segunda-feira, julho 16, 2007

TOPONÍMIA ALBICASTRENSE - (VI)


RUA D. JORGE DA COSTA 
(Conhecido como Cardeal de Alpedrinha)
Se perguntarmos a algum albicastrense onda se situa rua D. Jorge da Costa em Castelo Branco, não tenho qualquer dúvida que a quase totalidade responderá “não sei!” Mas se perguntarmos a esse mesmo albicastrense onde fica o catorze na nossa cidade, a resposta será bem diferente. No entanto este estabelecimento encontra-se precisamente situado na rua.

D. Jorge da Costa. D. Jorge da Costa.
Nasceu em 1406, na vila de Alpedrinha, filho de Martim Vaz e de Catarina Gonçalves, foi o primeiro de 15 irmãos. Estudou em Paris e foi prelado em várias dioceses: Bispo de Évora, Arcebispo de Lisboa e Arcebispo de Braga. Foi feito Cardeal pelo Papa Sisto IV, em 18 de Dezembro de 1476, com o título dos Santos Pedro e Marcelino. Dotado de invulgares qualidades, foi diplomata, e teve o maior préstimo junto de D. Afonso V, de quem foi conselheiro e confessor, tendo sido também mestre – capelão da sua irmã, a infanta D. Catarina. Por se haver inimizade com o filho e sucessor daquele, o rei D. João II, exilou-se em Roma a partir de 1483, onde acabou por passar o resto da sua vida, governando a partir da Cúria Romana a diocese. A D. Jorge da Costa se deve a criação da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, com todo o apoio que deu à Rainha D. Leonor, tendo, para o efeito, movido influências em Roma para que a nova instituição surgida em Portugal tivesse o reconhecimento do Papa. Morreu em Roma no ano de 1509, onde se encontra sepultado num túmulo magnífico, na Igreja de Santa Maria del Popolo.
A Câmara Municipal de Fundão patrocinou em 2006, as comemorações, do 6º centenário do nascimento do Cardeal D. Jorge da Costa, Cardeal de Roma durante o Pontificado de quatro Papas, foi no Vaticano o grande “negociador” das coisas de Portugal, tal como o designou a Rainha D. Leonor, que o teve sempre como conselheiro da mais sublinhada e generosa virtude. As comemorações do, 6º centenário, estender-se-ão até 2008 o ano da sua morte, com inauguração da uma estátua de D. Jorge da Costa, e a publicação da uma biografia, sobre o mesmo.

O Albicastrense

3 comentários:

  1. Belo monumento funerário. Onde arranjaste o foto?

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Nuno Farinha01:04

    Muito interessante, esta história.

    ResponderEliminar
  3. Batista a foto foi tirada sait. do Vaticano.
    Um abraço

    ResponderEliminar

DESCOBRINDO CASTELO BRANCO ANTIGO – (VI)

  Esta é uma imagem que irá deixar muita gente a coçar a cabeça e a interrogar-se, sobre o local onde este edifício tinha poiso na terra...