terça-feira, setembro 04, 2012

EFEMÉRIDES MUNICIPAIS - LXIV


A rubrica Efemérides Municipais foi publicada entre Janeiro de 1936 e Março de 1937, no jornal “A Era Nova”. Transitou para o Jornal “A Beira Baixa” em Abril de 1937, e ali foi publicada até Dezembro de 1940. A mudança de um para outro jornal deu-se derivada à extinção do primeiro. António Rodrigues Cardoso, “ARC” foi o autor desde belíssimo trabalho de investigação, (Trabalho que lhe deve ter tirado o sono, muitas e muitas vezes).


O texto está escrito, tal como foi publicado.
Os comentários do autor estão aqui na sua totalidade.
(Continuação)
Em compensação, houve em 21 de Abril uma sessão em que se tratou da reunião de fundos para ocorrer ás despesas a fazer com as aludidas festas, que ainda se não sabia quando se realizariam, mas em que, em suma, era bom ir pensando, porque homem prevenido vale por dois.

A respectiva acta começa assim:
Anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo de mil sete centos noventa tres annos aos vinte e hum dias de Abril do dito anno nesta Cidade de Castelo Branco e Casas do Concelho sendo juntos o Doutor Corregedor da Comarca que tambem serve de Provedor com o Doutor Juiz de Fora e mais officiais da Comarca por todos foy dito que tendosse proposto não só em razão dos seus officios mais ainda como leais e fieis vassalos dar as mais vivas e sinceras demostrassoens de contentemento e alegria na ocazião do feliz parto que esperarão da Princesa Nossa Senhora: e considerando do mesmo passo que os Povos deste Destricto revestido de iguais sentimentos se offeresserão voluntários a unir as suas forças ás desta Capital afim de que com a possível dessencia se haja de preencher hum tão digno e importante objeto: Determinarão que cada hum das referidas Povoações contribuísse proporcionalmente pellos rendimentos do Consello ou Povo pella maneira seguinte”:

Salgueiro, que dos rendimentos do ano que corria e sobras do antecedente tinha 233.093 réis, contribuiria para as festas com a quantia de 90.275 réis,
Cafede, que tinha das mesmas proveniências 250.826 réis, contribuiria com 98.125 réis.
Alcains, que tinha 600.532 réis, daria para as estas 215.550 réis.
Escalos de Cima, que tinha 242.071 réis, havia de dar 94.200 réis.
Mata, que tinha 226.7722 réis, daria 82.425 réis.
Louza, que tinha 445.538 réis, havia de dar 172.700 réis
Escalos de Baixo, que tinha 350.619 réis, havia de dar 137.375 réis.
Malpica, que tinha 87.648 réis, contribuiria com 26.400 réis.
Monforte, que tinha 1. 425.883 réis, tinha que dar 285.réis.

Depois de colectados assim as povoações que tinham rendimentos dos bens do “Povo” ou do Povo e Concelho, a acta continua.

... as quais quantias mandarão se cobrasse e depositassem.... para que com oito centos mil que se arbitrarão a esta cidade constituam um fundo de dois contos de reis...”

Deviam ser festas rijas para custarem dois contos de réis, quantia que equivaleria hoje, a mais de dois centos de contos.
(Continua)
PS. Mais uma vez informe os leitores dos postes “Efemérides Municipais”, que o que acabou de ler é, uma transcrição fiel do que foi publicado na época.
O Albicastrense

Sem comentários:

Enviar um comentário

MEMÓRIAS DE OUTROS TEMPOS - " O JÚLIO RAMOS DO CAFÉ ARCÁDIA"

O jornal “ Beira Baixa ” publicou em 1944, a pérola que aqui estou a postar.                            Não há no Mundo maior palp...