segunda-feira, setembro 20, 2010

INSTITUIÇÕES DA MINHA CIDADE


162 ANOS DEPOIS

20 de Setembro de 1848 - 20 de Setembro de 2010

A 20 de Setembro de 1848, o liceu de Castelo Branco, que havia sido criado por decreto de iniciativa do ministro do Reino Manuel da Silva Passos e sob pressão do Vice-reitor da Universidade de Coimbra, Professor doutor José Alexandre de Campos, datado de 17 de Novembro 1836, iniciou a sua actividade académica com regularidade. Enquanto se aguardava a construção do respectivo edifício, os docentes Padre José Joaquim Magro, professor de latim; Padre José Marques Leite, professor de retórica, Filosofia Racional e Moral e o professor António José de Sousa, nomeados em 5 de Outubro de 1847, já davam aulas nas suas próprias residências.
Sabe-se porém que o liceu de Castelo Branco, funcionou primeiramente, numas casas velhas, pertença do estado, junto à Igreja de Graça, as quais se erguiam no pequeno largo agora ali existente, tendo, por vezes sido aproveitado o coro da Igreja da Graça para ali serem leccionadas algumas disciplinas, assim como o espaço da ampla sacristia também serviu para ali serem dadas aulas, e pouco depois, o antigo edifício contíguo à residência dos doentes. Posteriormente, em 1858 o liceu foi instalado num edifício propriedade de D. José de Saldanha, o qual se ergue no Largo da Sé, onde mais tarde estiveram os CTT.
Em 4 de Outubro de 1911, o liceu foi transferido para o antigo Paço Episcopal e no dia 2 de Maio de 1946, foi ocupar o edifício, construído de raiz, na Avenida Nuno Alvares, onde ainda hoje se encontra.

PS. A recolha dos dados históricos é de José Dias.
A compilação é de Gil Reis e foram publicados no Jornal ”A Reconquista

O Albicastrense

4 comentários:

  1. Felicito-o pelo resumo que apresentou sobre o Liceu de Castelo Branco.
    No entanto, para evitar confusões, parece-me ser necessário precisar a informação sobre o primeiro edifício onde funcionou o Liceu. Em 1848, aquela instituição foi ocupar a casa que existia no lado norte da igreja de Rainha Santa Isabel (que hoje chamam de Santo António) e que antes fora hospital do sexo masculino e escola de ensino mútuo.
    A velha casa, que também dava para a Rua d'Ega, foi demolida depois da transferência do Liceu para o Largo da Sé. Há pessoas que ainda chamam "largo da escola" ao espaço que ficou.
    Joaquim

    ResponderEliminar
  2. Amigo Joaquim
    Os dados que aqui publique são muitas vezes pequenos resumes, resumes que estão sempre abertos àqueles que os queiram completar ou corrigir (como aliás foi o seu caso).
    Bem – haja pelo seu esclarecimento.

    ResponderEliminar
  3. Idanhense Sonhadora17:16

    Bem-haja pelas memórias que nos traz ,pela rua que eu creio vem dos «Três Globos » à »Devesa» e , se eu estiver certa , muitas vezes a desci , quando queria dar um passeio maior , a caminho do Liceu . E , é principalmente pelo Liceu , a que eu tenho o hábito de chamar «meu» e das muitas recordações que ele me faz reviver, que decidi fazer este meu comentário apesar de já ser uma habitual «bisbilhoteira» do seu blog.Agradeço-lhe pelo muito que faz pela divulgação da terra do meu pai que era albicastrense. Eu sou idanhense , mas desterrada ,como também digo ,pois ainda estou« presa» em Lisboa.
    Mais uma vez bem haja .

    ResponderEliminar
  4. Amiga Idanhense Sonhadora.

    Se alguém tem que dizer bem-haja a alguém! Esse alguém sou eu… pois o seu comentário transporta uma imensa saudade. Ele é ainda um daqueles comentários, que gostaria de aqui ler com mais frequência.
    Um pedido; continue a dar-nos comentário como este.
    Um abraço do albicastrense.

    ResponderEliminar

AO PRESIDENTE DA AUTARQUIA ALBICASTRENSE - (II)

Hoje ao passear pela rua Mousinho Magro, dei comigo a olhar para os dois portados que se podem ver na imagem aqui postada e a perguntar ...