sábado, novembro 19, 2016

O CASTELO E AS MURALHAS DA TERRA ALBICASTRENSE - (3)

ACHEGAS PARA UMA MONOGRAFIA REGIONAL
“CASTELO BRANCO E O SEU ALFOZ”
(J. RIBEIRO CARDOSO)
 (Continuação)
Em 1245 fez-se no Porto uma escritura de composição entre o Mestre e freires da Ordem do Templo e o Bispo da Garda, sobre direitos episcopais, e nela se estipulou que os templários dariam aquele Prelado, em castelo Branco: (lugar adequado para fazer uma casa para celeiro e habitação para ele, Prelado e sua comitiva).
Et debent in castelo blanco dare et concedere locum competentem Episcopo, in quo possit fecére dominu ad conservandum panem, et res suas, etad pousandum cum suis”.
Os templários deram ao Bispo, no largo que ai está crismado de Luís de Camões, lugar adequado para ele fazer a sua casa de residência e o celeiro dos seus haveres, como na realidade fez.
Só quem for ceguinho de todo é que não dá logo tento que o Arco não foi feito para porta de muralha (1), e não descortina em uma das suas faces sinais certos de residência principesca, identificada pelo chamadoiro do Arco, que desde séculos vem sendo conhecido por Arco do Bispo, que outro não foi senão o da Composição de 1245.
Em frente do celeiro do Bispo, ficava o celeiro da Ordem como faz certo a casa que ainda ai está com a cruz da Ordem incrustada na parede. 
O produto da cobrança do dizimo estava intacto no celeiro da Ordem, incrustado na parede. O produto da colaboração do dizimo estava intacto no celeiro da Ordem e era de lá que saia a quarta parte para o celeiro do bispo, nos termos da escritura de 1245.
Revertendo ao caso das muralhas. Se em 1245 ou pouco depois, o Bispo da Guarda e os Templários edificaram no largo hoje conhecido de Luís de Camões os seus celeiros, é porque os julgavam a coberto de qualquer atrevido golpe de mão, ou mais concretamente, o largo tinha o natural resguardo das muralhas da vila a cobri-los da cobiça de gente de fora parte.
Temos aqui à mão a crónica de Dom Dinis, da autoria de Rui de Pina, em edição recente a reproduzir um códice inédito da Biblioteca Municipal do Porto.
Ora o seu capitulo XXXII está assim rubricado: “Das obras e cousas mais notáveis que El-Rei Dom Dinis fez em sua vida – Com este acrescentamento:
Este Rei em seu tempo fez na Comarca da Beira e Riba Côa estes castelos a saber. Avô, que agora é do Bispo de Coimbra, o Sabugal, Alfaiates, Castelo Rodrigo, Vila Maior, Castelo Bom, Almeida, Castelo Melhor, Castelo Mendo, São Felizes de Galegos, Fez mais Pinhel e o seu Castelo:
(Continua)
                                             O Albicastrense

Sem comentários:

Enviar um comentário

FOTOBIOGRAFIA DO PASSADIÇO DA TERRA ALBICASTRENSE

PÉROLAS  DA  TERRA ALBICASTRENSE O texto desta publicação, foi retirado do livro " Istopía" da autoria d...