terça-feira, janeiro 10, 2012

ALBICASTRENSES ILUSTRES - XXIV


MIGUEL ACHAIOLI DA FONSECA
(1609-1674)
Nasceu em Castelo Branco em 1609, sendo filho de Francisco da Fonseca Leitão e de sua mulher D. Genebra de Achaioli de Castelo Branco.
Segundo o exemplo de seu pai, matriculou-se na Universidade de Coimbra, onde se formou em leis a 28 de maio de 1632.
Entretanto, começa a interessar-se pelos estudos genealógicos, impelido talvez a principio pelo desejo de conhecer melhor as linhas familiares dos seus antepassados.
Em 1640 intervém nas lutas da restauração, tendo ação destacada na defesa de Penamacor. Dois anos depois, em 1642, vai representar Castelo Branco em Cortês na companhia do L. de Miguel do Couto.
E, no mesmo ano, é nomeado Juiz de Fora e dos órfãos do Porto, onde prestou valiosos serviços, pelo que lhe é feita a mercê de Cavaleiro da Ordem de Cristo, por alvará de 12 de Abril de 1646. Inicia deste modo uma carreira de certo modo notável na magistratura. Seguidamente é nomeado Ouvidor do Mestrado de Aviz, Provedor da Comarca de Leiria (1657), Provedor dos Resíduos, Capelas e Cativos de Lisboa, de que deu residência a 23 de Junho de 1662, Corregedor do Cível da Corte e Desembargador da Casa da Suplicação. Pela integridade dos seus costumes é nomeado Sindicante Geral nos Estados do Brasil.
Antes de partir, a 15 de Abril de 1664 fez testamento em Lisboa, vindo a falecer no Rio de Janeiro, a 7 de Dezembro de 1674. No entanto, apesar da sua intensa actividade profissional continuou sempre a dedicar-se apaixonadamente aos assuntos genealógicos, deixando as seguintes obras:

- Famílias do Reino de Portugal
- Famílias da vila de Castelo Branco
- Família dos Cunhas
- Família dos Achaiolis
- Árvores de Costado
- título de Pimentas e Avelares
- Título de Castelbrancos

De todos os livros manuscritos pela sua pena reputada, é certamente o que trata das Famílias da vila de Castelo Branco o menos divulgado, talvez porque a historia genealógica destas, salvo um pequeno número de maior projecção, pouco interesse despertou nos escritores da especialidade.
No entanto, o seu valor como documento da historiografia local é único e, podemos considerar Miguel Achaioli da Fonseca como o primeiro escritor que nos legou uma obra de interesse monográfico sobre Castelo Branco.

Dados recolhidos na obra; Figuras Ilustres de Castelo Branco”de Manuel da Silva Castelo Branco,
O Albicastrense

6 comentários:

  1. Informação

    Amigo
    Aí vai o site do relogio e relojoeiro

    industriadarte.blogs.sapo.pt/arquivo/026514.html

    Ou então no google abre industriadearte e depois procurar um que tem profissões com história. O relojoeiro chama-se Manuel Rafael Fidalgo.
    Quanto ao resto só consegui saber que na rua D. Dinis por cima do oculista Campos houve em tempos um serviço de saúde,mas não me lembro.
    Quanto à loja das montras grandes também só soube que existiu uma loja de nome Vidrarte e que conheci - mas parece-me tinha mais proddutos de menage e decoração de interiores onde é hoje a SONY na Av Humberto Delgado
    Creio ser tudo
    Um abraço JJB

    ResponderEliminar
  2. Anónimo16:10

    Li bem penso eu de que....
    "não deveria haver limitações"
    que diria,pensaria o Homem de Santa Comba Dão?
    Democracia é isto ou estamos no Reino do Avental ?
    haja decor

    ResponderEliminar
  3. Interessante essa personalidade .Será que os Castel-Branco da Idanha têm algo a ver com eles ?
    Bom ano
    Quina

    ResponderEliminar
  4. Amigo J.J.B
    Bem-haja pela informação prestada.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Anónimo das 16.10.
    Confesso que não compreendi o seu comentário!
    Se quiser esclarecer-me... estou ás suas ordens.

    ResponderEliminar
  6. Amiga Quina.
    É bem provável que possa haver alguma ligação.
    Um abraço

    ResponderEliminar

AO PRESIDENTE DA AUTARQUIA ALBICASTRENSE - (II)

Hoje ao passear pela rua Mousinho Magro, dei comigo a olhar para os dois portados que se podem ver na imagem aqui postada e a perguntar ...