sábado, março 15, 2008

Castelo Branco na História XVIII

(Continuação do número anterior)

“Continuação da medição e descrição do palácio dos comendadores de Santa Maria da vila de Castelo Branco”

“Por cima da porta da cerca há um patim de cantaria, do qual se sobe para a escada principal do pátio que tem 26 degraus de pedra; e no cimo da dita escada está outro patim coberto de forro de madeira, sustentado sobre três colunas.
Na entrada há uma porta de 7 palmos de alto e 7 de largura por onde se entra para um recebimento lajeado de pedra sobre a abobada, que antigamente era descoberto e consta que servia de cisterna, que tem 4 varas de comprimento e 3 de largo, no qual estão 2 portas, e se desce pela da esquerda por uma escada de pau para uma casa térrea em que esta uma chaminé e um forno; e pela outra porta se entra para a sala de espera do palácio, que tem 2 janelas, uma de assentos e outra rasgada viradas para o nascente, e uma chaminé, tendo de comprimento 10 varas, e 5 de largo.
“ Há nesta sala mais três portas, por uma das quais se entra para um quarto que tem uma janela rasgada sobre o pátio; e deste quarto há uma porta para outro que tem uma janela rasgada e por ali se entra por uma porta para outro quarto com sua janela, e tem 5 varas de comprido e 3 varas e 2 palmos de largo.
Pela porta que esta no canto da dita sala de espera, se entra para uma outra sala com sua janela para o norte, tendo de comprimento 6 varas e meia e 5 varas e 4 palmos de largo. Tem estas duas portas, uma à direita, que dá entrada para a última sala com duas janelas, uma para norte e outra para o nascente, e uma chaminé, tendo 8 varas e meia de comprimento e 5 de largo; e havendo ainda uma outra porta para onde se entra para um quarto ladrilhado de tijolo, que tem 5 varas de comprimento e outras 5 de largo.
Há no dito quarto três portas que dão entrada, para uma cozinha, que tem 6 varas de comprido e 5 de largo, outra que dá saída para a varanda do palácio, da parte do nascente, que é ladrilhada de tijolo com sua guarda de parede pela dianteira e pelos lados tem seus alegretes para flores, tendo de comprimento 14 varas e 4 palmos e de largo 4 ditas.
Estão os três quartos de que se fez menção formados sobre três arcos de pedra, que estão ao presente tapados, à excepção de um, pelo qual se entra ficando a mão esquerda um portado que dá entrada para uma casa que fica de baixo do primeiro recebimento do palácio e da abóbada.”

18/103

PS. O texto é apresentado nesta página, tal qual foi escrito na época.
Publicado no antigo jornal Beira Baixa em 1951
Autor.
M. Tavares dos Santos

O Albicastrense

1 comentário:

  1. Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the MP3 e MP4, I hope you enjoy. The address is http://mp3-mp4-brasil.blogspot.com. A hug.

    ResponderEliminar

MEMÓRIAS DE OUTROS TEMPOS - " O JÚLIO RAMOS DO CAFÉ ARCÁDIA"

O jornal “ Beira Baixa ” publicou em 1944, a pérola que aqui estou a postar.                            Não há no Mundo maior palp...