quarta-feira, fevereiro 27, 2008

Lugares Escondidos da Minha Cidade

O Beco dos Caios

Dos poucos lugares em Castelo Branco, onde eventualmente possamos utilizar a expressão; “Lugares escondidos de Castelo Branco”, este Beco dos Caios, será seguramente um desses locais.
Este Beco, é certamente um lugar desconhecido para a grande maioria dos albicastrenses. Se perguntássemos a um qualquer morador da nossa cidade onde fica, a resposta seria na sua grande maioria, não sei!
Neste beco, residiram os meus avós em finais do século XIX e durante muito tempo do século XX, por esta viela passei muitas vezes a caminho do antigo Café Lusitânia, para ali poder ver televisão nos anos sessenta e setenta.
Por este beco, entravam ou saíam os clientes desse “Mítico” café que vinham da parte nova da nossa cidade, com o eclipse do Café Lusitânia, também o beco, se tornou num lugar deserto onde a vida mais não é que uma ilusão do passado.
O nosso Beco, está hoje transformado em traseira de estabelecimentos comerciais, que ali colocam o seu lixo e o transformaram em lixeira pública.
O nome deste Beco, (Caios) terá surgido em virtude de uma família que ali terá vivido durante o séc. XIX (?), e tinha esse apelido; (Segundo conversas que tive com meu pai, à muitos anos).
O Beco dos Caios e a Travessa do Relógio, são hoje locais desamparados e desprezados pelos albicastrenses, no entanto a historia da nossa cidade também passou por ali...
Não mereceriam estes e outros lugares escondidos da nossa cidade, outro tipo de terapia urbanística?

O Albicastrense

14 comentários:

  1. Anónimo17:49

    Os sórs engenheiros (da Junta e da Câmara) acham que não. Nem conhecem!

    ResponderEliminar
  2. Nuno Farinha01:49

    Em que zona da cidade, fica este Beco? Eu sou um dos muitos que não conhece o sítio.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo02:29

    Senhor Verissimo:
    Já deve ter ouvido falar do processo de canonização da irmã Lúcia dos 3 pastorzinhos, pois bem tivemos uma ideia que gostaríamos de colocar à sua consideração. Como na nossa cidade há muitas ruas sem nome que seja daao a duas ruelas ou becos, pouco importa, o nome dos dois novos beatos de Portugal de seu nome Maria Rodrigues e Walter Vitorino Lemos. A santa Rodrigues e o S. Vitorino Lemos ou S. Walter (para os crentes mestrados) são os advogados dos incultos e dos chicos espertos de Portugal.
    Sr. Verissimo muito obrigado por aceitar esta nossa cruzada. O S. Walteré (à americana) será muito importante que atinja o altar e que não faça sombra ao nosos querido chefe e deus.

    que assim seja, que assim seja.

    Snos seus tempos de ateu o beato Vitorino andava aos pulos a dançar a música que dizia " è o bicho, é o bicho vo-te divorararé crocodilo eu soooooou"
    E NÃO È QUE DEVOROU MESMO

    ResponderEliminar
  4. Anónimo02:40

    CONHECE O PROCESSO DE HOMINIZAÇÃO?
    BEM.
    DESAFIO:

    VAMOS OLHAR COM ATENçÂO PARA A CARA DO SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAçÂO
    O LICENCIADO MASTER VALTER VITORINO LEMOS.
    SURPRESA.
    ONDE?
    EM QUE GENE?

    obrigado por permitir ocupar este espaço de liberdade

    ResponderEliminar
  5. Anónimo02:55

    Os Franceses



    Aux armes, citoyens !

    Formez vos bataillons !

    Marchons, marchons !

    Qu'un sang impur...

    Abreuve nos sillons !





    COUPLETS



    I

    Allons ! Enfants de la Patrie !

    Le jour de gloire est arrivé !

    Contre nous de la tyrannie,

    L'étendard sanglant est levé ! (Bis)

    Entendez-vous dans les campagnes

    Mugir ces féroces soldats ?

    Ils viennent jusque dans vos bras

    Égorger vos fils, vos compagnes.

    Aux armes, citoyens ! Etc.



    II

    Que veut cette horde d'esclaves,

    De traîtres, de rois conjurés ?

    Pour qui ces ignobles entraves,

    Ces fers dès longtemps préparés ? (Bis)

    Français ! Pour nous, ah ! Quel outrage !

    Quels transports il doit exciter ;

    C'est nous qu'on ose méditer

    De rendre à l'antique esclavage !

    Aux armes, citoyens ! Etc.



    III

    Quoi ! Des cohortes étrangères

    Feraient la loi dans nos foyers !

    Quoi ! Des phalanges mercenaires

    Terrasseraient nos fiers guerriers ! (Bis)

    Dieu ! Nos mains seraient enchaînées !

    Nos fronts sous le joug se ploieraient !

    De vils despotes deviendraient

    Les maîtres de nos destinées !

    Aux armes, citoyens ! Etc.



    IV

    Tremblez, tyrans et vous, perfides,

    L'opprobre de tous les partis !

    Tremblez ! Vos projets parricides

    Vont enfin recevoir leur prix. (Bis)

    Tout est soldat pour vous combattre.

    S'ils tombent, nos jeunes héros,

    La terre en produit de nouveaux

    Contre vous tout prêt à se battre.

    Aux armes, citoyens ! Etc.



    V

    Français, en guerriers magnanimes

    Portons ou retenons nos coups !

    Épargnons ces tristes victimes,

    A regret, s'armant contre nous ! (Bis)

    Mais ce despote sanguinaire !

