quinta-feira, novembro 18, 2010

CASTELO BRANCO NA HISTÓRIA E NA ARTE - LXXII


MONUMENTOS DE CASTELO BRANCO
(CAPELAS E CRUZEIROS - VII)
(Continuação)
CAPELA DE NOSSA SENHORA DA PIEDADE
Está assente do lado do nascente da antiga vila de castelo Branco, numa colina hoje povoada e compreendida na área da cidade actual. Ignora-se a data da sua fundação. Sabe-se que foi reconstruída no século XVIII e restaurada no segundo quartel do século XX. Na fachada principal do lado poente existia no século XVIII um alpendre, com 6 metros de comprimento e 5,50 de largura, apoiado em seis arcos de cantaria. Exteriormente nada tem de notável.
Interiormente as paredes são forradas de azulejos artísticos do século XVIII representando os Mistérios de Nossa Senhora, as dos apóstolos, a de Santo António e a de S. Francisco, a Ceia de Jesus Cristo e outros assuntos religiosos. Um quadro, também de azulejo, tem os seguintes dizeres:
"Esta obra a azulejo foi um benemérito se fez com o dinheiro do doutor Francisco Rafeiro. Pede-se um Padre-Nosso e uma Ave-Maria".
Ao meio do pavimento está uma laje sepulcral com o seguinte epitáfio:
"Aqui está depositado o corpo de Gil Vaz Lopo governador das armas que foi de ambos os partidos desta província da Beira. Ham-se de transladar os seus ossos para a sua capela de Nossa Senhora do Monte, que mandou se fizesse na sua quinta de Odivelas e faleceu em 7 de Março de 1678".
A Capela de Nossa Senhora da Piedade foi primitivamente da invocação de S. Gregório. António Roxo, aventou a hipótese de ter esta capela, mudado de designação pelo facto de ter sido para ali lavada a imagem do Senhor da Piedade quando se arruinou a capela hexagonal que lhe ficava fronteira e onde também estava a imagem do Senhor da Azinha, tendo o povo deturpado o nome de Senhor em Nossa Senhora da Piedade. Não se afirma muito criável esta hipótese, sendo mais natural admitir-se que, venerando-se também a imagem de Nossa Senhora da Piedade na Capela de S. Gregório, o povo mudasse a sua designação pelo mesmo motivo que o levou a substituir o nome da do Senhor da Piedade pelo de Senhor da Azinha.
PS. Falta acrescentar que Manuel Tavares da Silva escreveu este texto em 1958. Presentemente estão a decorrer obras de restauro nesta Capela, obras que começaram no interior e que se estenderam agora ao seu exterior. Vamos aguardar para podermos avaliar as obras que actualmente ali decorrem.
CAPELA DO ASILO DA INFÂNCIA DESVALIDA
Foi construída no século XVIII e inaugurada com a invocação de Santa Maria Madalena em 24 de Fevereiro de 1753, pelo Bispo da Guarda D. bernardo António de Melo Osório, fundador do extinto Recolhimento de mulheres convertidas que tinham a sua sede no edifício do asilo. É de arquitectura muito singela.
CAPELA DE S. MARTINHO
Num outeiro que avulta ao sueste da cidade, à distancia de quatro quilómetros, onde existiu um castro pré-romano e se encontra actualmente um marco geodésico construído em 1852, ergue-se esta ermida que está mencionada, como pertencente à Comenda de Santa Maria do Castelo, no Tombo das Rendas e Direitos do Convento de Tomar e Comendas da Ordem de Cristo existente na Biblioteca Nacional e que foi escrito em 1560 por ordem do Rei D. Sebastião.
O Dr. José Ribeiro Cardoso, na sua obra, “Castelo Branco e o seu Alfoz” emite a opinião de que esta ermida é a mais antiga de todas as que foram edificadas nos subúrbios da nossa cidade e que foi construída em louvor de S. Martinho, em substituição de outra que existia no mesmo local, consagrada à deusa Trebaruna.
PS. O texto é apresentado nesta página, tal qual foi escrito na época. Publicado no antigo jornal "Beira Baixa" em 1951.
Autor; Manuel Tavares dos Santos.
O Albicastrense

2 comentários:

  1. Pois,gostaria de saber mais a respeito do Asilo distrital afial ali passaram muitas crianças e muitas vidas se transformaram ali,peço que digam algo mais da história deste local,porque não se encontra quase nada.
    Grata a todos que puderem acrescentar algo.

    ResponderEliminar
  2. Amiga Fátima Bento.
    Na biblioteca de Castelo Branco, encontrará com certeza dados sobre o Asilo Distrital.
    Penso que pode pedir através da Internet dados sobre o assunto.
    Abraço

    ResponderEliminar

A RUA DA MINHA ESCOLA – (VII)

        (ESCOLA DA SENHORA DA PIEDADE)                          O que sabemos nós da rua da nossa escola primária? João Evangelista...