quinta-feira, fevereiro 07, 2008

A NOSSA HISTÓRIA - (VI)

A TERRA ALBICASTRENSE ATRAVÉS DOS TEMPOS 


SEM COMENTÁRIOS!
O Albicastrense

2 comentários:

  1. E isto foi um pouco por essa Beira fora. Outros tempos...

    Nuno Farinha

    ResponderEliminar
  2. E Pereira Sousa21:13

    O Sr.Morão tem permitido coisas muito parecidas. Basta andar por essa zona histórica de Castelo Branco. Razão 1 tem o nosso amigo historiador Dr. Pedro Salvado que sempre desconfiou destas bondades do Sr. Presidente Morão- Um grande Homem- em relação aos patrimónios da cidade. Cambada de néscios.

    1Razão é a faculdade de raciocinar, de apreender, de compreender, de ponderar, de julgar; a inteligência.

    Os filósofos racionalistas opõem a razão à imaginação. Enquanto empregar a imaginação é representar os objetos segundo as qualidades secundárias - aquelas que são dadas aos sentidos - empregar a razão é representar os objetos segundo as qualidades primárias, aquelas que não são dadas à razão.

    Empregada em filosofia, a palavra razão comporta vários significados:

    A razão como característica da condição humana, quando se define o homem, por exemplo, como animal racional, ou se diz que alguém está no uso da razão ou a perdeu;

    Princípio ou fundamento, a razão pela qual as coisas são como são ou ocorrem os fatos desta ou daquela maneira.

    A razão não é uma instância transcendente, dada de uma vez por todas, mas um processo que se desdobra ou realiza ao longo do tempo. Dir-se-ia que, assim como o homem é a história do homem, a razão é a história da razão.

    Zenão de Eléia, identificando a razão com o ser e admitindo que o princípio de identidade, formalmente entendido, é o princípio fundamental da razão, argumenta para provar que o movimento e a pluralidade, envolvendo contradição, são irracionais e, portanto, irreais, meras ilusões dos sentidos.

    A razão, entendida como diálogo, não tem um conteúdo eventual, mas permanente, o conhecimento de si mesma e das essências das coisas, do universal. A razão socrática é o método que permite, pelo diálogo, proposição da tese, crítica da tese ou antítese, chegar à síntese, a essência descoberta em comum, ao termo da controvérsia.

    ResponderEliminar

A RUA DA MINHA ESCOLA – (IX)

(ESCOLA DO BONFIM)                               O que sabemos nós da rua da nossa escola primária?    (Rua do Bonfim)         ...