sábado, junho 11, 2016

CADERNOS DE CULTURA - "MEDICINA NA BEIRA INTERIOR". (X)

AMOR E A MORTE... NOS ANTIGOS REGISTOS PAROQUIAIS ALBICASTRENSES.
                                                         Por Manuel da Silva Castelo Branco

 História da Lápide Sepulcral
Biface - (1ª parte)
(Continuação)
Assento 18 (S2-10, fl.478) –
A Excelentíssima Senhora D. Joana Maria Josefa de Meneses, mulher do Excelentíssimo Senhor D. Brás Baltazar da Silveira, Governador das Armas desta Província, faleceu a vinte dias de Novembro de 1726 e está sepultada nesta igreja de S. Miguel, em sepultura de fábrica, de que fiz este assento que assinei dia, mês e era «ut supra». O Vig° encomendado João Rodrigues Goulão. À margem esquerda: - Declaro que a sepultura é própria por se dar por ela a esmola costumada de 8000 réis para a fábrica, com autoridade de Sua Ilustríssima (o que consta do Livro da Fábrica) / Goulão.
À margem direita: - Declaro também que na mesma sepultura em que foi sepultada a Ex. ma Senhora D. Joana (de cujo óbito é este Assento) foi sepultado juntamente um filho, de cujo parto faleceu Goulão. 
Outro Adiantamento: - Esta sepultura foi aberta, como consta do Assento fl. 486v / Corugeiro.

Assento 19 (Ibid., fl. 486v)
 - Aos vinte dias do mês de Setembro de 1728, se abriu a sepultura em que foi sepultada a Ex. ma Senhora D. Joana Maria Josefa de Meneses, cujo Assento está a fl. 478. E, constando da identidade dela e do corpo da dita Ex.ma Senhora, se tornou a fechar com campa de pedra inteiriça, com suas armas e letreiro que declara estar ela ali sepultada, de que tudo se fez Auto assinado pelos que estiveram presentes e de que fiz este Assento demandado de Sua Ilustríssima dia, mês e era «ut supra» / O vigº Manuel Rodrigues Corugeiro.
Comentário
No Assento 18, vemos o registo de óbito de D. Joana Maria Josefa de Meneses, filha segunda dos 2º condes de Santiago de Beduído e primeira mulher de D. Brás Baltazar da Silveira, então Mestre de Campo General dos exércitos de Sua Majestade (D. João V) e Governador das Armas da Província da Beira. Este casal pertencia à alta nobreza do reino e assistia, temporariamente, na vila de Castelo Branco desde meados de 1721... Aqui lhes nascera, a 6.2.1722, sua 2ª filha D. Luísa Amónia Francisca da Silveira (a 1ª, D. Leonor da Silveira, havia falecido com poucos meses, a 3.2.1721); a 3ª filha, D. Maria Inácia da Silveira, fora baptizada na praça de Almeida, a 18.2.1723; desta vez seria o primeiro filho mas a adversidade negou-lhe a existência bem como a sua mãe.
Os corpos da infeliz dama e do fruto do seu amor ficaram pois depositados (a 20.11.1726) na igreja de S. Miguel, em sepultura de fábrica adquirida por 8000 réis... Através do Assento 19, sabemos que cerca de dois anos mais tarde, a 20.9.1728, procederam à abertura daquela sepultura e, depois de revista e identificados os restos mortais de D. Joana, «se tornou a fechar com campa de pedra inteiriça, com suas armas e letreiro que declara estar ela ali sepultada».
Na ausência de outros elementos documentais mais esclarecedores, não podemos deixar de nos interrogar sobre o motivo de tal diligência. No entanto, a resposta parece simples e de certo modo convincente: - D. Brás Baltazar da Silveira, ainda viúvo e no exercício do referido cargo, quis honrar a jazida da mulher, mandando colocar sobre ela uma campa que dignamente perpetuasse a sua memória.
Efectivamente, o artista encarregado deste trabalho esculpiu na face exposta da laje granítica, com 2,14 m de comprido por 0,86 metros de largura e 0,23 metros de espessura, uma bem ordenada composição repartida por duas partes. Assim, na de cima lavrou o escudo com as armas da família de D. Joana e, por baixo, a epígrafe latina cujo teor é o seguinte (emport.):
- «D. Joana Maria Josefa de Meneses, digníssima filha do conde de Santiago, amantíssima esposa de D. Brás Baltazar da Silveira, Governador das Armas desta Província, muito prendada na verdade por don segrégios e dignos na mulher ilustre, mas mais ilustre pela piedade e por outras virtudes de Senhora cristã (a honra mais digna), morreu de hemorragia puerperal no dia 21 de Novembro de 1726 e, juntamente com o filho da (sua) dor, aqui está sepultada». (27)
Esta lápide ainda bem conservada foi escolhida pela organização das nossas jornadas, em 1991, para servir de figura alegórica ao tema: O Amor e a Morte na Beira Interior. Mas, como veremos a seguir, sobre ela há mais coisas para contar...
(Continua)
                                                   O Albicastrense

Sem comentários:

Enviar um comentário

FOTOBIOGRAFIA DO PASSADIÇO DA TERRA ALBICASTRENSE

PÉROLAS  DA  TERRA ALBICASTRENSE O texto desta publicação, foi retirado do livro " Istopía" da autoria d...