sábado, outubro 01, 2011

QUIOSQUE VIDAL - III



UM FINAL FELIZ

Entre as muitos citações que conheço sobre mudar de opinião, gostaria de lembrar neste “poust”, uma de Alexandre Herculano:

Eu não me envergonho de corrigir os meus erros e mudar as minhas opiniões, porque não me envergonho de raciocinar e aprender”.

Vem a a citação anterior, a propósito da atribuição do espaço do antigo Posto de Turismo aos proprietários do “Quiosque Vidal”, depois de publicamente os responsáveis da autarquia albicastrense, terem assumido que o local iria ser licitado através de concurso público.
Como não tenho por hábito acreditar em histórias da carochinha ou em milagres de última hora, só posso acreditar que o abaixo assinado promovido pelos proprietários do “Quiosque Vidal”, assim como o apoio dos albicastrenses por esta causa, terão contribuído para que se fizesse justiça.
Não me vou alongar mais sobre esta triste história, pois ela já faz parte do passado, contudo, ela é demonstrativa de que ficar-se calado (que nem um rato) perante determinadas decisões, nunca é a melhor solução para quem quer que seja.
Aos responsáveis pela autarquia da minha terra, este albicastrense só pode manifestar: “só os burros não mudam de opinião”, e dizer-lhes que as palavras de Alexandre Herculano são um bom exemplo a seguir.
Para os proprietários do Quiosque, muitas felicidades e sorte para poderem continuar a servir a cidade, e os albicastrenses como até aqui.

O Albicastrense

5 comentários:

  1. Anónimo15:52

    "os burros não mudam de opinião" e
    "a verdade vem sempre ao de cima"
    sr veríssimo seria pedir muito que fosse objetivo e verdadeiro?
    pois, não, não consegue, a sua obsessão é superior.
    a verdade é que o sr garrido licitou na hasta pública e conquistou o direito de explorar o novo espaço
    tudo o resto é rasteira manipulação ou pueril convencimento
    saudações
    munícipe responsável

    ResponderEliminar
  2. Anónimo12:06

    Que desilusão! Que falta de gosto! Onde estão os livros das 14 editoras? As reproduções gráficas (postais históricos ou outros) de grande qualidade? O sítio para pequenas leituras e lançamentos de obras? A publicitação das edições regionais e dos autores locais? A pequena galeria de arte? O bom artesanato da região? Tanto palavreado, tanta guerra, tanta vitimização, tanto auto convencimento da “função de bem público” para isto? É pouco. Mas como há sempre a outra face da coisa, parabéns pela mediatização publicitária e pela luta para advogar o seu negócio. O comércio da cidade precisa de pessoas com esta fibra que saibam defender os seus interesses e a manutenção dos postos de trabalho. Parabéns. Resumindo a loja do ex-turismo, tão cobiçada, de momento apenas promove um inestético caixote branco bordejado de revistas. Ao menos, os vidros podiam servir para divulgar actividades culturais da cidade ou não?

    ResponderEliminar
  3. Anónimo12:19

    É de facto feliz
    Nem sempre uma empresa comemora hoje em dia 48 anos.
    Nem todos pela minha gerência.
    Mas temos tido sem modestia um serviço (ao) público que todos e os Albicastrenses reconhecem.
    E cá estamos sem ressentimentos a fazer o melhor 365 dias por ano
    A.Garrido

    ResponderEliminar
  4. Anónimo02:35

    Estou satisfeito com a solução. Era a mais justa. Mas estou de acordo que houve muita vitimização. Além do mais há aproveitamento oportunista dos 48 anos. O seu a seu dono... O senhor Vidal nada tem a ver com o senhor Garrido. O senhor Garrido nada tem a ver com o senhor Vidal.
    O quiosque Vidal foi trespassado. Ganhou o dinheiro que na altura nem era maioritariamente do senhor Garrido. Foi uma operação de quem deu mais dinheiro. Capital...
    O resto era e é conversa da treta. Mas o quiosque fica lá bem e é preciso. Faz lá falta.
    O que é outra conversa.
    Homem das Cavernas

    ResponderEliminar
  5. Anónimo17:12

    O senhor omerciante Garrido deve uma desculpa aos albicastrenses de bem.

    ResponderEliminar

A RUA DA MINHA ESCOLA – (IX)

(ESCOLA DO BONFIM)                               O que sabemos nós da rua da nossa escola primária?    (Rua do Bonfim)         ...