terça-feira, julho 10, 2007

OS FONSECAS DE CASTELO BRANCO - III

Diogo da Fonseca
(Corregedor do crime da corte)
Filho de Francisco Martins da Costa e de Perpétua da Fonseca, terá nascido por volta de 1500, tendo falecido durante o reinado de Filipe I em 1580.
Era irmão do Frei Egídio da Apresentação, lente de Teologia, deputado da Inquisição de Coimbra, muitas vezes vice-reitor da universidade e autor de varias publicações; e de Bartolomeu da Fonseca cónego doutoral da Sé de Coimbra.
Foi ministro de D. Sebastião, de D. Henrique e de Filipe I e II. Colaborou na compilação das ordenações Filipinas (um autentico Camaleão este Diogo da Fonseca). Foi Desembargador da casa da Suplicação, de que tomou posse em 1566, membro do conselho supremo de Portugal em Madrid, corregedor do crime na corte.
Mestre de leis e jurisconsulto distinto, responsável pela lenda do encoberto, após a morte de D. Sebastião, esteve igualmente envolvido nos episódios que precederam e seguiram a batalha de Alcácer Quibir.
Na qualidade de desembargador da casa de Suplicação, figurou entre os vinte e quatro letrados que deviam julgar a causa da sucessão nas cortes de 1579. Diogo da Fonseca acompanhou, como tantos outros, a politica Filipina, conservando-se com proventos e honras no cargo de corregedor do crime durante esse tempo.
Quando o Prior do Crato tomou Aveiro e foi recebido afectuosamente em Coimbra, resolveu o Duque de Alba mandar um magistrado, o Dr. Diogo da Fonseca, para aconselhar a câmara a prestar obediência a Filipe II, sob a pena de severas sanções.
A situação era periclitante, pois ainda se ouviam vivas a el-rei D. António!...Tudo ia sofrer completa alteração, não mais haveria complacência, nem mercê, com os protestes e rebeldias dos verdadeiros patriotas Portugueses. Vários documentos atribuem-lhe as funções de membro do conselho supremo de Portugal, em Castela. Universitário, Jurisconsulto e politico, a memoria do Dr. Diogo da Fonseca não pode isentar-se da nódoa infamante que infelizmente maculou a quase totalidade dos personagens de elevada cotação intelectual e social, do clero e da nobreza, daquela época, a todos os títulos desgraçada.
Salvou-se o povo e uma parte do clero, na resistência à dominação castelhana.

Em Castelo Branco
, fundou a capela do coro de baixo, que ficava por detrás do altar-mor da Igreja do convento dos Agostinhos, actual Misericórdia, que havia de tornar-se muito conhecida por capela do carneiro ou dos Fonsecas.
Ali jaz sepultado com os seus descendentes e muito provavelmente, com o irmão Fr. Bartolomeu da Fonseca. Deste nosso conterrâneo muito pouco se sabe… mas por aquilo que tive oportunidade de ler no livro de Jaime Lopes Dias O retrato de Frei Roque do Espírito Santo e do Frei Egídio da Apresentação, seria de extrema importância que algum historiador local se interessasse pelo estudo desta família albicastrense, que durante o século XVI foi das mais importantes de Portugal.
A vida de Diogo da Fonseca daria sem qualquer
dúvida um bom filme, pois conseguiu sobreviver a quatro reis, D. Sebastião, D. Henrique e Filipes de Espanha, morrendo durante o reinado do terceiro Filipe, foram 80 anos de vida, em que serviu Portugal, Espanha e principalmente a si próprio…. Infelizmente!
O Albicastrense

2 comentários:

  1. Anónimo14:25

    Filipe III, em 1580? Não haverá confusão?
    De onde copiou estes textos?

    ResponderEliminar
  2. Caro anonimo.
    Tem razão, pois em 1580 reinava em Espenha e em Portugal, Filipe I e não Filipe III.
    Abraço

    ResponderEliminar

A RUA DA MINHA ESCOLA – (IX)

(ESCOLA DO BONFIM)                               O que sabemos nós da rua da nossa escola primária?    (Rua do Bonfim)         ...