sábado, junho 03, 2017

ALAMEDA DO CANSADO


EM DEFESA DAS ÁRVORES DA ALAMEDA DO CANSADO

Joaquim Baptista disse no poste sobre a Alameda do Cansado entre outras coisas, o seguinte:
Será que as belíssimas árvores que ali constam às dezenas de anos vão ser sacrificadas?
Parece-me que tudo indica que sim, no entanto ainda tenho esperança de continuar a desfrutar da sombra delas sempre que visito o meu Bairro.
Parece estar em vista mais um atentado ao ambiente citadino. Deus queira que me engane. Ninguém reagirá a essa situação se vier a ser verdadeira?
Confesso que as dúvidas de J. Baptista são igualmente as minhas, pois no artigo do jornal “reconquista” nada é dito sobre as 15 árvores de grande porte, que existem na alameda.
Fui visitar a alameda e captar algumas imagens para posteridade, pois, tendo as mesmas duvidas que o Baptista, o melhor é agarrar as imagens antes que o camartelo arrase a alameda. 
Que pode este albicastrense que viveu entre 1953 e 1982 bem perto desta alameda, verbalizar em defesa das fantásticas árvores que por lá habitam?
Que existem na alameda 15 belas árvores, três delas, (que penso serem nicreirosCeltis australis”) distinguem-se das outras pelo seu porte, desenho, idade, interesse histórico e paisagístico. 
Não deveriam estas árvores ser consideradas pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas como “Monumentais”, e classificá-las de Interesse Público?
- Se estas árvores forem arrasadas será um autêntico crime ambiental, pois trata-se de três exemplares fantásticos, como se pode ver nas imagens aqui postadas.
Se estas árvores forem mandadas abaixo, os albicastrenses bem podem penitenciar-se por nada terem feito para o evitar e pedir, responsabilidades a quem tomou tal decisão.
Como disse antes, não conheço o plano de requalificação em pormenor, mas por aquilo que veio a público e por aquilo que destapei, as pobres árvores parecem ter o destino marcado.
Se ao derrube destas árvores (se tal vier a acontecer), juntarmos os ciprestes da Senhora de Mércoles, do Castelo, Miradouro, Passeio Verde e Antigo Parque da Cidade, até parece que na terra albicastrense as árvores são empecilhos que é preciso abater.  
IMAGENS:
A árvore que as três imagens mostram, habita no rés te chão da alameda. Tentei abraçar esta árvore, todavia só o consegui de mão dada com outra pessoa que por ali passava. A árvore tem de diâmetro 2,75 cm. 
                                                 O Albicastrense                                 

8 comentários:

  1. Seria uma pena se desaparecessem, sempre achei um crime cortarem arvores com alguns anos e q fazem parte da nossa vivencia! Espero q n as deitem abaixo!

    ResponderEliminar
  2. Mais um jardim de pedra pontilhado com umas árvores raquíticas às quais os transeuntes darão mais sombra que as próprias...

    ResponderEliminar
  3. Castelo Branco - O ALBICASTRENSE: ALAMEDA DO CANSADO
    Caro amigo António

    O seu comentário não podia ser mais realista sobre a actual Alameda do Cansado por ao mesmo tempo comparar a hipótese do possível derrube das belas árvores com os atentados ambientais e urbanísticos verificados na cidade nos últimos tempos. Em Lisboa, no Cais do Sodré, agora requalificado, as belas árvores que existiam continuam nos seus lugares depois das obras. O projecto é que se adaptou ao ambiente existente. Só se pode concluir-se que a qualidade dos arquitectos e ambientalistas respeitaram o que deve ser respeitado e conservado. Então, em Castelo Branco quem elaborou o projecto de requalificação do espaço da Alameda não deverá ter igual respeito pelas árvores e pelos albicastrenses ? Possiveolmente nem foram ouvidos, nem deram a sua opinião sobre tal projecto. Faço votos para que alguém dê a conhecer aos albicastrenses e muito especialmente aos residentes no Bairro e não só, qual o projecto para então as pessoas ficarem cientes do conteúdo da obra. Parece-me, ainda, que os residentes e as Associações do Bairro e arredores não se preocupam em saber o que se passa à sua volta, apenas o jornal " A Reconquista " dá a noticia, e também parece não exigir saber efectivamente os pormenores do projecto.

