segunda-feira, junho 06, 2016

CADERNOS DE CULTURA - "MEDICINA NA BEIRA INTERIOR". (VIII)

AMOR E A MORTE... NOS ANTIGOS REGISTOS PAROQUIAIS ALBICASTRENSES.
                                                        Por Manuel da Silva Castelo Branco

VII - Retrato de uma Jovem Matrona Albicastrense dos
Começos de Setecentos.
(Continuação)
Assento 15 (S2 - 3B, fl. 34) - Francisca, filha de Afonso da Gama Palha natural da cidade de Elvas e de sua mulher D. Ana Maria da Silva Sotomayor desta freguesia e primeiro matrimónio, nasceu aos 22 de Outubro de 1695 e foi baptizada aos 6 dias do mês de Novembro da dita era pelo P. Manuel de Valadares Sotomayor prior do Teixoso e tio da dita baptizada, de minha licença.
Foram padrinhos o desembargador Luís de Valadares Sotomayor e D. Francisca Sotomayor, respetivamente, avô e tia da dita baptizada.
E, para constar, fiz este assento dia, mês e era «ut supra» / O Vig°. Frei João Marques.
Comentário
Assim se acha registado o nascimento de D. Francisca Xavier Filipa da Gama Sotomayor, filha única e herdeira da casa de seus pais, pertencentes a famílias nobres do reino. 
Contando quási 14 anos de idade, casou em Elvas a 31.7.1709 com D. João de Aguilar Mexia de Avilez e Silveira, natural de Arronches, fidalgo da Casa Real,  Cavaleiro da Ordem de Cristo e familiar do Santo Oficio, filho de D. Afonso de Aguilar Monroy e D. Filipa Maria de Sequeira. 
Casamento tratado pelos pais dos noivos e que iria florescer como se de amores tivesse nascido. Viveram em Elvas com grande Casa e numerosa descendência, mas D. Francisca seria vítima de trágico acidente, quando se consumavam sobre a data desta feliz união 14 anos, 2 meses e 9 dias, «sem que em todo este tempo houvesse entre ela e seu marido o mínimo desgosto, discórdia ou hora de arrependimento mas antes se trataram sempre em admirável paz com a mesma ternura e fineza quase pratica entre os noivos»... 
Autorda época deixou-nos um relato pormenorizado e interessante acerca desta família, onde destaca por forma singular a figura da jovem senhora, que retrata do seguinte modo:
- «De corpo gentil, branca e corada como uma rosa, cabelo bem povoado e mais louro que castanho, olhos pequenos mas vivos e em todas as mais feições, com proporção engraçada, se compunha de uma particular beleza. Participava mais luz o seu entendimento do que costuma caber na esfera do discurso de mulher; modo grave e senhoril, sem deixar de ser afável; airosa e bem prendada no tratamento de sua pessoa; benigna e prudente de condição; vigilante com a sua família e cuidadosa no governo dela.
No público sabia ser senhora e, no particular da sua casa, especulativa e laboriosa, unindo felizmente os dois extremos de ter governo e ser liberal. Era agradecida e primorosa e, sobretudo, fidelíssima à veneração de seus pais e ao amor e estimação de seu marido. Sem exemplo na doutrina e educação de seus filhos pois amando-os com o maior carinho, como se fora só um o objecto do seu amor estando igualmente repartido por dez, os ensinava em religiosos costumes, com a mais severa disciplina; instruía-os na reverência e temor de Deus, na boa e importante união entre si e na estimação de suas pessoas, sem desprezo dos próximos ou menos agrado com todos; que fossem brandos e bem aceites aos seus familiares e que tivessem horror aos vícios. Trouxe sempre diante dos olhos a observância da lei de Deus, frequentava os Sacramentos e tinha contínuas devoções; punha especial cuidado em que a sua família vivesse conforme as obrigações de cristãos e em remediar as necessidades dos pobres, com ardente caridade. Gostava muito de tratar as pessoas, que reconhecíamos de virtude; foi de alegre conversação e de génio aprazível; e sendo, finalmente, um composto de perfeições que a conduziam a merecer o título de matrona e a parecer singular entre as mulheres e senhoras do seu tempo; e das mais capazes de viver no mundo, sendo nele tão precisa para a criação de dez filhos inocentes (dos quais, o mais velho contava 12 anos, o último, não bem completos 4 meses) e para o conduto da vida de seu marido, consolação de sua mãe, complacência de seus parentes e felicidade de toda a sua Casa... Veio a morrer na flor da sua idade, com 28 anos menos três dias, em 19 de Outubro de 1723, uma terça-feira, pelo caso mais fatal e como uma das desgraças mais infaustas que se têm representado no triste teatro deste mundo»... (24)
Efetivamente, na ausência do marido e do filho mais velho (em viagem para Portalegre e Castelo Branco), D. Francisca decidiu ir passar a tarde daquele dia na sua quinta da Serra do Bispo, no termo de Elvas. 
Jornada de recreio, aproveitando a companhia da mãe e de duas filhinhas; e ali permaneceram durante algumas horas... No regresso, quando a seu pedido o cocheiro parou e desceu a fim de abrir a cortina dianteira, as mulas desataram numa corrida desenfreada e D. Francisca foi projetada para o meio da estrada.
Embora não apresentasse qualquer ferimento, expirava poucos momentos depois, já nos braços da mãe e rodeada pelas filhas, que saíram ilesas deste trágico acidente...
 (Continua) 
                                                 O Albicastrense 

Sem comentários:

Enviar um comentário

UM HOSTEL NA NOSSA ZONA HISTÓRICA

 (A CASA DA D. OLÍVIA)  Muitas foram já as vezes que aqui depositei tristezas sobre a nossa zona histórica, e muitas mais irão suced...