quinta-feira, dezembro 27, 2007

Castelo Branco na História XI

(Continuação do número anterior)
“Lucas Fernandes, juiz dos ferradores, dará S. Jorge em seu cavalo com dois estribeiros de cada lado à turquesca.
“ Francisco Travassos, juiz dos estalajadeiros, dará oito homens de alabardas em corpo com couras, ou vestidos de armas brancas com tambor adiante de S. Jorge e um pifano.
“Bartolomeu Rodrigues, juiz dos espingardeiros e serralheiros dará um homem com insígnia se alferes, com a sua banda, que irá a cavalo diante dos soldados de S. Jorge, por pajem da lança.
“Marcos Fernandes, juiz dos oleiros, dará um rei mouro com corôa e ceptro, com quatro mouros a seu lado com seus alfanges, que irão a traz de S. Jorge. “Manuel Sanches, juiz dos pedreiros, dará um estandarte ou bandeira de guerra e um tambor que irá adiante dos soldados de S. Jorge.
“Gaspar da Fonseca, juiz dos cereeiros dará oito tochas para acompanhar o Santíssimo.
“Os mercadores cada um dará uma tocha que eles levarão ou mandarão ter na procissão.
“Catarina Martins Ferreira, juíza das padeiras, dará duas pelas e um dança de seis mulheres com pandeiros e castanhetas com seu folião.
“Os boticários cada um levara sua tocha entre os mercadores.
“Manuel Martins Galeguinhos, juiz dos maquilões dará uma dança pastoril (Designavam-se maquilões os homens que transportavam os cereais para os moinhos e a farinha para a casa dos clientes dos moleiros).
“O alferes de S. Marcos irá com seu guião.
“Baltazar Gonçalves, juiz dos mulateiros e burriqueiros dará uma dança mourisca de oito homens.
“Os obrigados e magarefes dos açougues levarão, uma hora antes da procissão sair, um touro amarrado à corda pelas ruas por onde for a procissão, com homens que levem suas aguilhadas para tagerem o touro e, na corda a que for amarrada, irão pegando nas pontas uns a traz e outros adiante do boi.
A festa principiava na véspera, em que os juízes de oficio tinham de ir à Câmara mostrar as suas danças e folias, sendo multado ou preso aquele que não cumprisse.
Nesse dia eram permitidas todas as folganças e truanicas, sendo os diabos (pobres aprendizes de ferreiro pintados de preto e de vermelho) apedrejados pelos gaiatos entre chufas a risotas.
Porém, no dia da procissão, não eram permitidos os motojos da véspera e o cortejo fazia-se com a circunspecção das autoridades e a compostura de todas os figurantes, sob a vigilância atenta dos meirinhos e beleguins.
11/103
PS. O texto é apresentado nesta página, tal qual foi escrito na época.
Publicado no antigo jornal Beira Baixa em 1951
Autor.
M. Tavares dos Santos
O Albicastrense

Sem comentários:

Enviar um comentário

A RUA DA MINHA ESCOLA – (VII)

        (ESCOLA DA SENHORA DA PIEDADE)                          O que sabemos nós da rua da nossa escola primária? João Evangelista...