quarta-feira, novembro 30, 2016

O CASTELO E AS MURALHAS DA TERRA ALBICASTRENSE – (VI)

ACHEGAS PARA UMA MONOGRAFIA REGIONAL
“CASTELO BRANCO E O SEU ALFOZ”
(J. RIBEIRO CARDOSO)
 (Continuação)
A propósito do duplo centenário acorrido em 1949 o governo do Estado Novo iniciou lição de alta cultura com o reconhecimento dos velhos castelos, pilares da Nacionalidade.
O restauro do nosso ainda entrou na forja, mas faltou-lhe homem de fôlego para assoprar a brasa capaz de dar calor á obra ainda mal começada.
O restauro não se fez, nem ao menos se concluiu a velha torre, a que caiu do cansaço, que aí ficou a gritar-nos qualificativos, que em alguns assentam à maravilha.
As muralhas tinham primitivamente 7 portas, a saber:

1ª) Porta da Vila
Dava entrada para a rua dos Ferreiros aos caminhos que convergiam ao Largo de São João.
2ª) Porta de Santiago.
Ao norte, na encosta do castelo. 
Dava entrada pela calçada da Alegria aos caminhos que vinham de Cafede e São Vicente da Beira. O nome vinha-lhe de uma capela do Apóstolo que estava junto à ponte da Alcreza, no caminho que vem de Cafede para Castelo Branco.
3ª) Porta do Esteval. 
Não se identifica com exatidão, mas ficava na encosta do castelo, entre as portas de Santiago e da Traição. Ainda existente, em frente de São Gens.
4ª) Porta da Traição. 
Ainda existente, em frente de São Gens.
5ª) Porta de Santarém. 
A poente, em frente da igreja de Santa Maria. Dava entrada aos caminhos vindos de Sarzedas.
6ª) Porta do Ouro. 
Não se conhece a razão do qualificativo. Estava perto da torre de Santa Maria e em frente da Capela de São Brás.
7ª) Porta do Espírito Santo.
Dava entrada para a rua de Santa Maria aos caminhos que vinham da Açafa e do norte Alentejano.

A necessidade premente de dar fuga para fora das muralhas a uma população em ritmo acelerado de crescimento, obrigou à abertura de mais três portas, que ficaram assim chamadas.

1ª) Porta do Postiguinho de Valadares. 
Dava saída à Rua dos Peleteiros para o largo da igreja de São Miguel. 
2ª) Porta do Relógio. 
Dava saída à praça, hoje chamada de Camões, para a rua hoje chamada do Dr. Morão.
3ª) Porta do Postigo
Dava saída à Rua do Poço das Covas para a Devesa.

Nenhuma destas portas tem cronica merecedora de reparo, a não ser aquela da Traição por onde furtivamente entrou Manuel da Fonseca Coutinho, alcaide de Idanha, com a sua criadagem armada, e assassinou Dom Fernando de Meneses, alcaide de castelo Branco.
(Continua)
O Albicastrense 

Sem comentários:

Enviar um comentário

AO PRESIDENTE DA AUTARQUIA ALBICASTRENSE - (II)

Hoje ao passear pela rua Mousinho Magro, dei comigo a olhar para os dois portados que se podem ver na imagem aqui postada e a perguntar ...