sábado, maio 24, 2008

Barbearias de Castelo Branco

A Barbearia do “Ti Camilo”

As velhas barbearias da nossa cidade, são hoje em dia autênticas aves raras em via de extinção, elas foram pouco a pouco, sendo substituídas pelos novos estabelecimentos, a quem todos nós hoje chamamos “Cabeleireiro de Homens”.
A barbearia do “Ti Camilo” é uma das poucas ainda existentes em Castelo Branco, a historia desta velha barbearia confunde-se com a própria história do bairro onde tem pousada, (Bairro do Cansado).
Visitei esta barbearia, e falei com o “Ti Camilo” que me contou o passado, deste desgastado estabelecimento com mais de meio século de idade.
Abriu portas em 1952, (inicio da construção do bairro) e teve como único proprietário, durante todo esse tempo o “Ti Camilo” que hoje tem a bonita idade de 84 anos. A boa disposição deste “velho” homem, ficou prontamente demonstrada quando de imediato me diz: “Olhe que Camilo é com um i e não com um e”!!!!!. Conversa leva a conversa e fiquei a saber que em tempos, ali fizeram a barba e cortaram cabelo, alguns ilustres da nossa praça. Hoje pelo que tive oportunidade de observar, esta barbearia está fadada a pessoas de mais idade, pois os 84 anos de idade do proprietário, provavelmente afastam os mais novos.
É pena, que este tipo de estabelecimentos vá morrendo dia a dia…. Com eles, morre igualmente o trato tão pessoal dos antigos barbeiros para com os clientes.

São novos tempos… dirão alguns!!! É o progresso, dirão outros!!!!

É UM POUCO O APAGAR DAS MEMÓRIAS DA NOSSA CIDADE, DIREI EU….

O Albicastrense

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. A vida é mesmo assim. Ainda hoje comentava ao ver uma reportagem sobre a "extinção dos alfaiates".
    Acabar nunca acabam, mudam é de nome. Estilista por exemplo, no fundo é um alfaiate dos tempos modernos, no meu entender, claro.

    ResponderEliminar

MEMÓRIAS DE OUTROS TEMPOS - " O JÚLIO RAMOS DO CAFÉ ARCÁDIA"

O jornal “ Beira Baixa ” publicou em 1944, a pérola que aqui estou a postar.                            Não há no Mundo maior palp...