    Continuo a admitir que poderei estar enganado e espero que sim e só quero saber a verdade sobre a continuidade ou não das aludidas árvores. .É apenas um alerta dirigido aos albicastrenses para que estejam atentos e sejam serenos e reclamem se vier a ser caso disso.

    Os meus cumprimentos

    JB

    ResponderEliminar

  4. INFORMAÇÃO AOS VISITANTES
    Nas últimas 24 horas, 524 pessoas visitaram o blogue “Castelo Branco – O – Albicastrense”, através do facebook.
    A todos eles o meu bem-haja e um pequeno esclarecimento.
    Este não é um poste contra a requalificação da Alameda do Cansado, todavia, também não é a favor, é antes um poste em benefício das árvores que por ali habitam.
    Amparar a proteger a pequena “floresta” da alameda, é dizer, que não consentimos mais no derrube de árvores em benefício de requalificações muitas vezes bem duvidosas.
    COMENTEM O POSTE, POIS SÓ DESSA MANEIRA SERÁ POSSIVEL EVITAR O DERRUBE DAS ARVORES.
    Um grande abraço para todos os visitantes.

    ResponderEliminar
  5. AOS VISITANTES DO BLOGUE.
    Mais de duas mil pessoas visitaram este poste, dos dois mil, setecentos visitaram o blogue, através do facebook.
    Contudo apenas três deixaram comentários sobre a sorte das velhas árvores da Alameda do Cansado no blogue, dúzia e meia de visitantes deixou comentários no facebook, (o que muito agradeço).
    Perante "tanto" entusiasme só posso concluir que o destino das árvores está traçado e que dia menos dia elas vão mesmo abaixo.
    Confesso que não consigo habituar-me ao desinteresse que os albicastrenses demonstram pelo que se passa na sua terra.
    Ontem como hoje, proponho um epitáfio para ali ser colocado numa placa: “Aqui já habitaram árvores”.
    O Albicastrense

    ResponderEliminar
  6. Bom dia
    Efectivamente o desinteresse dos albicastrenses sobre a sua terra natal é notório e tem-se verificado desde há bastantes anos. É triste que assim seja e a realidade é que têm aceitado os desmandos ambientais e outros, elaborados e concretizados por gente que não tem nada a ver com as raízes albicastrenses. Veja-se o parque da cidade e o miradouro. Quem lá vai agora? Quantos albicastrenses os visitam ? Os albicastrenses acomodaram-se no " deixa andar" e no " logo se verá ". pensar característico do português.
    Fico por aqui nesta prosa. JB

    ResponderEliminar

  7. Ainda volto ao assunto com a seguinte pergunta:

    Não haverá na cidade albicastrenses que se constituíssem em grupo para, com dignidade e bom senso, poderem chamar a atenção de situações que lesam ou possam vir a lesar os interesses da comunidade citadina? A sugestão fica no ar e oxalá apareçam amigos da cidade.

    JB

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Joaquim Baptista.
      Deixe que lhe diga o seguinte: Recentemente tentei reunir um pequeno grupo (cinco a seis pessoas) no portão da antiga rua do Saco, para conversarmos sobre o porquê da rua estar indisponível aos albicastrenses.
      A rua do saco foi inaugurada durante a última campanha eleitoral para a autarquia albicastrense, cinco anos depois contínua de portão fechado ao público.
      Coloquei no facebook a ideia. Sabe quantas pessoas se colocaram à disposição para essa conversa? Uma…………………………………..
      Amigo Baptista, cada vez mais me convenço, que estou a pregar no deserto.
      Abraço

      Eliminar

MEMÓRIAS DE OUTROS TEMPOS - " O JÚLIO RAMOS DO CAFÉ ARCÁDIA"

O jornal “ Beira Baixa ” publicou em 1944, a pérola que aqui estou a postar.                            Não há no Mundo maior palp...