terça-feira, julho 24, 2012

DO BAÚ PARA O BLOG


O VELHO CORETO DA DEVESA
(1892-1954)
No dia 24 de Julho de 1892, foi inaugurado em Castelo Branco  no passeio da devesa, (conhecido por passeio verde), um belíssimo coreto. Coreto onde durante muitos e muitos anos, as bandas filarmónicas da nossa cidade, (e não só) deram música aos albicastrenses. Durante a cerimónia de inauguração, actuou a Orquestra do Clube Harmonia, sob a regência do maestro Urbano de Jesus Escoto.
O velho coreto da devesa, viu o fim dos seus dias derivado ao tornado, que assolou Castelo Branco no dia 6 de Novembro de 1954. Consta que o referido tornado, transformou o velho e bonito coreto, num montão de ferros retorcidos.
Tendo eu nascido quatro anos antes do seu desaparecimento, confesso que a única memória de tenho deste velho coreto, é através de antigas fotografias dessa época.
Ainda hoje (passados 58 anos), não consigo compreender a razão de ele não ter sido substituído na altura por outro.

PS. A imagem que ilustra este poste, foi retocada por este albicastrense, e só por esse motivo, o seu nome está nesta imagem. Se alguém souber indicar o nome do autor desta imagem, pode deixá-lo na caixa de comentários para ele ser inserido no poste. 
O Albicastrense

2 comentários:

  1. Bom dia,

    Infelizmente também não me lembro do coreto, (até porque nasci 27 anos depois de ter sido destruído), mas lembro-me bem do passeio verde. E lembro-me quando ainda era de facto verde! :)

    Cumprimentos,
    João Bispo.

    ResponderEliminar
  2. João.
    Cento e vinte anos depois da inauguração do primeiro coreto de que à memória em Castelo Branco, bem gostaria de ver alguém defender a construção de um novo coreto na minha terra.
    Cento e vinte anos depois da inauguração do primeiro e, 58 anos depois da sua destruição (tornado), não terá chegado a hora da nossa cidade ter um novo coreto da devesa?
    Aceitam-se respostas a esta minha sugestão.

    ResponderEliminar

DESCOBRINDO CASTELO BRANCO ANTIGO – (VI)

  Esta é uma imagem que irá deixar muita gente a coçar a cabeça e a interrogar-se, sobre o local onde este edifício tinha poiso na terra...