segunda-feira, outubro 24, 2011

EFEMÉRIDES MUNICIPAIS - LII




A rubrica Efemérides Municipais foi publicada entre Janeiro de 1936 e Março de 1937, no jornal “A Era Nova”. Transitou para o Jornal “A Beira Baixa” em Abril de 1937, e ali foi publicada até Dezembro de 1940. A mudança de um para outro jornal deu-se derivada à extinção do primeiro. António Rodrigues Cardoso, “ARC” foi o autor desde belíssimo trabalho de investigação, (Trabalho que lhe deve ter tirado o sono, muitas e muitas vezes).
O texto está escrito, tal como foi publicado.
Os comentários do autor estão aqui na sua totalidade.

(Continuação)
Temos a seguir a sessão de 17 de Julho, e nela, logo de entrada. Lemos o seguinte:
Nesta vereação foy apresentada huma Provizão pela qual S. Mag. he servido mandar ouvir esta Camara sobre a abonação do Capitão Jozé Pessoa Tavares a respeite da Comenda de Sarzedas que o mesmo a rematou por tres annos em preço cada hum delles de nove centos e vinte mil reis cujo o rendamento ha de ter principio em Janeyro de mil sete centos noventa e dous: E logo por todos foi uniformemente dito que elles abonavão ao dito Capitão Jozé Pessoa Tavares na referida renda e de como assim disseram assinarão”.
Novecentos e vinte mil reis era uma conta calada naquele tempo. Representavam hoje um bom par de dezenas de contos, o que nos mostra que a Comenda de Sarzedas era qualquer coisa de importante.
Não se percebe, porém, muito bem o motivo por que se veio pedir a abonação à Câmara de Castelo Branco. Se Sarzedas tinha
então a sua Câmara, porque não foi ela que prestou a abonação do rendeiro? Talvez porque este fosse desta cidade e houvesse aqui mais exacto conhecimento dos seus recursos?
A sessão seguinte realizou-se em 17 de Agosto e quem escreveu e redigiu a acta não foi o nosso conhecido escrivão Aranha, foi António Ribeiro de Paiva “que no impedimento do competente” ocupou o lugar dele.
Deus lhe perdoe o trabalho que nos deu para lhe decifrar a charada que atirou para as paginas do livro de acta, ou auto, como então se dizia!
Vamos lá copiar, para se fazer ideia do que valia o sr. Paiva:
Nesta vereassam foi nomeada para resseber os expostos que foram a Roda que se acha na Caza de divino espirito Santo a Izabel da Consseissam mulher de Bartolomeu Jose Largo para comprir com os deveres da sua obrigassam em os levar ao Santho Bauthismo e dar parte ao juiz para dar as providessias Nessessarias e guardar era tudo o inviolavel segredo para o que se lhe dara juramento e a signara o termo com seu marido”.
Safa! É bom escrever mal, como nós, por exemplo, mas também nem tanto como o sr. António Ribeiro Paiva que deus haja.
(Continua)
PS. Mais uma vez informe os leitores dos postes “Efemérides Municipais”, que o que acabou de ler é, uma transcrição fiel do que foi publicado na época.
O Albicastrense

1 comentário:

  1. F.S.Fonseca00:06

    EIS A PROVA DO VAZIO DE IDEIAS.
    QUAL CRISE QUAL CARAPUÇA...
    É A ERA DO VAZIO...DO TANTO FAZ...
    F. S. FONSECA

    ResponderEliminar

DESCOBRINDO CASTELO BRANCO ANTIGO – (VI)

  Esta é uma imagem que irá deixar muita gente a coçar a cabeça e a interrogar-se, sobre o local onde este edifício tinha poiso na terra...