sábado, maio 02, 2009

CENTRO DE ARTES


Após algum silêncio comprometedor, surge de novo nas parangonas dos nossos jornais locais a grande notícia;
Centro de artes, com pista de gelo deverá ser lançado a concurso ainda este ano e será, no entender de Joaquim Morão presidente da Câmara, a obra mais emblemática na história recente da cidade ”.

Não querendo ser má-língua… terá este ressurgimento alguma coisa a ver com as próximas eleições autárquicas? Estranhamente, ou talvez não, a sensação com que fico perante este tipo de notícias é que alguém se prepara para nos passar uma rasteira.
No entanto mais que saber da importância deste ”Centro de Arte, com pista de gelo” da escolha do projecto, ou do local escolhido para a sua construção, interessa perguntar a quem de direito, se a cidade precisa realmente deste mega empreendimento cultural?
Numa altura em que se põem em causa, aeroportos e comboios de alta velocidade, construir este tão proclamado Centro de Artes, não será uma provocação aos muitos trabalhadores da nossa região, que diariamente são atirados para a sopa dos pobres?
Estará a cidade de Castelo Branco tão necessitada de um empreendimento de tal grandeza, (6.000.000 de euros), quando existem outros organismos ligados á cultura, sem cheta para poderem desenvolver as suas actividades culturais? A construção deste tão proclamado Centro de Artes poderá levar muitos albicastrenses a pensar, que o problema da pouca actividade cultural na nossa cidade se deve á falta de espaços para a sua realização. Que me desculpem mais uma vez os nossos responsáveis autárquicos, mas a pouca actividade cultural existente na cidade de Castelo Branco, nada tem a ver com a falta de espaços culturais destinados a este área, mas antes á falta de projectos e de pessoas capazes para dar um pontapé no marasmo existente.
Se alguém pensa que a construção deste Centro de Artes é a resolução de todos os nossos pecados ligados ao sector da cultura, tire dai a ideia, pois na opinião deste albicastrense, (que vale o que vale), a sua construção será o aumentar do problema e nunca a sua resolução.
O Albicastrense

8 comentários:

  1. Anónimo20:31

    Mais um elefante branco. Mas como é gelo é mais pró género mamute cultural. Que cambada como diz o meu caro Salvado.

    ResponderEliminar
  2. Não concordo, António. Este financiamento existe especificamente para este tipo de equipamento e se não vier (estamos a falar de QREN) para Castelo Branco, vai para outro lado qualquer ou fica em Bruxelas, no saco do não executado. Acho o projecto de arquitectura interessante e a única coisa no mesmo que acho despropositada é a pista de gelo.
    Quanto à forma como o equipamento vai ser dinamizado, partilho das mesmas dúvidas que tu aqui colocas, mas acho que se devia debater publicamente, qual o papel deste espaço na vida cultural da cidade ou da região. De caminho podia fazer-se a mesma análise relativamente a outros, tais como a Biblioteca e o Cine-Teatro Avenida.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo01:46

    Que foleirisse!!!Igual àquele que
    se lembrou da ideia!!! E essa aberração, vai ficar situada no antigo centro da cidade? Deixem o
    antigo centro da cidade, e os seus
    antepassados em paz, e o Joaquim Mourão que construa um novo centro
    da cidade para outros lados,onde ele possa lá colocar todas as "Aberrações" que entender para
    nós mais tarde recordar esse
    idiota!!! Já agora...O largo de
    S. João, é o deserto para os "Camelos"?

    ResponderEliminar
  4. Stalker…

    O problema não é o Centro de Artes… mas antes este Centro de Artes.
    Não será pelo facto de construirmos este tão colossal e badalado Centro de Artes, que os albicastrense terão mais e melhor cultura, bem antes pelo contrario.
    Nos tempos que atravessamos temos obrigação de exigir a quem nos governa mais moderação nos projectos, sejam eles pagos por quem quer que seja.
    No local onde se propõem construir este desmedido e monstruoso, (desculpem-me quem não gostar), Centro de Artes, cabe perfeitamente um outro mais pequeno sem pistas ou “pistinhas”, mas de acordo com a nossa medida cultural.
    Este novo edifício a que eu chamaria a “Unificação dos Espaços”, teria ligação ao Cine-Teatro e Biblioteca, tornando o espaço, (Devesa) o pólo cultural da nossa cidade.
    Para terminar acrescentaria o seguinte, eu não acredito que tu acredites, que a construção desta tão badalada coisa seja a melhor solução para aquele local.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. Viriato17:06

    Alguém escreveu um artigo sobre os Jardins de Pedra, e bem, porque de facto é só pedra e mais pedra.E a coisa pegou porque agora há muita gente a utilizar essa designação.
    Agora além da pedra vem gelo. Acho que sim. Está uma coisa para outra. O Morão anda a emendar o Pólis,de que ele era presidente e parece querer sacudir a água do capote.
    Ficou amarrado ao projecto do Catalão.É verdade que o desenho é atractivo, não sei se para aquele local...
    É verdade que há o QREN.
    Mas não se esqueçam de um pormenor importante. A sua manutenção e os seus custos. E não só daquele. Há outros. Somem tudo e olhem como manter os equipamentos.
    Viriato

    ResponderEliminar
  6. Anónimo08:16

    ora aí está
    o problema não são as artes e o gelo
    que emergem na vontade de construir algo
    tá no arquitolas lá de terras do gaudi
    tanta merda fez que já está em fase de requalificação
    como bonus cá vem ganhar mais uns euros
    quem explica etes interesses ?
    grandes amigos

    ResponderEliminar
  7. Anónimo14:56

    Quando é que edita um comentário do Tó Carvalho?

    ResponderEliminar
  8. Caro anónimo.

    Todos os comentários aqui deixados são publicados, a não ser que tragam insultos a alguém.
    Terá sido este o caso?

    ResponderEliminar

A RUA DA MINHA ESCOLA – (VII)

        (ESCOLA DA SENHORA DA PIEDADE)                          O que sabemos nós da rua da nossa escola primária? João Evangelista...