sábado, julho 30, 2011

As coincidências na minha terra


Centro Cultural e Artístico de Castelo Branco - 1971
Centro de Arte Contemporâneo de Castelo Branco - 2009
Nas minhas pesquisas pelos velhos jornais da minha terra, tenho encontrado verdadeiros tesouros, tesouros que na época me passaram ao lado, ou por estar a cumprir o serviço militar na marinha, ou por ser demasiado jovem para me aperceber dos mesmos.
Um dos últimos tesouros que encontrei, foi o projecto de construção dum Centro Cultural e Artístico de Castelo Branco em 1971. Pasme-se!.. Pois o dito cujo, estava projectado para ser construído ao lado da Sé, (como se pode ver na fotografia que ilustra este post).
O edifício do conservatório ia abaixo, e no local construiriam o mamarracho que a foto documenta.
Não sei o que aconteceu, pois o dito cujo finou-se antes de ser erguido... (Será que os proponentes lunáticos desta aberração, se pifarão de repente?). Ao ver este projecto dei comigo a pensar: onde vi eu um projecto com muitas semelhanças, recentemente?
Depois de passar a mão várias vezes pela cabeça, veio-me à memória o actual projecto de construção do novo Centro de Arte Contemporâneo de Castelo Branco.
Perante tantas semelhanças a pergunta só pode ser uma: será que o presidente da autarquia da minha terra, se inspirou neste velho projecto, (horroroso para aquele local), para projectar a construção do Centro de Arte Contemporânea de Castelo Branco?
Curiosamente até os nomes dos ditos cujos, têm semelhança! O projecto de 1971, tinha o pomposo nome de: “Centro Cultural e Artístico de Castelo Branco” o que se pretende construir actualmente tem a designação de: “Centro de Arte Contemporâneo de Castelo Branco”.
Terminava dizendo o seguinte: se em 1971 houve gente que impediu e estapafúrdia ideia de mandar abaixo o edifício do conservatório, para ali construir a paredes meias com a Sé aquele monte de betão, também este albicastrense espera, que desta vez aconteça o mesmo.
Não vou comparar os dois locais, pois em 1971 a situação era bem mais grave, porém, não deixa de ser igualmente grave o local escolhido e a sua necessidade neste tempo tão difícil para todos nós.
O Albicastrense

4 comentários:

  1. Pois é , "ele há coincidências dum raio !!!! , daquelas que não lembra ao diabo"--assim se fala em bom beirão ...E os arquitectos são....?
    Muntas vesitas
    Quina

    ResponderEliminar
  2. Anónimo14:29

    É SÓ PLAGIAR
    EM BEIRÃO RESUMIDO
    TENHAM IDEIAS DE VERDADE
    DE ACORDO COM A REALIDADE
    HOMEM DA RUA

    ResponderEliminar
  3. alguém sabe quem foi o arquiteto do projeto de 1971?

    ResponderEliminar
  4. Caro amigo.
    No jornal estava o nome do autor, contudo, confesso que já não recordo o seu nome.
    Terá que ir à biblioteca e consultar o jornal para ficar a saber.
    Abraço

    ResponderEliminar

A RUA DA MINHA ESCOLA – (VII)

        (ESCOLA DA SENHORA DA PIEDADE)                          O que sabemos nós da rua da nossa escola primária? João Evangelista...