sábado, janeiro 22, 2011

CENTRO DE INTERPRETAÇÃO PARA O JARDIM DO PAÇO

UMA BOA APOSTA
No dia 3 de Dezembro de 2010, publiquei neste blogue um poste a que dei o nome de: “Uma velha casa”. Nele descrevia a situação, em que se encontra a casa que em tempos deu abrigo ao antigo Museu Académico (Junto ao Passadiço), e propunha uma possível solução para aquele “pobre” espaço degradado.
Passado mês e meio, os responsáveis pela nossa autarquia, anunciam através do jornal “reconquista”, a construção de um: "Centro de Interpretação para o Jardim do Paço", no citado espaço.
Neste projecto (segundo a mesma notícia), o mencionado centro consistirá, numa estrutura que acolherá meios interactivos, espaços para exposições, a própria bilheteira e um conjunto de instrumentos que permitirão ao visitante percorrer todo o jardim com a informação necessária. Além do Centro, será ainda construída no mesmo edifício, uma casa de chá que terá uma esplanada virada para o jardim.
Como não sou pretensioso, recuso-me a acreditar que o meu poste possa ter contribuído de alguma maneira para este desfecho, no entanto, gostaria de acreditar que alguém ligado à nossa autarquia possa ter lido o pobre texto deste albicastrense e comentado para com os seus botões: “este gajo é capaz de ter alguma razão, na proposta que faz”.
Independentemente de acreditar ou não que o meu poste possa ter contribuído para este “hipotético” centro, este albicastrense aplaude a decisão tomada pelos responsáveis pela nossa autarquia, esperando que ele seja uma realidade a curto prazo e não mais uma obra para arrastar no tempo.
O Albicastrense

8 comentários:

  1. Afinal pela noticia mencionada na "Reconquista" parece que vamos ter a recuperação do imóvel,no entanto sobre o espólio do Museu Académico nada se diz. Haja esperança, tanto na concretização da obra como no regresso à cidade de algum material pertença do aludido Museu.
    JJB

    ResponderEliminar
  2. Anónimo20:17

    Assim que li a notícia no jornal pensei logo no dito post. Das duas uma, ou alguém da câmara lê efectivamente este blog ou é uma enormíssima coincidência pois até a sugestão que foi dada na altura como possível função para a casa (servir como local de apoio aos visitantes do jardim do paço) é aquela que aparentemente irá para a frente.

    Seja como for, vai ser bom poder voltar a ver esta casa centenária servir a cidade como já fez no passado.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo22:30

    O jardiim tem se ser vendido a partir do museu.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo22:31

    Essa a casa de cha''''''''''''''''

    ResponderEliminar
  5. Ao anónimo que aqui deixou a ideia do jardim poder ser visitado a partir do museu, posso dizer o seguinte: a sua proposta é defendida por mim à muitos e muitos anos, em meu entender essa poderá ser a grande falha do projecto agora apresentado pela nossa autarquia.
    A visita ao jardim através do museu (ou o contrario), seria a “cereja em cima do bolo”.
    Aproveitando esta deixa, pedia aos visitantes para abordarem este assunto, prometendo que depois farei um poste sobre este tema onde colocarei as resposta mais significativas sobre o mesmo.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo16:36

    Na minha opinião não faria muito sentido restringir-se a entrada no jardim aos visitantes do museu. É certo que traria muitos mais visitantes ao mesmo mas o "Hall de Entrada" do jardim fica na Rua Bartolomeu da Costa e entrar na Jardim do Paço por outro lado não seria a mesma coisa.

    O que me pareceria uma boa iniciativa era que os visitantes do museu tivessem, no final da visita ao mesmo, a oportunidade de conhecer o jardim. Se os preços não fossem muito díspares, tenho a certeza de que muita gente preferiria ir dar uma volta pelo museu também.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo18:32

    Este projecto já vem do POLIS.

    ResponderEliminar
  8. Amigo Verríssimo
    Relativamente à futura visita ao jardim,depois das obras previstas, penso que a entrada deveria começar pelo Portão Principal - o impacto da entrada disperta curiosidade ao visitante - e a saída seria,obrigatoriamente,pelo Museu.
    A colocação da bilheteira neste caso é que merece atenção especial,mas os técnicos saberão dar a volta, se assim vier a ser entendido.Soluções não faltarão, estou certo.

    Quanto ao sistema apresentado dou conhecimento que é assim que acontece em visitas a palácios, museus,catedrais e outros monumentos que tenho visitado por essa Europa,ou seja,acabada a visita toda a gente é obrigada a passar por salas de exposições,de vendas de artesanato/lembranças, podendo então usufruir de outras de apoio a informações,bar,wc,etc..
    Com a utilização deste esquema o visitante ao passar por esses espaços tem a oportunidade de usufruir de atendimento personalizado em tudo o que a estrutura lhe oferece. Para além disso, é necessário que a oferta seja de qualidade,como se espera,e então a entidade exploradora terá também direito a colher os justos proventos.

    Um abraço
    JJB

    ResponderEliminar

A RUA DA MINHA ESCOLA – (IX)

(ESCOLA DO BONFIM)                               O que sabemos nós da rua da nossa escola primária?    (Rua do Bonfim)         ...