sexta-feira, dezembro 21, 2007

MONUMENTO AO COMBATENTE

O Bem-haja de um ex. Combatente

A Câmara Municipal de Castelo Branco, cumpre promessa feita e transfere do cemitério da cidade, para uma rotunda da Quinta Nova, o monumento dedicado ao Combatente. Oitenta e três anos, após a sua colocação no cemitério da cidade, (9 de Abril de 1924), este monumento tem por fim um local digno do nome que ostenta.
É fácil, criticar decisões da nossa autarquia em relação a determinadas obras
feitas da nossa cidade, (o que eu muitas vezes aqui faço), porém, também fácil se torna elogiar decisões, quando elas são exemplo de bom senso e de reposição de justiça para com aqueles que deram a vida, ou lutaram por aquilo que pensavam ser o melhor para o seu pais.
Como ex. Combatente em Angola, (1973-1975) avesso a recordações e homenagens ranhosas, de tais factos não posso deixar de aplaudir este feito e elogiar esta bela iniciativa da autarquia albicastrense.
Ao presidente Joaquim Morão, representante maior da nossa autarquia, o meu bem-haja por este acto de justiça para com os ex. Combatentes

O albicastrense

4 comentários:

  1. Anónimo21:27

    bom natal para o amigo verissimo, e para todos os amigos que visitam este blog, from oregon USA

    ResponderEliminar
  2. Caro anónimo.
    Foi para mim uma grande satisfação, saber que Portugueses vêem estas minhas pequenas notas nos Estados Unidos.
    Para si e familiares ai em oregon USA, uma vez mais.... BOAS FESTAS DO ALBICASTRENSE

    ResponderEliminar
  3. Para felicitar a Câmara de Castelo branco, na pessoa do seu Presidente, Joaquim Morão, pela decisão inerente à homenagem ao "Combatente"

    ResponderEliminar
  4. Anónimo10:45

    DISCURSO DO SR. GENERAL CHITO RODRIGUES

    Exmos. Senhores
    Presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco
    Presidente da Junta de Freguesia de Castelo Branco
    Autoridades Civis Militares e Religiosas
    Caros Combatentes e Membros da Liga dos Combatentes
    Meus Senhores e Minhas Senhoras

    Hoje, dia 15 de Dezembro de 2007, nesta histórica cidade de origem hispano-romana, nascida no cerro da Cardosa, da junção de Mancarche com Vila Franca da Cardosa, onde os Templários erigiram um velho Castelo, na transição das Beiras com o Alentejo é um dia de verdadeira evocação de toda a sua história e dos seus maiores.

    Para além de comemorarmos o 84º aniversário do Núcleo de Castelo Branco da Liga dos Combatentes que ao longo de todo o século XX até aos nossos dias, prosseguindo valores patrióticos e humanitários, sempre sustentou e foi exemplo do culto daqueles que, entre os seus pares, assumiram o maior risco e por vezes por eles deram a vida escrevendo História, queremos também deixar um marco público do respeito que nos merecem os que se bateram por Portugal.

    Quis a coincidência que se juntassem no Presidente da Direcção Central da Liga dos Combatentes esta condição e as de um albicastrense, nascido algures numa medieval casa da rua d´Ega e que fez a sua juventude vivendo lado a lado com a história, percorrendo as plataformas do Castelo e as ruas da velha cidade, do Mercado, da Caleja, de Santa Maria e dos Ferreiros. a par dos recantos do velho liceu, da Praça Velha ou dos jardins do Paço.

    Não posso porém, deixar de recordar que a caminho do novo liceu percorria a parte nova da cidade, a mais central movimentada, acompanhando o passeio público até aos Paços do Concelho a que fora dado o nome de Av. dos Combatentes da Grande Guerra e Campo dos Mártires da Pátria.

    Não sinto porém que seja comum em Castelo Branco a existência de padrões ou monumentos que por essas rotundas ou praças públicas revelem os sentimentos e feitos albicastrenses face aos acontecimentos históricos recentes ou passados.

    Há precisamente duzentos anos que se viviam nesta terra e no país momentos terríveis de verdadeiro risco de sobrevivência como povo independente. Chegou-se à vitória. Mas os monumentos da cidade que restam dessa vitória do povo em armas, é ainda o próprio património monumental decapitado.

    Por isso, hoje em Castelo Branco, volta a acontecer história.

    Hoje em Castelo Branco não há porém uma inauguração propriamente dita.

    Hoje, há a reconciliação dos combatentes com a cidade e da cidade com os combatentes.
    Quando há anos alguém decidiu esconder no cemitério, aquilo que até então era uma homenagem pública ao sacrifício exigido a alguns albicastrenses na defesa do país, ao longo dos tempos não se deu conta de que a história se não apaga e que só se é grande quando se assumem as virtudes os erros e omissões dos outros, para deles partir à conquista dos grandes objectivos por que aspiramos.

    Hoje em Castelo Branco resultante da convergência de vontades de sectores significativos da sua população, do senhor Presidente da Câmara de Castelo Branco e do Núcleo da Liga dos Combatentes, uma praça acolhe um símbolo, um padrão que o tempo se encarregará de perpetuar pela acção dos homens e mulheres que aqui passarão a vir homenagear os seus maiores ou a explicar aos seus filhos e netos o seu significado. É esse o nosso desejo. Que este seja mais um monumento vivo.

    Por isso felicito o senhor Presidente da Câmara pelo impulso dado a esta iniciativa que certamente calará fundo nas gentes albicastrenses e sobretudo nos combatentes de hoje e do futuro, ao verem assinalado de forma singela mas digna e duradoura, o esforço dos que um dia se bateram por Portugal.

    Que este monumento, promova a evocação dos nossos maiores, vivos e mortos, particularmente daqueles que com muitos de nós sofreram os mesmos riscos algures nas matas e savanas africanas. Ao mesmo tempo nos permita a partilha de memória e respeito por aqueles que connosco se confrontaram e com quem devemos partilhar hoje as lições da história. Por forma a que aqueles que ontem estiveram connosco frente a frente e estão hoje connosco lado a lado não voltem jamais `â confrontação violenta.
    Permitam-me que cite, a propósito, um poema no nosso António Salvado: intitulado:


    Após o Combate

    De olhos fechados... eles vigiam-se
    desfeitos quase em pó... e lado a lado
    sucumbidos ao longo da metralha

    Difícil distinguir ali estendidos
    Naquela solidão feroz terrível
    Quais os amigos... quais os inimigos.


    Meus senhores e minhas Senhoras

    Nesta cidade planalto, bastião central e vigilante da Beira Baixa, a quem podem retirar tudo, menos o horizonte que nos transporta a terras distantes e a sonhos albicastrenses, coloca-se aqui um padrão aos valores pelos quais vale a pena lutar e, consequentemente, abre-se um sulco profundo a percorrer pela memória do passado, no presente e no futuro das gentes de Castelo Branco.

    Hoje, Portugal mais uma vez acontece na minha Terra Natal.

    Castelo Branco, 15 de Dezembro de 2007


    Gen Joaquim Chito Rodrigues

    ResponderEliminar

DESCOBRINDO CASTELO BRANCO ANTIGO – (VI)

  Esta é uma imagem que irá deixar muita gente a coçar a cabeça e a interrogar-se, sobre o local onde este edifício tinha poiso na terra...