos alfaiates, a Serpe bem vestida com quatro homens de guarda com suas chuças e sairá na véspera do dia e correrá a Vila”.
“Francisco Marques, juiz dos cardadores e tosadores dará S. Gens em sua charola acompanhado de duas tochas adiante e uma dança”.
“António Pires, juiz dos sombreiros dará uma dança mourisca com sua insígnia adiante que lavará um sombreiro”.
“Tomás Rodrigues, juiz dos ferreiros, dará quatro diabos e sua insígnia”.
“Paulo Rodrigues, juiz dos tecelões e tecedeiras, dará Santo Estêvão em sua charola e uma dança adiante com seu folião e a dança será de seis moças”.
“Carlos Ribeiro, juiz dos carpinteiros, dará S. José em sua charola e duas tochas e uma dança”.
“Manuel Gomes, genro de João Bonito, juiz dos sapateiros dará S. Crispim em sua charola com duas tochas e uma dança adiante e três moças com violas e castanhetas”.
“André Francisco, juiz dos moleiros desta vila e termo dará Santo António em sua charola e duas tochas e uma dança de seis homens ou moças com seu folião”.
“Mateus Travasses, juiz dos almocreves, dará Santo Amaro em sua charola com quatro tochas e seu guião e uma dança”.
“Domingos Fernandes Grilo juiz dos barbeiros, dará o Rei David com ceptro e coroa muito bem vestido e dois pajens que o acompanhem”.
“António Martins Calrão, juiz dos cadeireiros, dará um guião com descantes de três violas de bons tangedores”.
10/103
PS. O texto é apresentado nesta página, tal qual foi escrito na época.
Publicado no antigo jornal Beira Baixa em 1951
Autor.
M. Tavares dos Santos
O Albicastrense

Sem comentários:

Enviar um comentário

A RUA DA MINHA ESCOLA – (IX)

(ESCOLA DO BONFIM)                               O que sabemos nós da rua da nossa escola primária?    (Rua do Bonfim)         ...