sábado, fevereiro 25, 2012

ALBICASTRENSES ILUSTRES - XXV

 JOÃO VELHO
(Vassalo e Procurador de D. Dinis 12??-13??)

Nasceu em Castelo Branco (!) na primeira metade do século XIII. Vassalo e Conselheiro de D. Dins, foi enviado por este rei a Aragão para tratar  do seu casamento com a Princesa, que mais tarde viria a ser a Rainha Santa Isabel.
Para isso partiu de Portugal em 1280, acompanhado de mais dois embaixadores, os conselheiros João Martins e Vasco Pires, igualmente fidalgos e pessoas autorizadas.
Na corte de D. Pedro III e D. Constança, pais de D. Isabel, a pretensão foi acolhida favoravelmente, pelo que os dois regressaram ao reino com  os aragoneses Conrado Lança e Beltran de Vila Franca, a fim de se ajustarem as bases do contrato de casamento.
Tudo é combinado  com satisfação  geral, pelo que a 24 de Abril de 1281, na vila de Vide, é passada a carta de arras, onde se afirma:
"Seja notório que a todos, que nos Dinis pela graça de Deus Rey de Portugal, e Algarve doamos, e consignamos propter nuptias, a vos Dona Isabel filha do illustre Rey Dom Pedro, per graça de Deos Rey de Aragão, e da Rainha D. Constança, a qual recebemos por molher conforme a ley do nosso Senhor Jesus Christo as nossas villas, convem a saber, Abrantes, e Porto de Moz".
Alguns messes depois, a 12 de Novembro do mesmo ano, D. Dinis, então em Estremoz, passa igualmente a necessária procuração para os emissários   poderem receber em seu nome a Infanta e, em que diz:  
"Saibão todos, que nos D. Dinis pela graça de Deos Rey de Portugal  e do Algarve, fazemos, e ordenamos nossos procuradores certos, e especiaes, a vos João Velho, João Martins e Vasco Pires nossos vassalos, a todos juntos e a cada hum em particular, para tratar com o ilustre  Dom Pedro pella graça de Deos Rey de Aragão sobre se conthrair matrimonio entre nos, e Dona Isabel filha mais velha do dito Rey, e para tambem conthrair  em nosso nome por palavras de presente, ou esposorias  por palavras de futuro, e para aceitar tambem o consentimento da mesma Dona Isabel de nos querer por marido ou por esposo".
O casamento por procuração efectuou-se no Paço Real de Barcelona, em 11 de Fevereiro se 1282, durante o qual a Princesa profere  as seguintes palavras, que aqui são fielmente traduzidas:
"Eu Isabel filha do Excellente D. Pedro, por graça de Deos illustre Rey de Aragão  faço entrega de mim para mulher legitima a vos Dom Dinis  pela graça de Deos Rey de Portugal e Algarve, e ainda que ausente, como se estiveres presente.  E sobre o essencial do mesmo matrimonio  dou meu consentimento a vos procuradores sobreditos que estais em bom nome do mesmo Dom Dinis Rey de Portugal".
D. Isabel, com o seu séquito, parte de seguida para Portugal encontrando-se em Trancoso com D. Dinis, acompanhado da maior parte da nobreza da Corte e, ali se repete a cerimonia nupcial, a 24 de Junho, no meio de solenes e pomposas festas.  

Recolha de dados: "Figuras Ilustres de Castelo Branco".  de Manuel da Silva Castelo Branco.
O Albicastrense

1 comentário:

  1. Bem , alvíssaras a esse João Velho !!!que nos trouxe uma Santa .É bom saber ...
    Ab.
    Quina

    ResponderEliminar

MEMÓRIAS DE OUTROS TEMPOS - " O JÚLIO RAMOS DO CAFÉ ARCÁDIA"

O jornal “ Beira Baixa ” publicou em 1944, a pérola que aqui estou a postar.                            Não há no Mundo maior palp...