quinta-feira, outubro 17, 2013

EFEMÉRIDES MUNICIPAIS – LXXVIII


A rubrica Efemérides Municipais foi publicada entre Janeiro de 1936 e Março de 1937, no jornal “A Era Nova”. Transitou para o Jornal “A Beira Baixa” em Abril de 1937, e ali foi publicada até Dezembro de 1940. A mudança de um para outro jornal deu-se derivada à extinção do primeiro. António Rodrigues Cardoso, “ARC” foi o autor desde belíssimo trabalho de investigação, (Trabalho que lhe deve ter tirado o sono, muitas e muitas vezes).

O texto está escrito, tal como foi publicado.
Os comentários do autor estão aqui na sua totalidade.

(Continuação)
A sessão imediata realizou-se em 22 de Junho. Foram nomeados para avaliar as “ervagens do concelho e povo” os louvados Manuel Martins Más-barbas e Eusébio Ferreira e, como conheciam tudo aquilo como os seus dedos, avaliaram-nas logo ali, sem mais demoras. Eram vinte e quatro as ervagens e foram avaliadas em 1.185.000 réis. 
A mais cara foi a dos Alvarinhos, a que se deu o valor de 72.000 réis; a mais barata foi a da Granja do Ribeiro, que ficou em 25.000 réis. E mais nada por então.
O mês de Julho passa em claro. Os bons doe vereadores só tiveram forças para tornar a reunir-se em sessão no dia 16 de Agosto e o que se passou conta o escrivão Aranha assim:
Porpondosse esta Vereação a necessidade q. há de se concertarem as calçadas p. evitar assim total ruina e q. no conselho não havia prezentemente dinhr. para esta e outra indispenssaveis obras se detreminou com assistência dos Procuradores do Povo a venda dos Pastos dos olivais para ovelhas como se tem praticado em diferentes ocazioens para semelhantes fins: e a venda não só enteressa o publico mais ainda os particulares pela utilidade q. rezulta aos seus Predios dos Estercos das mesmas ovelhas e da guarda dos seus Tapumes tendo mostrado a experiência q. em tempo algum são mais bem defendidos do que quando se tem feito esta venda com excluzão de todos os outros gados.
Nomearão para Juiz do afficio de Alfayates a Franc. Jozé Garrido”.
Por onde se vê que os donos dos olivais ainda tinham que agradecer à Câmara o favor de lhes vender os pastos que neles criavam. Ganhavam o “esterco das mesmas ovelhas” e tinham quem lhes guardasse os olivais de graça.
De mais a mais, o que os pastos rendessem serviria para consertara as calçadas, que estavam numa desgraça....
Com a nomeação do juiz dos alfaiates é que não se sabe se estes ficaram bem servidos, mas enfim, foi o melhor que se pode arranjar.
(Continua)
PS. Mais uma vez informe os leitores dos postes “Efemérides Municipais”, que o que acabou de ler é, uma transcrição fiel do que foi publicado na época.
O Albicastrense

1 comentário:

  1. José Goulão14:36

    Apreciando a sua obra sobre Castelo Branco e sendo eu albicastrense na versão monforteiro, quero comunicar-lhe o lançamento do meu romance "Um Rei na Manga de Hitler", com chancela Gradiva, na sexta-feira às 9 da noite na Biblioteca Municipal de Castelo Branco. Grande parte da acção passa-se no nosso distrito e concelho. Desculpe a intromissão deste modo abusivo, mas quero dar-lhe conta do acontecimento. Um abraço, José Goulão

    ResponderEliminar

AO PRESIDENTE DA AUTARQUIA ALBICASTRENSE - (II)

Hoje ao passear pela rua Mousinho Magro, dei comigo a olhar para os dois portados que se podem ver na imagem aqui postada e a perguntar ...