domingo, dezembro 26, 2010

CASTELO BRANCO NA HISTÓRIA E NA ARTE – LXXIII

Durante longos séculos a população de Castelo Branco suportou resignadamente a carência de água necessária para o abastecimento público. O povo utilizava, nos seus usos domésticos e para dessedentar-se, a água das fontes e poços existentes nos prédios rústicos das cercanias, mercê da generosidade ou comparecência dos seus proprietários. Entre estes poços e fontes contavam-se os das Quintas da Polida, das Pedras, das Laranjeiras, de Montalvão, da Cubeira, da Carapalha, do Jardim e do Ribeiro das Hortas. Varias fontes e poços públicos construídos pelo Município, forneciam quase sempre, água impropria para consumo, já por ser extraída por meio de recipientes pouco higiénicos, já por ser proveniente de nascentes sujeitas a inquinações por estarem situadas sob arruamentos.
FONTES E POÇOS PÚBLICOS - ( I )
As fontes públicas mais antigas de que há notícia são as da Feiteira, do Penedo, do Torneiro, o Chafariz da Graça e da Defesa que tem actualmente a designação de Chafariz de S. Marcos.
Em em sessão de 7 de Abril de 1655 determinou a Câmara Municipal, que todo aquele que na Fonte da Feiteira ou na do Penedo lançasse pedra ou molhasse palha pagaria dois mil reis da cadeia e qualquer pessoa poderia acoimar com uma testemunha.
As fontes da Feiteira e do Penedo desapareceram, tendo-se tornado difícil saber hoje, a sua localização. Na mesma sessão da Câmara também se deliberou o seguinte: “Toda a pessoa de qualquer qualidade que seja que na Fonte do Torneiro lançar gato ou cão ou raposa ou outro qualquer bicho pagará quatro mil réis da cadeia e toda a pessoa que tirar algum bordo da dita fonte pagará seis mil réis da cadeia e lançando pau ou pedra pequena pagará quinhentos réis e, sendo filho-família, o que fizer alguma das coisas sobre ditas pagará seu pai por ele a condenação”.
A Fonte do Torneiro, também desaparecida, estava adjacente ao muro de vedação da Quinta da Carapalha em cujas imediações está actualmente a Estação do Caminho de Ferro. Em sessão de 18 de Agosto de 1790 determinou a Câmara Municipal que se obrigasse uma pessoa de cada casa a limpar as fontes da Graça, da Pequeixada, da Devesa, do Tostão e da Fonte Nova “com pena de um tostão aplicado para a mesma limpeza, indo pessoas capazes de trabalhar que retirarão o entulho para longe”. Verifica-se, pois, que no fim do século XVIII havia, além das fontes citadas, mais a da Pàqueixada, da Devesa e a do Tostão e já existia também a Fonte Nova.
(Continua)
PS. O texto é apresentado nesta página, tal qual foi escrito na época. Publicado no antigo jornal "Beira Baixa" em 1952.
Autor: Manuel Tavares dos Santos.
O Albicastrense

5 comentários:

  1. PERGUNTA:
    - Algum albicastrense conhece o destino que foi dado às pedras da fonte de chafurdo que a primeira foto mostra??? Hoje seria uma relíquia do passado.
    No local foi colocado um mamarracho,do qual já tirei foto para o posterizar.
    Mais valia não terem lá posto nada.
    Lembram-se da bomba de água que existiu na Rua Mousinho Magro,junto à Antiga Papelaria Nogueira? Também essa relíquia não deixou rasto.Assim se tem delapidado todo um património.
    É tudo.
    JJB

    ResponderEliminar
  2. Amigo JJB.
    Quando encontrei esta velha fotografia fiz a mim mesmo essa pergunta:
    Onde estarão as pedras da fonte que podemos ver nela?
    Tentei saber aqui e acolá, onde habitavam as pedras da velhinha fonte. Após muitas perguntas, apareceu alguém a dizer-me que depois da fonte ter sido retirada do local pela nossa autarquia,(anos 50 ?),a mesma foi morar para os estaleiros da Câmara, onde esteve hospedada durante alguns anos.
    Foi-me dito que a mesma mora hoje numa quinta nos arredores da nossa cidade.
    Tentei passar por essa quinta, para tirar uma fotografia que pudesse comprovar esse facto, porém ainda não foi possível fazê-lo.
    Prometo um dia destes passar por lá, para ver se é possível tirar a respectiva, desta forma podemos confirmar a veracidade da informação que me foi dada.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. João Pinto18:01

    Havia um poço público revestido e coberto com granito ao fundo da Rua de Santiago , também se evaporou na década de 50.
    Não sei como se designava.
    Existem algumas fotos antigas da Rua de Santiago ?
    Cumprimentos
    João Pinto

    ResponderEliminar
  4. João Pinto18:07

    Havia também um poço público ao fundo da Rua de Santiago a uns trinta metros do final da Rua.
    Estava revestido e coberto a granito ,não sei como se designava.
    Também deve ter desaparecido na decada de 50.
    Têm alguma foto antiga da Rua de Santiago? Gostaria de recordar velhos tempos.
    Cumprimentos
    João Pinto

    ResponderEliminar
  5. Amigo João Pinto.
    O poço a que se refere tinha por nome: Poço de Santiago.
    Consta que que a agua era abundante, mas de pouca qualidade.
    Quanto a fotografias sobre o poço, não tenho, nem nunca vi.
    Um abraço para si.

    20:27

    ResponderEliminar

A RUA DA MINHA ESCOLA – (VII)

        (ESCOLA DA SENHORA DA PIEDADE)                          O que sabemos nós da rua da nossa escola primária? João Evangelista...