domingo, abril 10, 2011

Senhora de Mércules - 1959, por Ernesto Pinto Lobo


Se existem homens a quem a nossa cidade e os albicastrenses nunca conseguiram pagar toda um vida de dedicação à causa comum, Ernesto Pinto Lobo será um destes casos. Na aproximação de mais um aniversario da sua morte, (21 de Abril de 1999), aqui ficam as suas imagens e as suas palavras, sobre o que foi a romaria da Senhora de Mércules em tempos passados, o que era na altura em que deu voz a este pequeno filme e o que deveria ser em tempos futuros, na sua perspectiva.

Pinto Lobo foi uma individualidade de cultura e simpatia completamente invulgar na nossa terra. Ele divulgou e honrou o nome da nossa cidade como poucos o fizeram, através dos seus costumes, das suas tradições e do património e história da nossa terra. Este pequeno vídeo será um reviver de memórias para muitos albicastrenses, mas também uma pequena gratidão deste albicastrense para com um homem que não tendo nascido na nossa terra, fez mais por ela que muitos dos que aqui nasceram, e do qual este albicastrense guarda boas e felizes recordações.

Para terminar esta pequena prosa, gostaria de acrescentar que este homem bom não estará presente na acção proposta por mim: “Quarenta Albicastrenses presentes na praça do Município, pelos quarenta cedros abatidos na Sra. de Mércules”, mas se hoje fosse vivo e no encontrássemos no café do Amândio, local onde muitas e muitas vezes tomamos café juntos, ele diria: “Bispo não lhes dês descanso”. Assim como já teria tomado posição publica, sobre o corte dos cedros na Sra. De Mércules.

O Albicastrense

12 comentários:

  1. JBarradas19:24

    O video que acabei de ver, sobre a romaria da Sr.a de Mercules, é simplesmente maravilhoso.

    Abraço

    J barradas

    ResponderEliminar
  2. Anónimo21:38

    É impressão minha ou tavam lá os cedros????

    ResponderEliminar
  3. Claro que estavam amigo anónimo.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo11:42

    ARRONCHES

    Amigos que têm falta de trabalho, estão abertos concursos na Camara de Arronches para:
    - 1 lugar de Administrativa na Escola.
    - 1 lugar para Arquitectura.
    - 1 lugar para Assistente Social Da Camara.

    ResponderEliminar
  5. Belo documentário !! Sabe ,nunca fui à Srª de Mércoles ,pois é no mesmo dia da Srª do Almotão e o meu pai "converteu-se " mesmo à Idanha ...E lá estavam os cedros ...
    Aproveito para lhe desejar Boa Páscoa . Para mim ,basta-me ser na Idanha para já estar bem .

    ResponderEliminar
  6. Absolutamente espectacular este video. Minhas são as tuas palavras em relação ao dr. Lobo, que tive a sorte de ter por Amigo durante muitos anos.
    Abraço

    Joaquim Baptista

    ResponderEliminar
  7. Baptista.
    Homens como o "Dr. Lobo" são cada vez mais difíceis de encontrar.
    Agora é mais do tipo deixa andar, para depois criticarem aqueles que vão fazendo alguma coisa.
    Um abraço deste teu amigo.

    ResponderEliminar
  8. Amiga Idanhense sonhadora.
    Para si (embora ainda falte algum tempo) também uma Boa Páscoa.
    Quanto ao "facto" de nunca ter ido à Sra. de Mércules, não perde nada de especial, pois as afirmações do Dr. Lobo são ainda hoje (infelizmente), uma realidade.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  9. Anónimo08:25

    A cidade já pagou a dívída de gratidão para com Ernesto Pinto Lobo? Há quem ache que sim. Contudo/alguns vermes / persistem em denegrir a personalidade deste cidadão que, como toda a gente, tinha defeitos e qualidades.
    Não me lembro dos defeitos (porque não quero) mas assumo as suas qualidades no âmbito do folclore, do associativismo, do jornalismo, da "gestão" cultural, do ensino.Para além de gostar de ajudar os outros sem alarde, Pinto Lobo combateu sempre as élites pseudo-intelectuais e historiógrafos de pacotilha
    Os detractores da sua memória são aqueles que ele devem o que são hoje às "cunhas" do Dr.Lobo. Tanto na Câmara, como no ex-ISMAG ou na Segurança Social, na ex-Escola do Magistério, etc, etc... Muitos "doutores e doutoras ", principalamnete sociólogos e gestores de recursos humanos devem a sua formação ao dr. Pinto Lobo.Mas caladinhos até à sua morte ( morreu de um longo cancro) agora são os primeiros em atacar a memória transmitindo uma imagem distorcida e manipulada do Dr. Lobo para as gerações vindoras apelidando-o , entre outras coisas, de ladrão d eum destruidor de património, de um vigarista e mais outras coisas. O dr. Lobo deve ter sido o único morto que mereceu um género de proceso disciplinar com audiências, testemunhas e interrogatórios. È muito fácil matar um morto.E ai daqueles (poucos) que ousaram defender a memória do cidadão Pinto lobo. Conheço um desses casos, Por respeito e consciência deviam estar, pura e simplesmente, CALADOS.

    PMS

    ResponderEliminar
  10. Caro amigo PMS.
    As suas palavras serão seguramente as palavras de muitos e muitos albicastrenses.
    Independentemente da mania que alguns "espertos e sempre invejosos", gostarem de denegrir quem já não se pode defender.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  11. Só agora vi o documentário de que me falou há dias. Efectivamente a peça temática sobre a romaria nos anos 50 é,efectivamente,uma obra que deve fazer parte do espólio da cidade. Registada no blogue do meu amigo já não há ninguém que a destrua.É um belo exemplo de homenagem ao Ernesto.
    Também vi a outra,já a cores.
    Um abraço
    JJB

    ResponderEliminar
  12. Anónimo23:29

    Chegaram as tílias Foram plantadas. Agora fala-se d euma fonte clandestina. bora lá a mudar de padre da paróquia?

    ResponderEliminar

AO PRESIDENTE DA AUTARQUIA ALBICASTRENSE - (II)

Hoje ao passear pela rua Mousinho Magro, dei comigo a olhar para os dois portados que se podem ver na imagem aqui postada e a perguntar ...