segunda-feira, outubro 29, 2007

TOPONÍMIA ALBICASTRENSE - (XI)

Ruas da Minha Cidade

Na toponímia albicastrense, a avenida Afonso de Paiva será seguramente uma das mais conhecidas na nossa cidade, porém, é minha convicção que a personalidade que lhe dá nome, será para a maioria dos albicastrenses um ilustre desconhecido, independentemente do mesmo ter nascido em Castelo Branco no longínquo ano de1460.
A Avenida Afonso de Paiva tem o seu início na praça Rainha D. Leonor, e termina junto à escola que também tem o seu nome.
Quem foi Afonso de Paiva?

Afonso de Paiva nasceu em Castelo Branco em 1460. Herdou o cargo de escrivão de sisas na sua comarca natal, e escrivão real da comunidade hebraica, actividade que o colocou em contacto com muita gente do Levante e lhe permitiu aprender o hebreu, tornou-se explorador português a convite de D. João II para que fosse recolher informações do Oriente acerca das rotas comerciais e pontos de referência. Afonso de Paiva, que aprendera a falar árabe com os mercadores de Ceuta, e Pêro da Covilhã, que, entre outras experiências, fizera já duas expedições a Berbéria e já conhecia os costumes e o falar dos árabes. Participou na batalha de Toro ao lado do rei D. João II que lhe reconheceu os méritos de bom escudeiro. Por nele confiar, escolhe-o para acompanhar Pêro da Covilhã na demanda pelo reino do Preste João e da Índia. Em 7 de Maio de 1487 partiram estes dois novos emissários de Santarém, bem providos de dinheiro e com indicações dadas pelos cosmógrafos da Corte, acerca do itinerário a seguir. Lisboa, Valência, Barcelona, Nápoles e Rodes, foram etapas da primeira parte da viagem. Depois, disfarçados de mercadores, passaram a Alexandria, de onde seguiram para o Cairo, para o Suez e para a Arábia (Toro). Depois partiram para Adem, onde chegaram em 1488. Aqui se separaram, indo Pêro da Covilhã para a Índia e Afonso de Paiva para a Etiópia. Afonso de Paiva não chegou a terminar a sua missão. Morreu antes que Pêro da Covilhã regressasse ao Cairo, depois de, durante um ano, ter percorrido a Índia e outras terras do Oriente. Voltando à costa de África, chegou a Sofala, de onde, por Adem e Tôro, regressou ao Cairo nos fins de 1490. D. João II veio a saber da morte de Afonso de Paiva por dois judeus que enviou.
          Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Albicastrense

1 comentário:

  1. Anónimo10:08

    PELO SEU INTERESSE, ATENÇÃO A ESTE BLOG http://memoriarecenteeantiga.blogspot.com/

    ResponderEliminar

A RUA DA MINHA ESCOLA – (VII)

        (ESCOLA DA SENHORA DA PIEDADE)                          O que sabemos nós da rua da nossa escola primária? João Evangelista...