sexta-feira, março 18, 2011

SENHORA DE MÉRCULES - VII


SÃO SÓ VELHOS CEDROS SENHORES, APENAS CEDROS.

O jornal reconquista publicou esta semana, o artigo que pode ler de seguida:

Depois da resposta de Joaquim Morão ao e-mail enviado por Maria de Jesus à nossa autarquia, onde ele diz: “que lamenta profundamente o abate das árvores, já que consideramos não existir necessidade de tal decisão, porque não termos conhecimento de qualquer obra ou intervenção que se pretendesse fazer e exigisse tal medida”.
Seguem-se as justificações dos responsáveis pelo corte dos cedros, no jornal “Reconquista” (como não podia deixar de ser).
Não vou aqui comentar as desculpas esfarrapadas e infelizes, dadas pelos responsáveis pelo acto que designei de “barbárie”, se o fizesse teria que ser bastante desagradável para com eles, e não é esse o meu propósito.
No entanto sempre aqui posso contar, que um semana antes estive na senhora de Mércules, local onde fui espectador de um grande acidente de viação, na escadaria onde estavam os cedros, um autocarro que vinha a descer, bateu de frente com outro que ia a subir! Nem vos digo os estragos causados por tal acidente... pois, podia causar arrepios às almas mais sensíveis.
Dois ou três dias depois voltei ao local, ao subir a escadaria dos cedros, tive que lutar ferozmente contra um data de bicharada que infestava o sítio, pois o lixo atraia-os e eles faziam do mesmo a sua casa predileta.
Como não existem dois sem três, voltei ao local do crime um dia antes do corte dos cedros, nem vos conto o que por ali vi! As raízes danadas dos cedros, saiam de baixo da terra e infiltravam-se, (salve seja) no velho muro centenário que tinham ao seu lado, uma autêntica vergonha.

Agora mais a sério! As explicações dadas pelo nosso presidente e pelos responsáveis pelo local, não são fruto da bondade de quem quer que seja. Antes pelo contrário, estas desculpas (umas mais esfarrapadas que outras) só acontecem, porque estes senhores se sentiram pressionados pelo interesse que muitos albicastrenses têm demonstrado por este caso.
Este assunto não irá morrer nas declarações feitas por estes senhores, (pelo menos no que a mim diz respeito). As explicações são de tal maneira infelizes, que se tivesse dúvidas das minhas razões, elas estariam agora muito mais fortalecidas. Aos albicastrenses que aqui vêm visitar-me, só posso prometer que irei continuar a lutar para que situações como esta não voltem a acontecer na minha terra. Se nada de mais esclarecedor acontecer, no dia anunciado lá estarei na praça do Município, para demonstrar o meu descontentamento.
Seja um dos quarenta albicastrenses a estar presente nesse dia.
O Albicastrense

10 comentários:

  1. Anónimo19:12

    A paróquia, o seu jornal e alguns servidores bem tentam disfarçar...
    Assassino foi o abate (massacre). Anedótica, foi a explicaçâo.
    Muito feia, escusada e tardia
    foi a reportagem.
    Muitas luas depois, lá deram
    um sinal. Para dizerem aquilo, mais valera, estarem calados.
    Olhem, que enganar é pecado...
    Pois, já sabia, para eles, o pecado mora ao lado.
    Sentinela da Noite

    ResponderEliminar
  2. Nuno S. Fonseca00:47

    Há quem diga, que Cristina Mota Saraiva tem boa disposição.
    Conheço-a mal. Por isso, quem sou eu para negar.
    Mas, já deu para ver que, quando lhe chega a mostarda ao nariz, perde um pouco, as estribeiras... É mau sinal e, pelo menos, dá alguma razão a quem criticou o jornal por não ter divulgado o escândalo do corte das árvores na Senhora de Mércules.
    Que custa a creditar, que nada sabiam, lá isso custa.
    Tantos jornalistas, colaboradores e tanta rede, e não sabiam?
    Com vários blogs a denunciarem há que tempos, e não sabiam?
    Custa a acreditar, lá isso custa.
    Pode ser uma questão de fontes...
    Azedar assim, surpreende!
    Nuno S. Fonseca

    ResponderEliminar
  3. Anónimo17:58

    Azeda, bem apanhado.
    Custa mesmo a acreditar, que só agora soubessem.
    E depois, o modo como defende o indefensável, é de uma insensibilidade que até doi.
    Zé do Telhado

    ResponderEliminar
  4. Pois ,....Palavras para quê ?!

    ResponderEliminar
  5. Anónimo19:57

    O tempo que perdem a criticar o corte das árvores na Sra.de Mércoles,deviam era preocupar-se com as vossa vidas.
    E já agora porque é que não criticam o abate de árvores que serve para o papel onde vocês escrevem?E o corte das oliveiras e azinheiras que serve para se aquecerem no inverno?Dessas não falam............

    ResponderEliminar
  6. Caro anónimo.
    Diz você: "O tempo que perdem a criticar o corte das árvores na Sra. de Mércoles, deviam era preocupar-se com as vossa vidas".
    Meu amigo, a minha vida é defender aquilo em que acredito, contrariamente à sua que deve ser uma grande chatice.
    Continua você: "E já agora porque é que não criticam o abate de árvores que serve para o papel onde vocês escrevem".
    Que papel?
    E por fim: "E o corte das oliveiras e azinheiras que serve para se aquecerem no inverno".
    Eu até tenho um irradiador a óleo.
    Para terminar, se me permite um conselho, antes de escrever este tipo de comentário pense não uma vez, nem duas, nem três, mas pelo menos mil vezes.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo08:28

    ABERRAÇÃO o lancil CAIXA GERAL DOS DEPÓSITOS.Vai ter banho ou banhada d,ouro.Inicio dos TRABALHOS antes do dia Exercito 24 outubro 2010.Todos os meses que tenho de ir ao Banco me deparo com esta obra do marca o passo UM Prá-frente : DOIS Pra-tras parece a Burra do Zé Braz

    ResponderEliminar
  8. Anónimo20:06

    O anónimo das 19,57, o que está preocupado com o papel:
    Não gasta papel?
    Então, como limpa o cu?
    Coitadinho...
    Zé do Telhado

    ResponderEliminar
  9. Anónimo21:47

    Epá...COMO É POSSIVEL AINDA HAVER GENTE COM ESTES COMENTÀRIOS.

    Oh Sr. Anónimo das 19:57, não me diga que o Sr. é que foi o lenhador de serviço?

    E o Sr. não merece que eu gaste mais "papel" com o seu comentário.
    IRRA!!!!!!!!

    Pastor Lusitano

    ResponderEliminar
  10. Mané do Condado20:52

    Eu bem me parecia que lá vinham umas obrinhas... HEhEEhEEE!!!

    ResponderEliminar

MEMÓRIAS DE OUTROS TEMPOS - " O JÚLIO RAMOS DO CAFÉ ARCÁDIA"

O jornal “ Beira Baixa ” publicou em 1944, a pérola que aqui estou a postar.                            Não há no Mundo maior palp...