    Mais ces complices de Bouillé !

    Tous ces tigres qui, sans pitié,

    Déchirent le sein de leur mère !

    Aux armes, citoyens ! Etc.



    VI

    Amour sacré de la Patrie

    Conduis, soutiens nos bras vengeurs !

    Liberté ! Liberté chérie,

    Combats avec tes défenseurs ! (Bis)

    Sous nos drapeaux que la Victoire

    Accoure à tes mâles accents !

    Que tes ennemis expirants

    Voient ton triomphe et notre gloire !

    Aux armes, citoyens ! Etc.



    VII

    Peuple français, connais ta gloire ;

    Couronné par l'Égalité,

    Quel triomphe, quelle victoire,

    D'avoir conquis la Liberté ! (Bis)

    Le Dieu qui lance le tonnerre

    Et qui commande aux éléments,

    Pour exterminer les tyrans,

    Se sert de ton bras sur la terre.

    Aux armes, citoyens ! Etc.



    VIII

    Nous avons de la tyrannie

    Repoussé les derniers efforts ;

    De nos climats, elle est bannie ;

    Chez les Français les rois sont morts. (Bis)

    Vive à jamais la République !

    Anathème à la royauté !

    Que ce refrain, partout porté,

    Brave des rois la politique.

    Aux armes, citoyens ! Etc.



    IX

    La France que l'Europe admire

    A reconquis la Liberté

    Et chaque citoyen respire

    Sous les lois de l'Égalité ; (Bis)

    Un jour son image chérie

    S'étendra sur tout l'univers.

    Peuples, vous briserez vos fers

    Et vous aurez une Patrie !

    Aux armes, citoyens ! Etc.



    X

    Foulant aux pieds les droits de l'Homme,

    Les soldatesques légions

    Des premiers habitants de Rome

    Asservirent les nations. (Bis)

    Un projet plus grand et plus sage

    Nous engage dans les combats

    Et le Français n'arme son bras

    Que pour détruire l'esclavage.

    Aux armes, citoyens ! Etc.



    XI

    Oui ! Déjà d'insolents despotes

    Et la bande des émigrés

    Faisant la guerre aux Sans-Culottes

    Par nos armes sont altérés ; (Bis)

    Vainement leur espoir se fonde

    Sur le fanatisme irrité,

    Le signe de la Liberté

    Fera bientôt le tour du monde.

    Aux armes, citoyens ! Etc.



    XII

    O vous ! Que la gloire environne,

    Citoyens, illustres guerriers,

    Craignez, dans les champs de Bellone,

    Craignez de flétrir vos lauriers ! (Bis)

    Aux noirs soupçons inaccessibles

    Envers vos chefs, vos généraux,

    Ne quittez jamais vos drapeaux,

    Et vous resterez invincibles.

    Aux armes, citoyens ! Etc.





    COUPLET DES ENFANTS



    Nous entrerons dans la carrière,

    Quand nos aînés n'y seront plus ;

    Nous y trouverons leur poussière

    Et la trace de leurs vertus. (Bis)

    Bien moins jaloux de leur survivre

    Que de partager leur cercueil

    Nous aurons le sublime orgueil

    De les venger ou de les suivre.

    Aux armes, citoyens ! Etc.

    ResponderEliminar
  6. Caro Nuno Farinha.

    Este Beco fica na Rua Francisco Tavares Proença Júnior.
    Ou seja, para quem desce a Rua J. A. Morão é a primeira transversal à direita e dá para a Capela de S.Marcos.
    Fica mesmo ao lado de uma loja de flores.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  7. Caros anónimos.

    A vossa irreverencia é contagiante, porém não vou por essas bandas.
    Não têm que agradecer a ocupação deste espaço, apenas peço alguma moderação e fica a promessa que podem contar comigo para outras ideias.
    Cumprimentos do Albicastrense.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo19:07

    Olhe que eles já t~em a lista cheia. escusa de se colocar em bicos de pés.Já lá não cabe.E ainda bem para si.

    ResponderEliminar
  9. Caro anónimo.

    Estava para não lhe responder, porém como quem cala consente.
    Quanto à lista cheia ainda bem para eles, é sinal que têm freguesia.
    Quanto a colocar-me em bicos de pés!!!
    tenho a dizer-lhe que não tenho jeito para a dança, nem nunca tive, sou aquilo a que todos chamam um autentico coxo nesta modalidade.
    Quanto a não caber lá...
    Nem podia, pois estou reformado... e por sinal mal pago!!
    Continue a dar-nos os seus comentários.

    Cumprimentos do Albicastrense

    ResponderEliminar
  10. Anónimo23:01

    Nas listas há muitos e (bem) reformados.E dançam muito e muito. São mesmos especialistas em bailes... Pode acreditar- Obrigados pelo convite de continuação

    ResponderEliminar
  11. Anónimo23:01

    Nas listas há muitos e (bem) reformados.E dançam muito e muito. São mesmos especialistas em bailes... Pode acreditar- Obrigados pelo convite de continuação

    ResponderEliminar
  12. Carlos Coelho22:44

    Sr. Veríssimo,

    Os Caios a que se refere são os dois negociantes conhecidos do séc. XIX da nossa cidade:

    Joaquim dos Santos Caio e irmão.

    Cps,

    Carlos Coelho

    ResponderEliminar
  13. Amigo Carlos Coelho.

    Bem-haja pela deixa.

    ResponderEliminar

A RUA DA MINHA ESCOLA – (IX)

(ESCOLA DO BONFIM)                               O que sabemos nós da rua da nossa escola primária?    (Rua do Bonfim)         ...